Flamengo X Palmeiras: Quem leva a melhor nessa disputa de gigantes?

Nos últimos cinco anos, o futebol brasileiro tem dois clubes hegemônicos: Palmeiras e Flamengo. Neste sábado, às 17h, em Montevidéu, as equipes jogam a maior final da história dos confrontos entre elas, para decidir quem ficará com a taça da Libertadores.

Como Palmeiras e Flamengo chegaram ao topo? Quanto os clubes gastaram em contratações? Quem foi contratado? Quem foi vendido? Quais foram os destaques palmeirenses e rubro-negros em cada campanha? O ge fez esses levantamentos que ajudam a explicar por que os dois times acumularam conquistas recentes e chegaram à final da atual Libertadores.

A primeira comparação diz respeito aos atletas utilizados. Quem jogou mais vezes pelo Palmeiras nas temporadas dos últimos títulos brasileiros? E no ano do bi da Libertadores? No lado rubro-negro, quais foram as presenças mais constantes no ano mágico de 2019? E na atual temporada? Veja abaixo quantas vezes cada jogador atuou pelos dois clubes.

O que explica um domínio tão grande do Brasil na Libertadores?

A Libertadores terá uma final brasileira pela segunda vez seguida. Depois de Palmeiras e Santos, agora serão Palmeiras e Flamengo que disputarão o título da edição 2021. Não é uma coincidência. Os clubes brasileiros se tornaram mais e mais fortes ao longo dos últimos 20 anos, a ponto de terem conquistado 4 dos últimos 5 títulos da Libertadores – já contando o deste ano. Os processos que levaram a isso combinam alguns fatores, como aumento substancial de receitas, aumento de vagas para o país e crises econômicas que afetaram mais os vizinhos do que o Brasil.

A Libertadores 2021 começou com oito clubes brasileiros, ou seja, 40% da Série A. Destes, sete disputaram a fase de grupos, com um eliminado nas fases preliminares. Seis se classificaram às oitavas de final e cinco avançaram até as quartas de final – ou seja, mais da metade das quartas de final foi com clubes brasileiros. Na semifinal, foram três clubes brasileiros e um equatoriano, que ficou pelo caminho. A final será totalmente brasileira pela quarta vez na história, depois de 2005, 2006 e 2020. O cenário atual do futebol sul-americano indica que o domínio dos brasileiros deve continuar por mais algum tempo.

 

Créditos: bandsports.band.uol.com.br e interativos.globoesporte.globo.com