EPT amplia frota de ônibus Tarifa Zero entre Itaipuaçu e Ponta Negra

A Prefeitura de Maricá, por meio da Empresa Pública de Transportes (EPT), ampliará, até dezembro, a frota dos ônibus “Tarifa Zero” com mais dez veículos, que serão distribuídos entre as linhas E30A (Recanto-Centro via Avenida/Vivendas) e E02 (Centro-Ponta Negra via Cordeirinho). A ampliação dos coletivos deve ocorrer antes das festas de fim de ano.

Presidente da Empresa Pública de Transportes, Celso Haddad informou que os itinerários não serão modificados e que outras linhas também podem receber o mesmo reforço. “Estamos na fase final dos estudos sobre essas mudanças, definindo quais linhas também poderão ter mais ônibus circulando e sobre um possível aumento da oferta nos horários de saída dos pontos”, disse Haddad.

Outra mudança anunciada pela EPT foi na linha E09 (Centro-Ponte Preta). A partir de 1º de dezembro, o trajeto será ampliado e vai passar a atender também ao bairro de Guaratiba, na região litorânea. A empresa ressalta que o objetivo é criar mais uma opção de atendimento no transporte público em direção ao Centro da cidade. Com a mudança, o letreiro eletrônico dos coletivos passa a ser: Centro-Guaratiba (via Caju – Gamboa – Ponte Preta – Jardim Interlagos).

 

São Gonçalo ampliará número de leitos para pacientes de Covid-19

O prefeito de São Gonçalo, Capitão Nelson, determinou ao secretário de Saúde e Defesa Civil, André Vargas, a ampliação do número de leitos para pacientes de Covid-19 no município. Ao todo, a Prefeitura vai priorizar as ações para abrir até 60 novas vagas até o final deste mês: 20 vagas para o Hospital Franciscano Nossa Senhora das Graças (Hospital das Freiras), na Lagoinha; e 40 para o Hospital de Retaguarda Gonçalense (antigo Menino Deus), no Centro. As duas unidades, que são referência para casos do novo coronavírus, foram vistoriadas pelo prefeito na manhã deste sábado (2).

A primeira vistoria do prefeito teve início por volta das 10h, no Hospital Franciscano Nossa Senhora das Graças, na Lagoinha, referência no atendimento aos casos suspeitos de Covid-19 e também no tratamento aos infectados.

Capitão Nelson foi acompanhado pelo secretário de Saúde e Defesa Civil do município, André Vargas, o subsecretário de Urgência e Emergência, Luiz Fernando Fonseca, e também os vereadores Lecinho (MDB), presidente da Câmara Municipal, e Glauber Poubel (PSD).

Logo na entrada do setor de emergência, o prefeito constatou a falta de cobertura na área onde ficam as pessoas que aguardam o atendimento.

“Vamos chamar engenheiros e arquitetos para avaliar a construção de uma cobertura adequada. A população não pode ficar debaixo de sol e chuva enquanto espera ser atendida”, disse o prefeito.

Capitão Nelson vistoriou todos os setores de atendimento da unidade, como triagem, sala vermelha, enfermarias e CTI. Preocupado com o crescimento dos casos de Covid na cidade, durante conversa com o secretário André Vargas, o prefeito determinou a ampliação do número de vagas no hospital, expandindo de 17 para 25 os leitos de CTI e de 26 para 38 os leitos de enfermaria disponíveis.

Depois, no final da manhã, o prefeito chegou ao Hospital de Retaguarda Gonçalense, antigo Menino Deus, no Centro da cidade, onde o protocolo de segurança para evitar contágio pela covid-19 também foi seguido à risca pelos funcionários do hospital. Aos visitantes foram distribuídas toucas e máscaras descartáveis, álcool em gel e também houve verificação de temperatura.

O hospital possui 14 leitos de CTI e 16 vagas na enfermaria, além de um leito para intubação de pacientes. Trata-se de uma estrutura completamente voltada aos atendimentos de pacientes da covid-19.

Durante a vistoria, o prefeito foi ao segundo andar da unidade, que oferece salas com boa estrutura e possibilidade de expandir o atendimento aos pacientes, necessitando de ajustes como instalação de equipamentos, ar condicionado e rede de gases.

“As salas já estão prontas. Basta instalar as portas, ar condicionado e rede de gases para que esses leitos possam atender a população”, disse Capitão Nelson.

O prefeito ainda determinou ao secretário André Vargas que uma ambulância fique disponível no Hospital de Retaguarda Gonçalense, que atualmente não conta com veículo para remoção de pacientes.

 

Fonte: atribunarj

UERJ amplia acesso ao ensino superior de qualidade pelo estado

A Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), conhecida pelos seus imponentes prédios erguidos no bairro do Maracanã, na Zona Norte carioca, possui outras sete unidades distribuídas em municípios da Região Metropolitana (Duque de Caxias e São Gonçalo) e do interior (Nova Friburgo, Teresópolis, Petrópolis, Resende e Angra dos Reis, esta última em Ilha Grande). Ao todo, a instituição possui cerca de 30 mil alunos. Os campi espalhados pelo território fluminense cumprem papel significativo, que é compromisso da Uerj há 70 anos: ampliar o acesso da população a um ensino superior de qualidade e contribuir, de forma estratégica, para o desenvolvimento social e econômico do estado.

Um dos casos emblemáticos é o de Resende, no Sul Fluminense. A cidade recebeu uma unidade da Uerj em 2002, fruto da demanda por profissionais devido ao interesse de empresas em se instalar na área. Volkswagen Caminhões e Ônibus e seu Consórcio Modular, além do Complexo Industrial da Nissan do Brasil e a Peugeot-Citroën, estão situadas na região. A cidade conta com a Faculdade de Tecnologia (FAT).

– As empresas estavam escolhendo onde iriam se instalar no território nacional e a opção por Resende se deveu ao fato de a Uerj se dispor a atender a demanda das montadoras implantando um polo de formação de engenheiros ali. Nestes 70 anos de existência, a Uerj tem se dedicado ao ensino de excelência e participado ativamente do desenvolvimento do estado do Rio de Janeiro – conta a diretora-adjunta da Coordenadoria do Centro de Estudos Estratégicos e Desenvolvimento da Uerj, Tatiana Alves.

A universidade também cumpre papel relevante na Região Serrana. Em Nova Friburgo, a instituição conta com o Instituto Politécnico do RJ (IPRJ). Nele, são ministrados cursos de Engenharia Mecânica (graduação), Engenharia de Computação (graduação), Modelagem Computacional e Ciência e Tecnologia de materiais, estes últimos no formato pós-graduação. Segundo o diretor do instituto, Angelo Calvão, a unidade tem atuação direta na formação de engenheiros empreendedores.

– Focamos na formulação de inovações tecnológicas, o que é essencial para o desenvolvimento socioeconômico da região – explica.

O Instituto Politécnico se destacou recentemente ao desenvolver, em parceria com a Universidade Federal Fluminense de Nova Friburgo e a empresa Persona 3D, proteções faciais contra a Covid-19. Já foram doadas 70 mil máscaras do tipo Face Shield. O projeto também recuperou sete respiradores que estavam desativados.

Outras unidades

Área privilegiada por suas belezas naturais, a Ilha Grande, que fica na cidade de Angra dos Reis, também possui uma unidade da Uerj. Localizado em Vila Dois Rios, no lado oceânico da Ilha Grande, o Centro de Estudos Ambientais e Desenvolvimento Sustentável (Ceads) é responsável por projetos ambientais distribuídos em 12 áreas de conhecimento: Antropologia, Botânica, Ecologia, Educação Ambiental, Educação em Saúde, Engenharia de Pesca, Farmacologia, Geociências, Nutrição, Oceanografia, Sociologia e Zoologia.

Foi planejado para funcionar como interface da Uerj com outras instituições de ensino e pesquisa, permitindo a recepção de visitantes do Brasil e do exterior. Possui salas de aula, laboratório de informática, laboratórios, auditório, lavanderia, cozinha, refeitório e heliponto.

– Somos um campus de treinamento de alunos de diversos níveis e também desenvolvemos pesquisas para a melhoria da qualidade do ambiente e da sociedade de maneira geral. Os dados são extremamente importantes para que possamos apoiar políticas públicas ambientais – explica a diretora do centro, Sonia Barbosa dos Santos.

Além do Ceads, o campus abriga ainda o Ecomuseu Ilha Grande, que guarda as memórias do Instituto Cândido Mendes, antigo presidio de segurança máxima que funcionou no local por 100 anos. O Ecomuseu se divide em quatro núcleos: Museu do Cárcere, Museu do Meio Ambiente, Parque Botânico e Centro Multimídia.

Inclusão

No fim da década de 90, a Baixada Fluminense recebeu também uma unidade da Uerj. Instalada em Duque de Caxias, a Faculdade de Educação (FEBF) oferece cursos de graduação e de pós-graduação em áreas como Pedagogia, Matemática, Geografia, Organização do Trabalho Escolar, entre outros temas.

Em São Gonçalo, funciona a maior unidade da Uerj fora do Maracanã. A Faculdade de Formação de Professores (FFP/Uerj) cumpre um papel inclusivo importante. O polo atende a cerca de 2.500 alunos de graduação de municípios da Região Metropolitana e do interior fluminense, inscritos em cursos de licenciatura em Pedagogia, História, Geografia, Matemática, Letras (Português/Literatura e Português/Inglês) e Biologia.

– Tanto a unidade em Caxias como a de São Gonçalo tem uma importância na questão da inclusão, que é uma marca da Uerj desde sempre. A universidade foi a primeira a implantar curso noturno para o trabalhador e a primeira a instituir o sistema de cotas no país – ressalta Tatiana Alves.

As cidades de Teresópolis e Petrópolis também contam com unidades de ensino superior. Na primeira, foi instalada a Faculdade de Turismo e, na segunda, o curso de graduação em Arquitetura e Urbanismo, vinculado à Escola Superior de Desenho Industrial (Esdi), cuja sede está situada na Lapa, região central da capital fluminense.

 

Fonte: rj.gov.br