Recém-nascida precisa de vaga em hospital

A família de uma criança recém-nascida está vivendo momentos de angústia enquanto espera por uma vaga em qualquer hospital que tenha suporte para atender Pérola Vitória Mendonça Barbosa, de apenas um mês e 15 dias de vida.

A bebê deu entrada na UPA de Araruama, na Região dos Lagos do Rio, na tarde de sexta-feira 26 de Fevereiro com o quadro de bronquiolite e pneumonia, mas até a madrugada desta segunda-feira 1º de Março ainda não havia conseguido transferência para o Hospital Regional de Araruama ou qualquer outra unidade com condições de fazer o atendimento.

O desabafo é de Jovana da Silva Mendonça, mãe de Pérola. Ela está na UPA com a filha. A reportagem, contou que a equipe da unidade disse que foi até onde podia.

“Eles simplesmente falam que estão esperando a vaga e que não podem fazer mais nada, que já solicitaram e tudo mais. Pode ser aqui no Hospital Regional de Araruama, pode ser em Niterói, no Rio”, contou.

A avó paterna da criança, Patrícia Maria da Silva, disseque a bebê foi levada pelo avô materno, primeiramente, até o Hospital Municipal Drª Jaqueline Prates, onde a criança nasceu. Mas a neta logo foi encaminhada pela unidade até a UPA de Araruama, permanecendo no local.

“Atenderam muito bem, colocaram no oxigênio, mas depois falaram que ela não tinha como ficar lá. Ela foi colocada na incubadora e transferida para a UPA. Só que a UPA alega que não tem recursos, equipamentos necessários para mantê-la. Eles estão atendendo ela bem, eles vão e fazem o que podem. Mas ela não consegue ficar cinco minutos sem o oxigênio”, desabafa a avó.

A mãe da criança disse que assim que a filha deu entrada na UPA, a equipe logo falou da falta de estrutura.

“Na sexta-feira mesmo eles falaram ‘por que que trouxeram ela pra cá? Não temos estrutura aqui’. Hoje mesmo a médica falou comigo que esse oxigênio aqui pra ela é muito fraco, tem que ser um outro tipo. Falou que era pra gente ir na Defensoria, correr atrás, o mais rápido possível”, revelou Jovana, que pretende recorrer à Defensoria Pública nesta segunda.

Fonte: g1.globo.com