Mulher passa mal na rua e é vítima de estupro coletivo

Uma mulher de 31 anos acabou sofrendo um estupro coletivo na madrugada da quinta-feira (17) em São João de Meriti, na Baixada Fluminense. Segundo a polícia, a vítima passou mal após ingerir bebida alcoólica depois de tomar um remédio e foi socorrida por um homem de 61 anos, um dos suspeitos do crime. O homem a levou para a casa dele e lá, teria chamado outros dois indivíduos, que estupraram a mulher durante cinco horas.

O caso está sendo investigado pela Delegacia Especializada no Atendimento a Mulher (Deam) de São João de Meriti. “Acreditamos que o que socorreu até queria ajudar. Mas, aproveitando da situação, chamou os outros dois e estupraram a mulher. Isso aconteceu durante toda a madrugada. Pela manhã a mulher foi liberada, socorrida por populares e levada ao Hospital Estadual Adão Pereira Nunes (em Saracuruna). Lá ela ficou internada por um tempo e depois veio direto a Deam prestar depoimento. Durante a conversa, ela nos indicou a residência. Fomos até lá e encontramos os homens. Num primeiro momento, eles negaram o crime. Em seguida, disseram que o sexo foi consentido”, relata a delegada Ana Carla Moura.

A delegada ressalta, porém, que mesmo que a vítima tivesse consentido com as relações, ela ainda estaria bêbada e vulnerável, portanto, sem condições de tomar decisões. Ainda segundo ela, uma testemunha do caso já prestou depoimento. “Eles não poderiam ter feito o que fizeram com a vítima. Não bastasse ter abusado sexualmente dela, eles ainda fotografaram. Em um dos celulares dos suspeitos, encontramos uma foto do ato. Em um outro aparelho, notamos que eles apagaram as fotos e vídeos”, diz a delegada, que classificou o crime como “bárbaro e repugnante”.

“A mulher tem liberdade para andar onde quiser, na hora que quiser, beber e fazer o que quiser de sua vida. O que não pode acontecer são brutalidades como essa. Eles se aproveitaram da situação da mulher, em razão de estar bêbada e passando mal. O que fizeram foi uma tremenda covardia. Foram três homens contra uma mulher”, criticou a delegada Ana Carla.

A vítima realizou um exame de corpo de delito que confirmou o estupro. Os três homens foram presos em flagrantes e além de serem processados por estupro de vulnerável, também vão ser indiciados por produzir conteúdo sexual sem autorização. Eles foram levados para a Cadeia Pública José Frederico Marques, em Benfica, Zona Norte do Rio.