Dória diz que negocia compra de mais 20 milhões de doses da vacina CoronaVac

O governo de São Paulo negocia a compra de mais 20 milhões de doses da CoronaVac com o laboratório chinês Sinovac, além das 100 milhões já garantidas no acordo firmado entre o laboratório e o Instituto Butantan no ano passado.

A informação foi divulgada pelo governador João Doria (PSDB) em entrevista à Reuters nesta quinta-feira (4) e confirmada à TV Globo nesta sexta (5).

Segundo o governo paulista, o objetivo da negociação é evitar a falta de vacinas para os brasileiros no estado de São Paulo.

Ainda não há definição, porém, se essas doses poderão ser incorporadas ao Programa Nacional de Imunização (PNI) do Ministério da Saúde.

Também não ficou claro se as doses serão adquiridas prontas ou como matéria-prima para serem envasadas pelo Butantan.

A reportagem entrou em contato com o governo de São Paulo e com o Instituto Butantan e aguarda retorno.

coronavac vacina covid-19 coronavirus — Foto: Vanessa Fernandes/G1 RR

Insumo

Nesta quinta (4), o Instituto Butantan recebeu os 5,4 mil litros de insumos para produção de 8,6 milhões de doses da CoronaVac.

Com a matéria-prima, o Butantan produzirá, em 20 dias, cerca de 8,6 milhões de doses do imunizante, que serão envasadas, embaladas e rotuladas na sede do instituto na cidade de São Paulo.

De acordo com o Butantan, as vacinas produzidas a partir desse lote de matéria-prima começarão a ser entregues ao Ministério da Saúde no próximo dia 25.

Em coletiva de imprensa na semana passada, o diretor do instituto disse que outros 5,6 mil litros estão em processo “avançado de liberação” pelo governo chinês e devem chegar até a próxima quarta (10).

A previsão do Butantan é receber, até abril, o total de insumos necessários para produção das 46 milhões de doses contratadas. Desse total, seis milhões foram importadas prontas da China.

Após confirmação do governo federal, o instituto informou que segue em negociação para o recebimento de mais oito mil litros de Insumo Farmacêutico Ativo (IFA), a fim de cumprir o contrato com o Ministério da Saúde e produzir 54 milhões de doses adicionais da CoronaVac.

Eficácia da vacina

Os testes no Brasil, conduzidos pelo Instituto Butantan, apontaram uma eficácia de 50,38% da CoronaVac. Além disso, a vacina tem eficácia de 78% para casos leves, que exigem algum cuidado médico, e nenhum dos vacinados ficou em estado grave, foi internado ou morreu.

  • Eficácia de 78% para a CoronaVac é excelente, avaliam especialistas

O imunizante teve 91,25% de eficácia em uma análise preliminar dos resultados na Turquia e 65,3% na Indonésia. Ao justificar as diferentes taxas de eficácia, a farmacêutica chinesa afirmou que os países usaram vacinas do mesmo lote em seus estudos, mas os protocolos de teste não eram idênticos.

Fonte: g1.com

Rio Bonito deve receber 1.710 doses da CoronaVac; lote chegará às 13h de hoje no Rio

Após a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovar emergencialmente o uso das vacinas da Fiocruz (Oxford) e do Instituto Butantan (CoronaVac) contra a Covid-19, o primeiro lote com 480.520 mil doses da CoronaVac está previsto para chegar ao Rio de Janeiro às 13h desta segunda-feira (18) e será distribuído para os 92 municípios do Rio. Destas, 1.710 doses devem ser destinadas para Rio Bonito.

A primeira fase da vacinação, segundo o Governo do Estado, vai englobar aproximadamente 232 mil pessoas. Ainda de acordo com o Estado, serão vacinados os profissionais da saúde, pessoas acima de 60 anos e pessoas com deficiência em casas de repouso e indígenas. As duas doses serão aplicadas com intervalo de 28 dias. No entanto, os protocolos ainda devem ser confirmados pelas prefeituras.

“Achamos que, até o final do dia, todos já estarão com essas vacinas prontas para que durante o dia de amanhã possam fazer a distribuição. E aí, alguns que se organizarem mais, talvez até amanhã à tarde já possam começar. Vai de prefeito para prefeito”, disse o governador em exercício, Cláudio Castro, que garantiu que os materiais necessários para a vacinação, como seringas e agulhas, chegaram aos municípios no último sábado (16).

Além de Rio Bonito, a expectativa é que 840 doses da CoronaVac sejam destinadas para Tanguá, e 480 para Silva Jardim. Búzios, por sua vez, deve receber 750 doses da vacina; Arraial do Cabo, 630. Cabo Frio também deve receber 5.310 doses; Casimiro de Abreu, 1.120; Iguaba Grande, 500; Rio das Ostras, 3.400. Para São Pedro de Aldeia, espera-se que 1.770 doses sejam destinadas; Saquarema, por sua vez, espera receber 2.490 doses do imunizante e Maricá, 4.270.

Na Região Metropolitana, Itaboraí deve receber 4.620 doses da CoronaVac; São Gonçalo, por sua vez, espera receber 27.590 mil doses da vacina, número aproximado de Niterói, que deve receber 23.240 mil doses. Para o Rio de Janeiro, serão destinadas 231.840 mil – doses que serão entregues em 450 pontos de vacinação nas próximas 36 horas a partir do recebimento do lote no estado. Segundo o prefeito da capital fluminense, Eduardo Paes, o primeiro carioca será vacinado nesta segunda-feira (18), às 17h, no Cristo Redentor.

Contrato de exclusividade entre o Instituto Butantan e o Ministério da Saúde impede a cidade de Niterói de fazer a compra da vacina contra a Covid

O prefeito de Niterói, Axel Grael, disse que a cidade vai integrar o plano de imunização do Governo Federal, que promete vacinação simultânea em todo o país. O anúncio foi feito após Axel conversar com o governador de São Paulo, João Doria, e receber a notícia de que um contrato de exclusividade entre o Instituto Butantan e o Ministério da Saúde, impede a cidade de fazer a compra.

O prefeito disse que a cidade está preparada para começar a vacinação assim que as doses chegarem. O município terá 54 salas de vacina nas unidades do Programa Médico de Família (PMF), policlínicas e unidades básicas de saúde, além de uma unidade de vacinação no modelo de drive thru. A vacinação também poderá ser agendada através do aplicativo Dados do Bem, já utilizado pelo município para a marcação de testes rápidos de Covid-19 pelo sistema de drive thru. Niterói já testou mais de 150 mil pessoas durante a pandemia.

“Estamos prontos para iniciar a imunização de toda a cidade. Niterói foi a única cidade do estado do Rio a participar do esforço mundial pela vacina, começando em agosto os testes da Fase 3 da Coronavac, com centenas de voluntários profissionais de saúde de Niterói. A vacina alcançou excelente resultado imunizando 100% para casos graves e moderados e 78% para casos leves”, disse Axel.

Niterói, foi a única cidade do estado a participar da fase 3 da vacina do Instituto Butantan.

“A compra integral das vacinas do Instituto Butantan pelo Ministério da Saúde é uma vitória do SUS. No entanto, é urgente que o Governo Federal coloque em prática o Plano Nacional de Imunização, do qual Niterói fará parte. Já entrei em contato com o Ministério da Saúde, Secretária de Estado de Saúde, Fiocruz e Butantan para comunicar que estamos prontos para a imunização”, afirmou o prefeito.

 

 

Fonte: atribunarj.com.br

Butantan pede à Anvisa autorização emergencial de uso para vacina de Oxford

O Instituto Butantan (IB) solicitou à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), nesta sexta-feira, a autorização emergencial de uso da vacina CoronaVac contra Covid-19. O prazo estimado pela agência para avaliação do pedido é de até dez dias.

Em nota, a Anvisa afirmou que já iniciou a triagem dos documentos enviados pelo IB ao órgão. Segundo a agência, a primeira etapa da análise, que ocorre nas 24 horas iniciais, servirá para chegar se as informações apresentadas atendem aos requisitos da solicitação emergencial.

Caso a documentação esteja incompleta, a Anvisa pode paralisar a contagem do prazo de análise para solicitar novas informações ao Butantan. Além dos dados apresentados nesta sexta-feira, a Agência também vai analisar o que já foi apresentado pelo instituto durante o processo de submissão contínua, que possibilitou que as desenvolvedoras submetesse os dados da vacina à agência durante o seu desenvolvimento.

“A análise do pedido de uso emergencial é feita por uma equipe multidisciplinar, envolve especialista das áreas de registro, monitoramento e inspeção. A equipe vem atuando de forma integrada, com as ações otimizadas e acompanhadas pela Comissão que envolve 3 Diretorias da Agência”, explicou a Anvisa.

Ontem, o Butantan apresentou à Anvisa os dados sobre vacina. Segundo as informações, a CoronaVac tem eficácia de 78% nos estudos no Brasil. O Instituto, no entanto, não apresenou informações sobre a eficácia global do imunizante. A vacina desenvolvida pelo Butantan e pela chinesa Sinovac Biotech é o primeiro imunizante a pedir autorização emergencial de uso para a agência.

Caso a autorização emergencial de uso seja concedida pela Anvisa, a CoronaVac poderá ser aplicada em grupos específicos previamente definidos pelos desenvolvedores no pedido apresentado. A autorização emergencial é diferente do registro final pois não permite a aplicação em toda a população e tampouco a comercialização do imunizante.

O mecanismo não era previsto pela Anvisa até dezembro quando a agência decidiu adotar o procedimento para agilizar a aprovação de vacinas em solo brasileiro.

Instituto Butantan responde positivamente a prefeitura de Trajano sobre vacina contra Covid-19

Finalmente chegou a resposta do Instituto Butantan à prefeitura de Trajano de Moraes, a sobre a aquisição de 20 mil doses da vacina Coronavac. O e-mail com a resposta foi enviado pelo diretor da unidade, Rui Curi, endereçado ao prefeito Rodrigo Viana e ao vice Matias Mendes. No teor, a assinatura de confirmação da liberação da vacina, após aprovação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária – Anvisa. A notícia foi feita pelo então secretário municipal de Saúde, Lucas Esteves.

“Estamos muito felizes e satisfeitos, pois isso é fruto de um trabalho sério e comprometido com nossa população. Quero comunicar a todos que recebemos sim o termo assinado de volta pelo diretor do Instituto Butantan, e sendo assim, após a aprovação pela Anvisa da vacina Coronavac, o município já poderá adquirir as doses, para realizar a imunização dos grupos prioritários destacados pelo Ministério da Saúde. Vamos continuar nosso trabalho respeitando o distanciamento social”, destacou o prefeito Rodrigo Viana.

Assim que a vacina estiver aprovada e de posse da Secretaria Municipal de Saúde, a primeira fase irá priorizar os trabalhadores da saúde, a população idosa a partir de 75 anos de idade, pessoas com 60 anos ou mais que vivem em instituições de longa permanência como, por exemplo, asilos e instituições psiquiátricas e população indígena.

A segunda fase inclui pessoas de 60 a 74 anos. A terceira fase prevê a vacinação de pessoas com comorbidades que apresentem maior chance de agravamento da doença como portadores de doenças renais crônicas e cardiovasculares. A quarta fase abrangerá professores, forças de segurança e salvamento, funcionários do sistema prisional e população privada de liberdade.

A assinatura do termo foi elaborada pela Coordenadora de Imunização, Renata Gomes. “A vacina está sendo desenvolvida em parceria com o Instituto Butantan, considerado uma referência na produção da mesma. Demos o primeiro passo, e agora é aguardar que a vacina chegue o quanto antes até a população de Trajano de Moraes, assim que for autorizada. Estudamos agora uma forma de estruturar os Postos de Saúde para quando a vacina chegar”, citou o vice-prefeito Matias Mendes.

Já o secretário da pasta, Lucas Esteves, pontuou que o primeiro propósito é prestigiar e aderir ao programa nacional de vacinação. “Mas, na eventualidade de qualquer demora ou dificuldade por parte deste programa, já temos preparada uma alternativa, cuja viabilização técnica e logística ainda será anunciada pela Secretária Municipal de Saúde”, afirmou.