Idosos de 89 a 84 anos recebem dose de reforço nesta semana no Rio

Os idosos de 89 a 84 anos ou mais podem se vacinar com a dose de reforço, de forma escalonada por idade, a partir desta segunda-feira (20), na capital fluminense. Amanhã e terça-feira (21), pacientes com alto grau de imunossupressão com 60 anos ou mais também poderão se vacinar e, a partir da quarta-feira (22), aqueles de 40 anos ou mais.

Segundo a Secretaria Municipal de Saúde do Rio, o intervalo mínimo entre a aplicação da segunda dose ou dose única e a dose de reforço é de três meses para idosos e de 28 dias para pessoas com alto grau de imunossupressão. Apenas idosos que tomaram o esquema inicial (primeira e segunda doses) no município do Rio poderão tomar a dose de reforço na cidade.

As unidades de saúde continuam aplicando a segunda dose, conforme a data estipulada no comprovante de vacinação da primeira. O município recebeu neste sábado (18) nova remessa de CoronaVac e a segunda dose com este imunizante volta a ser aplicada amanhã.

De acordo com a pasta, a vacinação dos adolescentes será discutida na próxima reunião do Comitê Especial de Enfrentamento à Covid-19, na quarta-feira (22). A secretaria municipal informou que, no momento, não tem estoque do imunizante da Pfizer para dar continuidade à vacinação dos grupos etários de 13 e 12 anos e aguarda o envio de mais doses pelo Ministério da Saúde.

 

Fonte: agenciabrasil

 

 

Covid-19: chilenos vacinados com CoronaVac terão dose de reforço

O Chile começou a administrar doses de reforço a pessoas já inoculadas com a CoronaVac, informou o presidente Sebastián Piñera nessa quinta-feira (5). Estudos mostraram que as duas doses iniciais perdem parte da eficácia depois de alguns meses.

O Chile lançou em fevereiro uma das campanhas de inoculação em massa contra a covid-19 mais rápidas do mundo,  e já vacinou totalmente mais de 60% da população, a maior parte com a CoronaVac, do laboratório chinês Sinovac.

“Decidimos iniciar um reforço da vacinação daqueles que já receberam as duas doses da vacina da Sinovac”, disse Piñera em pronunciamento pela televisão.

O país começará a administrar uma dose adicional da vacina da Astrazeneca no dia 11 de agosto, iniciando com cidadãos de mais de 55 anos que receberam suas doses antes de 31 de março.

O Chile se junta aos Estados Unidos, à Alemanha e França, desconsiderando um apelo da Organização Mundial da Saúde (OMS) para que não se administrem vacinas de reforço até mais pessoas de todo o mundo serem vacinadas.

A subsecretária de Saúde chilena, Paula Daza, disse que estudos domésticos e internacionais sugerem que as doses de reforço ajudariam a reforçar a imunidade, mas que o Chile já doou vacinas a seus vizinhos e continuará a auxiliar conforme for necessário.

“Estamos sempre analisando as recomendações e, obviamente, a possibilidade de cooperar com outros países latino-americanos”, afirmou.

O número de chilenos mortos pela pandemia está em 35.806, e houve cerca de 1,6 milhão de casos confirmados da doença até agora.

 

Fonte: agenciabrasil

 

Pfizer pede inclusão em bula da indicação de vacina para crianças

A Agência Nacional de Vigilância Nacional (Anvisa) divulgou nota, ontem (12), informando que, até o momento, somente a Pfizer solicitou a inclusão em bula da indicação da vacina contra a covid-19 para crianças com 12 anos e adolescentes. De acordo com a agência, o pedido já foi autorizado e a indicação para esta faixa etária incluída na bula da vacina ComiRNAty. 

A Anvisa informou, ainda, que “não há solicitação do Instituto Butantan para alteração de bula da CoronaVac e inclusão de crianças e adolescentes. Portanto, não há pedido dependendo de análise da Anvisa”.

“A competência para solicitar a inclusão de novas indicações na bula é do laboratório, e deve ser fundamentada em estudos que sustentem a indicação pretendida tanto em relação aos aspectos de segurança como de eficácia”, informou a Anvisa.

Acrescentou que, desde o início do ano passado, a Anvisa tem realizado um troca de informações frequentes com os laboratórios envolvidos no desenvolvimento de vacinas contra a covid-19, assim como tem acompanhado todas as publicações científicas sobre o tema. Porém, não há pedido de aprovação da CoronaVac para esta faixa etária.

“A decisão sobre o registro e alterações no pós-registro de uma vacina ou medicamento é da área técnica. Para as vacinas em uso emergencial esta decisão é da diretoria colegiada”, explicou a Anvisa.

 

Fonte: agenciabrasil

Municípios apuram se houve aplicação de doses vencidas da AstraZeneca no Rio de Janeiro

Secretarias de Saúde de municípios do Rio de Janeiro, incluindo a capital, apuram se houve aplicação de vacinas da AstraZeneca contra a Covid-19 vencidas.

Um levantamento baseado no cruzamento de dados oficiais do governo federal apontou que ao menos 1.764 pessoas podem ter recebido doses vencidas na Região Metropolitana do Rio – 686 pessoas na capital e 852 em Nilópolis. Em todo o país, foram identificadas 26 mil doses do imunizante fora da validade aplicadas.

Dos 22 municípios da Região Metropolitana, 19 teriam aplicado doses da vacina fora da validade, segundo o levantamento – alguns deles, como Niterói, negam essa possibilidade e dizem que houve erro de digitação no sistema.

O levantamento indicando que milhares de doses vencidas foram distribuídas é dos pesquisadores Sabine Righetti, da Unicamp, e Estêvão Gamba, da Unifesp, e baseado no cruzamento de dados oficiais do governo federal. Os dados publicados nesta sexta-feira (2) pela Folha de São Paulo, apontam que o problema ocorreu com doses de oito lotes da vacina (veja a tabela abaixo).

O Ministério da Saúde diz que “caso alguma vacina seja administrada após o vencimento, essa dose não deverá ser considerada válida, sendo recomendado um novo ciclo vacinal, respeitando um intervalo de 28 dias entre as doses”. Além disso, ainda segundo a pasta, “o vacinado deverá ser acompanhado pela Secretaria de Saúde local”.

O lote da vacina é uma informação que deve constar no comprovante de aplicação.

Secretaria estadual apura erro de registro

A Secretaria de Estado de Saúde informou, em nota, que todos os lotes enviados aos 92 municípios do estado estavam dentro do prazo de validade.

“O lote 41202Z005, com validade para 14.04.21, foi recebido pelo estado do Rio de Janeiro no dia 23.01.21 e distribuído aos municípios nos dias 23.01, 01.02, 02.02 e 24.02.21. Já o lote CTMAV506, com validade para 31.05.21, foi recebido pelo Estado em 26.03.21 e distribuído aos municípios no mesmo dia”.

A Subsecretaria de Vigilância e Atenção Primária à Saúde (SVAPS) apura com as secretarias municipais se houve algum erro de registro das doses no Sistema de Informação do Programa Nacional de Imunizações (SI-PNI).

 

 

 

Fonte: g1.globo.com

 

 

Lactantes e gestantes foram incluídas no Calendário Único de Vacinação

A Secretaria de Estado de Saúde (SES), em decisão conjunta com o Conselho de Secretarias Municipais de Saúde (Cosems), incluiu a imunização de lactantes, gestantes e puérperas sem comorbidades contra Covid-19 no Calendário Único de Vacinação do estado do Rio de Janeiro. A medida foi pactuada nesta quinta-feira (17.06), na Comissão Intergestores Bipartite (CIB), e tem como objetivo garantir a uniformidade da vacinação no estado.

– Estamos trabalhando duro para organizar e acelerar o Calendário Único do estado dentro da realidade da programação de entrega de vacinas pelo Ministério da Saúde. Eu e a equipe da Secretaria de Saúde não vamos descansar até que toda população esteja imunizada – disse o governador Cláudio Castro.

De acordo com o secretário de Saúde, Alexandre Chieppe, até o momento, não há qualquer contra indicação na vacinação de lactantes (mulheres que amamentam por até 12 meses):

– As mulheres não precisam interromper a amamentação para serem vacinadas. Também não há contra indicações para a doação de leite materno. A imunização de lactantes já está elencada no Plano de Operacionalização da Campanha Nacional de Vacinação contra a Covid-19, do Ministério da Saúde. Por isso, pactuamos a inclusão imediata desse grupo no Calendário Único de Vacinação do estado.

Seguindo as orientações do Programa Nacional de Imunizações (PNI) do Ministério da Saúde, a SES incluiu ainda a vacinação de grávidas e puérperas sem comorbidade no cronograma de imunização. Contudo, a vacinação deste público deverá ser condicionada à prescrição médica, após avaliação individualizada do médico.

As gestantes e puérperas com e sem comorbidades que ainda não tenham sido vacinadas contra Covid-19 deverão ser imunizadas com as vacinas da Pfizer ou Coronavac. Aquelas que receberam a primeira dose da vacina Oxford/AstraZeneca deverão aguardar o término do período da gestação e puerpério (até 45 dias após o parto) para a administração da segunda dose do esquema vacinal.

Mais vacinas

Neste sábado (19.06), a SES vai realizar a entrega de 325.620 doses de vacina contra Covid-19 aos 92 municípios do estado. Serão distribuídas 194.220 doses de vacina da Pfizer para primeira aplicação e 131.400 da Coronavac, divididas entre primeira e segunda aplicação.

Os municípios do Rio, Niterói, São Gonçalo, Maricá e Itaboraí vão retirar os imunizantes na parte da manhã, na Coordenação Geral de Armazenagem (CGA) da SES, em Niterói. Para os outros 87 municípios, a entrega será realizada por caminhões e vans que sairão da CGA a partir das 8h, com escolta da Polícia Militar.