Abrigo em Itaboraí recebe crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade

Cuidar das crianças e adolescentes que estão expostos a algum tipo de risco físico ou social é prioridad,e segundo a Prefeitura de Itaboraí, que administra o Abrigo Institucional Dr. Ewaldo Saramago Pinheiro (AIDESP) por meio da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social. A instituição cuida, atualmente, de 15 abrigados, entre crianças e adolescentes. O abrigo tem capacidade para 20 acolhidos com idades entre 0 a 18 anos que, quando abrigados possuem seus direitos e proteções assegurados e garantidos.

De acordo com o Secretário Municipal de Desenvolvimento Social, Estevan Assis, o local é um lar provisório, onde crianças e adolescentes tem a possibilidade de se reequilibrar, resgatar a autonomia e desenvolver valores. “Aqui elas têm acesso à cultura, saúde, educação, uma alimentação adequada e toda uma rede de colaboradores que aproximam o espaço do ceio familiar. O trabalho feito em parceria com o Tribunal de Justiça e Ministério Público em prol destas crianças tem sido essencial. E ainda tem a rede de integração como o serviço de convivência ofertado pelo Centro de Referência de Assistência Social (CRAS), com aulas de violão, capoterapia e os demais parceiros externos”, afirma.

O AIDESP conta com uma equipe de profissionais qualificados, como cuidadores, educadores, psicólogos, nutricionistas e uma equipe técnica, que zelam pelo bem estar de todos que vivem no abrigo. As crianças e adolescentes frequentam as escolas da rede municipal e participam de projetos sociais. Segundo o órgão, mesmo os adolescentes que estão próximos de completarem 18 anos e não foram acolhidos por nenhuma família não são desamparados. Com o acompanhamento da equipe multidisciplinar do abrigo, os mesmos são incentivados a desenvolverem sua autonomia, fazendo cursos e podendo começar a trabalhar, principalmente através do programa Jovem Aprendiz.

Segundo a coordenadora do abrigo, Josiane Penco, o ambiente do abrigo busca transmitir segurança e acolhimento às crianças e adolescentes, respeitando seus direitos. “A Prefeitura de Itaboraí tem um olhar diferenciado e tem como prioridade as necessidades do abrigo. Desde o ano passado, já foram 14 crianças e adolescentes adotados. Sobre o processo de adoção, o casal e o infante passam por um estágio de convivência de 30 dias, sendo acompanhados pela equipe do abrigo e pela equipe técnica da Vara de Infância e Juventude. Após, sendo favoráveis os relatórios e o parecer da Promotoria da Infância e Juventude, o Juízo decide sobre a adoção”, afirmou a coordenadora.

Além dos cuidados para com o Abrigo Institucional Dr. Ewaldo Saramago Pinheiro, outro projeto que esta sendo desenvolvido em Itaboraí é a República Consorciada, que será construída na cidade, em um terreno cedido pela Prefeitura. O projeto piloto que será realizado no município prevê a inserção de jovens assistidos pelas Varas da Infância, da Juventude e do Idoso do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro no mercado de trabalho. A proposta é que os jovens, em delito com o Estado ou que viveram em abrigo até completar 18 anos, sejam absorvidos pela iniciativa privada e prefeituras da região para receber capacitação em seu primeiro emprego. Além disso, o projeto fornece a necessidade de uma moradia para esses jovens neste período de transição.