Karen Figueiredo e Rafael Fróes vencem eleição para presidente, e vice, da 35ª Subseção da OAB

Por 124 votos a 84, a chapa 1, encabeçada pelos advogados Karen Figueiredo, que é a atual presidente, e Rafael Fróes, ganhou as eleições para comandar a 35ª Subseção da OAB – Rio Bonito, Tanguá e Silva Jardim – nos próximos três anos. A eleição aconteceu hoje (16), na sede da subseção, localizada no Centro de Rio Bonito, onde 210 advogados estiveram presentes para escolher os dirigentes da instituição nos três municípios.

Assim como em todos os municípios do estado, os advogados também votaram para escolher a próxima diretoria da OAB do Rio de Janeiro. Na 35ª Subseção, a chapa 1, do atual presidente Luciano Bandeira, venceu a eleição em Rio Bonito. Até o fechamento desta edição, o resultado final da eleição da OAB-RJ ainda não havia sido divulgado.

A eleição

Os advogados votaram de 9h às 17h, e por volta das 17h30 o vencedor foi anunciado pela Comissão Eleitoral da subseção.

À reportagem da Folha, a presidente eleita falou que o processo eleitoral aconteceu de forma tranquila e dentro do esperado.

“Tudo transcorreu muito calmamente, não tivemos nenhum tipo de conflito, de atrito. Ficamos felizes porque a advocacia veio participar desse processo eleitoral”, disse a presidente reeleita.

O vice-presidente eleito falou sobre o apoio dos colegas advogados. “Foi muito bom recepcionar os colegas que não víamos há muito tempo por conta desse período pandêmico. Foi muito satisfatório receber esse apoio, esse carinho, e acima de tudo receber o voto deles”, disse Rafael.

Prometendo modernizar a subseção, os advogados disseram que “todas as propostas são prioritárias, mas com muita luta e engajamento, conseguiremos colocar tudo em prática”, disse o vice-presidente eleito.

Chapa 2

Prometendo alternância de poder, apesar de não terem conseguido vencer o pleito, os candidatos da chapa 2, Glauber Guadelupe, e o candidato a vice, Luiz Felipe Boareto reconheceram a derrota e cumprimentaram os eleitos, ainda durante a apuração, quando não haviam mais chances de vencerem.

“A gente vê que o processo democrático está sendo observado. Infelizmente perdemos por 40 votos. Mas a gente vai continuar na luta em prol da instituição”, disse Glauber Guadelupe.

 

 

Lívia Louzada