Mãe e bebê que estavam internados há mais de quatro meses têm alta médica, em SG

Cirurgia de emergência. Parada respiratória. Idas e vindas ao Centro de Tratamento Intensivo (CTI). Quatro meses e 21 dias de incertezas, choro, nervosismo e orações. Assim foi a rotina da dona de casa Tuane Cristina Alves Pereira, de 28 anos, mãe do pequeno Calebe, de cinco meses de vida, durante todo o tratamento no Hospital Estadual Alberto Torres, em São Gonçalo. Mas nesta segunda-feira (13) ela recebeu a tão esperada notícia: mãe e filho estavam de alta.

“Eu vim de longe para buscar minha vitória aqui. Só tenho a agradecer a Deus e a todos os funcionários que acompanharam o meu sofrimento e me deram muito apoio. Saio do hospital hoje com meu filho vivo e com uma gratidão enorme a todos estes profissionais”, disse a mãe emocionada, com cartazes de agradecimento e entregando lembrancinhas à equipe do CTI pediátrico.

Moradora do município de São João de Meriti e mãe também de uma menina de um ano e cinco meses, Tuane buscou ajuda logo após o nascimento do Calede, que ingeriu líquido amniótico durante o parto. Com um quadro de anoxia neonatal, a criança foi levada para uma unidade da região: “Mas eu via que eles não tinham estrutura para cuidar do meu filho e diziam que ele não ia sobreviver. Mas graças a Deus, viajei 44 quilômetros, e consegui a transferência dele para o Alberto Torres”.

 

Fonte: osaogoncalo