Prefeitura de Niterói continua realizando a vacinação e já imunizou quase 13 mil pessoas

A Secretaria Municipal de Saúde de Niterói iniciou na quinta-feira (28) a vacinação de profissionais de saúde autônomos com mais de 60 anos, com a vacina AstraZeneca/Oxford, em quatro policlínicas da cidade: Barreto, Vital Brazil, Itaipu e São Lourenço. A cidade recebeu 7.070 doses da vacina.

Ao comparecer para a vacinação, os profissionais de saúde devem apresentar o registro profissional, número do CPF ou CNS e documento de identidade com foto. Sem a documentação, a imunização não será possível.

Nesta fase, serão vacinados médicos, enfermeiros, técnicos de enfermagem, nutricionistas, fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais, biólogos, biomédicos, farmacêuticos, odontólogos, fonoaudiólogos, psicólogos, assistentes sociais, profissionais de educação física, médicos veterinários e seus respectivos técnicos.

A Secretaria continua realizando a vacinação volante em profissionais de saúde da linha de frente em instituições públicas e privadas, idosos que moram em Instituições de Longa Permanência e pessoas com deficiência institucionalizadas e maiores de 18 anos.

Até o final da tarde de quinta-feira (28), 12.937 pessoas já tinham sido imunizadas em Niterói. A vacinação em Niterói começou no dia 19 de janeiro com as 11.620 doses da vacina CoronaVac, do Instituto Butantan. No dia 25, a cidade recebeu mais 7.070 doses da vacina AstraZeneca/Oxford, importadas pelo Governo Federal. A Prefeitura de Niterói aguarda novas remessas de vacinas para iniciar a imunização de outros grupos prioritários.

A biomédica Margareth da Cunha, 60 anos, foi uma das profissionais da área da saúde que recebeu nesta quinta-feira, na Policlínica Municipal Sérgio Arouca, no Vital Brazil, a primeira dose da vacina AstraZeneca/Oxford. Moradora de Santa Rosa e com duas filhas, ela ressalta a importância da vacinação.

“A única arma contra o vírus é a vacina. Eu tenho tomado todo ano a vacina Influenza, contra a gripe, e acho que agora nós teremos que ser vacinados todo ano contra o coronavírus também. Fiquei muito feliz em tomar a vacina hoje, me dá mais tranquilidade”, disse Margareth da Cunha, lembrando que vai continuar seguindo todos os protocolos de distanciamento social.

Planejamento – A partir de segunda-feira (1º) os demais profissionais da área da Saúde poderão se imunizar nessas mesmas unidades. Será necessário levar registro profissional ou contracheque de instituições públicas ou privadas. À medida que o Município receber mais remessas de doses de vacina, será divulgado os próximos públicos para a vacinação. É importante esclarecer que estados e municípios precisam seguir o Plano Nacional de Imunizações do Sistema Único de Saúde (SUS). As vacinas são enviadas pelo Ministério da Saúde ao Governo do Estado, que repassa aos municípios.

Niterói participou de testes da vacina – O esforço para a imunização em Niterói começou com o ex-prefeito Rodrigo Neves, que, em agosto, autorizou os testes com a CoronaVac na cidade e, em dezembro do ano passado, chegou a assinar com o Instituto Butantan, em São Paulo, um memorando para o fornecimento de 1,1 milhão de doses da vacina CoronaVac, produzida pelo Instituto, para Niterói. A quantidade seria suficiente para imunizar toda a população da cidade de mais de 500 mil habitantes. Mas o Ministério da Saúde adquiriu toda a produção do Butantan. Com isso, Niterói entrou no Programa Nacional de Vacinação, e vem recebendo lotes de vacina do Governo Federal.

 

Fonte: atribunarj.com.br

Rio Bonito deve receber 1.710 doses da CoronaVac; lote chegará às 13h de hoje no Rio

Após a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovar emergencialmente o uso das vacinas da Fiocruz (Oxford) e do Instituto Butantan (CoronaVac) contra a Covid-19, o primeiro lote com 480.520 mil doses da CoronaVac está previsto para chegar ao Rio de Janeiro às 13h desta segunda-feira (18) e será distribuído para os 92 municípios do Rio. Destas, 1.710 doses devem ser destinadas para Rio Bonito.

A primeira fase da vacinação, segundo o Governo do Estado, vai englobar aproximadamente 232 mil pessoas. Ainda de acordo com o Estado, serão vacinados os profissionais da saúde, pessoas acima de 60 anos e pessoas com deficiência em casas de repouso e indígenas. As duas doses serão aplicadas com intervalo de 28 dias. No entanto, os protocolos ainda devem ser confirmados pelas prefeituras.

“Achamos que, até o final do dia, todos já estarão com essas vacinas prontas para que durante o dia de amanhã possam fazer a distribuição. E aí, alguns que se organizarem mais, talvez até amanhã à tarde já possam começar. Vai de prefeito para prefeito”, disse o governador em exercício, Cláudio Castro, que garantiu que os materiais necessários para a vacinação, como seringas e agulhas, chegaram aos municípios no último sábado (16).

Além de Rio Bonito, a expectativa é que 840 doses da CoronaVac sejam destinadas para Tanguá, e 480 para Silva Jardim. Búzios, por sua vez, deve receber 750 doses da vacina; Arraial do Cabo, 630. Cabo Frio também deve receber 5.310 doses; Casimiro de Abreu, 1.120; Iguaba Grande, 500; Rio das Ostras, 3.400. Para São Pedro de Aldeia, espera-se que 1.770 doses sejam destinadas; Saquarema, por sua vez, espera receber 2.490 doses do imunizante e Maricá, 4.270.

Na Região Metropolitana, Itaboraí deve receber 4.620 doses da CoronaVac; São Gonçalo, por sua vez, espera receber 27.590 mil doses da vacina, número aproximado de Niterói, que deve receber 23.240 mil doses. Para o Rio de Janeiro, serão destinadas 231.840 mil – doses que serão entregues em 450 pontos de vacinação nas próximas 36 horas a partir do recebimento do lote no estado. Segundo o prefeito da capital fluminense, Eduardo Paes, o primeiro carioca será vacinado nesta segunda-feira (18), às 17h, no Cristo Redentor.

Reino Unido aprova vacina AstraZeneca/Oxford contra covid-19

O Reino Unido se tornou hoje (30) o primeiro país a aprovar a vacina contra coronavírus desenvolvida pela Universidade de Oxford e pela AstraZeneca, torcendo para que uma ação rápida o ajude a conter uma disparada de infecções impulsionada por uma variante altamente contagiosa do vírus.

O governo do primeiro-ministro Boris Johnson, que já encomendou 100 milhões de doses da vacina, disse ter aceitado uma recomendação da Agência Regulatória de Medicamentos e Produtos de Saúde (MHRA) para conceder uma autorização de emergência.

A aprovação respalda uma vacina vista como essencial para imunizações em massa no mundo em desenvolvimento, assim como no Reino Unido, mas não elimina dúvidas sobre dados de testes que tornam improvável que ela seja aprovada tão rapidamente na União Europeia ou nos Estados Unidos.

“O NHS (Serviço Nacional de Saúde) poderá levar estas vacinas aos braços das pessoas na velocidade com que ela pode ser fabricada”, disse o secretário da Saúde, Matt Hancock.

“Agora eu, com esta aprovação nesta manhã, estou altamente confiante de que podemos vacinar pessoas vulneráveis suficientes até a primavera a ponto de podermos ver nosso caminho para fora desta pandemia agora.”

Triunfo da ciência

Johnson classificou a aprovação como um “triunfo da ciência britânica”. Hancock disse que centenas de milhares de doses estarão disponíveis na semana que vem no Reino Unido, que já está distribuindo uma vacina desenvolvida pela norte-americana Pfizer e pela alemã BioNTech.

O governo brasileiro tem acordo com a AstraZeneca para o fornecimento de doses da vacina ao país e para a posterior produção local do imunizante pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Ainda não há pedido de registro da vacina ou de autorização para uso emergencial junto à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Testes mostraram que a vacina da Oxford é menos eficaz do que a da Pfizer/BioNTech, mas pode ser armazenada e transportada sob refrigeração normal, ao invés de super-resfriada a 70 graus Celsius negativos, o que é crucial para países com infraestrutura de saúde mais básica.

A Índia está determinada a começar a administrar a nova vacina no mês que vem. O Instituto Serum da Índia (SII), o maior produtor mundial de vacinas, já fabricou cerca de 50 milhões de doses. O Chile também está interessado.

O Reino Unido se destacou de outros países ocidentais com sua abordagem acelerada de vacinações, tendo liberado a vacina Pfizer/BioNTech semanas antes da Agência Europeia de Medicamentos (EMA).

Também nesta quarta-feira, uma comissão de aconselhamento do governo britânico recomendou uma mudança de rota: dar uma primeira dose da vacina contra coronavírus de imediato ao maior número possível de pessoas, ao invés de dar a segunda dose de reforço dentro do período de tempo mais curto.

 

Fonte: agenciabrasil.ebc.com.br