Vereador de Niterói, do PSOL, é afastado após ser acusado de homofobia

O vereador de Niterói, Paulo Eduardo Gomes (PSOL), acusado de homofobia contra a também vereadora do município, Verônica Lima (PT), foi afastado das atividades partidárias pelo diretório municipal do Partido Socialismo e Liberdade (PSOL). O afastamento será por 60 dias. Segundo o partido, no período, Paulo Gomes terá a obrigação de participar de um processo de formação sobre racismo, lgbtfobia e machismo. O caso aconteceu no dia 7 de julho, quando a parlamentar registrou a ocorrência por crime de homofobia na 76ª Delegacia de Polícia.

Enquanto vereador Paulo Eduardo Gomes estiver afastado, a professora Regina Bienestein assume a vaga na casa. Nesta segunda-feira (2), com o fim do recesso e a volta das atividades na Câmara de Niterói, Regina já passou a ocupar a cadeira. A Câmara de Niterói afirmou que o caso será encaminhado à Comissão de Ética da casa.

 

Entenda o caso

Na época do caso, o vereador questionou a orientação sexual de Verônica Lima durante uma sessão na Câmara de Niterói com a seguinte frase: “Quer ser homem? Então vou te tratar como homem”. Paulo Gomes reconheceu ter sido machista.