Cristo Redentor ganha canção especial em comemoração aos 90 anos

“Uma cidade de beleza rara, braços abertos sobre a Guanabara, pedra sabão, o coração Carrara, que bate forte numa noite clara.” Esses são os primeiros versos da canção Alma Carioca, Cristo Redentor, do músico e compositor Moacyr Luz, em homenagem aos 90 anos do monumento do Cristo Redentor, que serão completados em 12 de outubro.

Lançamento da União Brasileira de Compositores (UBC), em parceria com a Sony Music e o Santuário do Cristo Redentor, a música já está disponível a partir de hoje (27) em todas as plataformas digitais e é cantada por um time de artistas que inclui Zeca Pagodinho, Maria Rita, Diogo Nogueira, Mart’nália, Fagner, Paula Toller, Xande de Pilares, Fernanda Abreu, Padre Omar, Sandra de Sá, Jorge Aragão, Toni Garrido, Moacyr Luz e Bruno Gouveia.

O diretor executivo da entidade, Marcelo Castello Branco, disse que a ideia foi trazida por Adriano de Martini, que manifestou interesse da Arquidiocese do Rio de Janeiro em ter uma canção para comemorar os 90 anos do monumento símbolo do Rio de Janeiro e do Brasil.

“Como a União é a casa do compositor, pensei que a gente podia buscar um compositor para fazer essa música. Tive sorte. O primeiro nome que me veio à cabeça foi o de Moacyr Luz. Quando ouviu a história, ele entendeu tudo muito rápido. Na verdade, ele entregou a música 24 horas depois, parecendo um clássico”. Castello Branco destacou que Moacyr Luz é carioca nato e tem uma convivência diária com o Cristo Redentor. “Ele já sabia o que queria dizer”.

 

Motivo para compor

A partir daí, começou-se a montar a produção. “Organizou-se um cast (elenco) e os artistas foram se juntando de maneira generosa para colocar voz no estúdio. Seguimos todos os protocolos. Mas foi uma festa de reencontro de parceiros da música, que não se encontravam há algum tempo, por conta da pandemia”, disse o diretor executivo da UBC. Castello Branco informou ainda que a música em homenagem ao Cristo Redentor é a primeira iniciativa da celebração dos 80 anos da entidade, em 2022.

Moacyr Luz confessou que levou menos tempo ainda para compor a canção. “Fiz em umas três horas. Faço isso sempre. Como sou compositor, eu gosto de ter motivo para compor. Quando ele (Castello Branco) me falou do Cristo Redentor, eu achei fabuloso, porque é uma imagem que acompanha a gente o dia inteiro. É uma das coisas mais importantes do Rio de Janeiro. Foi fácil de fazer”.

Luz destacou que a preocupação dele era “não intelectualizar a história, mas que as pessoas se sentissem felizes em cantar, aliviadas de tudo que estamos passando. O objetivo é trazer esperança para o Rio de Janeiro, porque o Cristo Redentor olha a cidade inteira. É o cartão postal da letra (da canção)”. Ele disse que todos os artistas que participaram da homenagem estão “aprovadíssimos”.

Afeto e alegria

Para o presidente da Sony Music Brasil, Paulo Junqueiro, “o monumento mais icônico do Rio de Janeiro e um dos grandes cartões postais do Brasil, conhecido em todo o mundo, merece uma canção que celebre seus 90 anos com afeto e alegria. Que esta música transmita a alma carioca e a importância do Cristo Redentor para todos”, manifestou.

O reitor do Santuário Cristo Redentor, padre Omar Raposo, destacou que, como símbolo nacional, o Cristo Redentor “é capaz de integrar todas as perspectivas artísticas, fazendo com que, de fato, a experiência de nossa brasilidade possa ser evidenciada a partir desses braços abertos. O Santuário Cristo Redentor é um lugar de profunda espiritualidade e de encontro da realidade turística, cultural e ambiental, uma perfeita integração que faz de nós, povo brasileiro, essa linda nação, esse grande altar para o Redentor poder estender a sua solidariedade, o seu amor. Por isso, essa música traz todos os valores presentes em nossa cidade e, ao mesmo tempo, esse monumento, que, mais do que nunca, é símbolo do Brasil, comunica tanta fé e esperança para o povo brasileiro e o mundo inteiro.”

Além da canção, a celebração musical ao Redentor ganhou um videoclipe, dirigido por Adriano de Martini. A música foi gravada por Julio Teixeira, responsável pelo arranjo, piano e teclados; Marco Vasconcellos, na guitarra e violão; André Vasconcellos, no baixo; Milton Guedes, flautas e gaita solo; Cezinha, na bateria e percussão; Waltis Zacarias e Jaguara, percussões; coro formado por Jussara Lourenço, Jurema de Candia, Marcio Lott e Marcello Furtado; e Genilson Barbosa, arregimentação musical. Produção e direção musical são de Max Pierre.

 

Fonte: Agência Brasil

Vendas para o Dia dos Namorados têm expectativa de alta de 1,9%

A expectativa do comércio para as vendas relacionadas ao Dia dos Namorados, comemorado no Brasil no dia 12 de junho, é de alta de 1,9%, na comparação com o ano passado. Segundo pesquisa divulgada pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), este é o terceiro ano seguido de melhora nas vendas, após dois anos de recessão econômica em que a data apresentou perdas.

Em 2015, o comércio teve perda de 1,1% e em 2016 a redução nas vendas foi ainda maior, chegando a 4,9%. Em 2017 a recuperação do comércio no Dia dos Namorados foi de 2,5% e em 2018 subiu 1,5%. Segundo a CNC, a data é a sexta mais importante para o calendário varejista do país. O valor movimentado deve chegar a R$1,64 bilhão este ano.

Vestuário e acessórios

O principal segmento do comércio relacionado ao Dia dos Namorados é o de vestuário e acessórios, que tem expectativa de subir 3,1% na comparação com 2018, chegando ao valor de R$ 611 milhões, o que corresponde a 37,4% do total esperado.

Em segundo lugar ficam os hiper e supermercados, com expectativa de movimentar R$553,1 milhões, 1,8% a mais do que no ano passado. Em seguida estão os artigos de uso pessoal e doméstico, que esperam vender 2,2% a mais, com faturamento de R$243,4 milhões.

De acordo com a CNC, alguns ramos estão oferecendo os produtos com preços menores do que no mesmo período do ano passado, como o de roupas femininas (-3,0%), tênis (-2,6%), artigos de maquiagem (-2,6%) e bolsas (-2,4%). Já o serviço de excursões está 16,4% mais caros do que em 2018.

Por outro lado, a entidade ressalta que as condições de crédito para pessoa física estão piores, com a alta dos juros, o que pode ser um dificultador das vendas.

“De fato, segundo levantamento mensal do Banco Central, a taxa média de juros nas operações de crédito destinadas às pessoas físicas, que havia encerrado o ano passado no patamar mais baixo (48,9% ao ano), desde setembro de 2014 (+48,3% a.a.) vem apresentando clara tendência de alta, atingindo atualmente 53,6%. Com isso, a prestação média simulada de empréstimos e financiamentos cresceu 5,0% desde dezembro do ano passado, dificultando, portanto, a ampliação do consumo a prazo”, diz nota da CNC.

Charitas e Mart, em Cabo Frio, têm programação pela Semana Nacional de Museus

A Casa de Cultura e Museu José de Dome, o Charitas, e o Museu de Arte Religiosa e Tradicional (Mart), em Cabo Frio, Região dos Lagos do Rio, têm programação gratuita entre esta segunda (13) e domingo (19) pela 17ª Semana Nacional de Museus.

Promovido pelo Instituto Brasileiro de Museus para comemorar o Dia Internacional de Museus, celebrado em 18 de maio, Cabo Frio este ano está entre as 1.114 instituições de cultura de todo o país que estarão oferecem ao público 3.222 atividades especiais durante o período.

Com o tema “Museus como Núcleos Culturais: o Futuro das Tradições”, a temporada pretende criar a reflexão de que as instituições culturais são espaços onde presente, passado e futuro estão em constante interação, mas sempre buscando manter e respeitar as singularidades de cada tempo e espaço.

Confira a programação

Segunda-feira (13)

  • Exposição temporária Arte Popular no Mart – entre segunda-feira (13) e domingo (19)
  • Visitas mediadas à exposição permanente do artista plástico José de Dome no Mart – entre segunda-feira (13) e domingo (19) das 10h às 15h
  • Rodas de conversa do Programa Conversadeira. “O Mart, um museu para preservar o convento” de 13h às 15h no Charitas
  • Palestra com Liana Laura Turrine (Artista, Pesquisadora, Ambientalista) – “José de Dome: Um homem lunar e sua obra incandescente” – 17h no Mart

Terça-feira (14)

  • Palestra com Paulo Sérgio Barreto (Sociólogo) – “O circuito dos Mestres Sabedores da cultura popular” – 17h no Mart

Quarta-feira (15)

  • Roda de conversa com o tema “Quilombos e suas tradições, relacionada à exposição temporária “Terra de Quilombo, Retrato de uma Etnia”, de fotografias de Ricardo Alves – 15h no Charitas
  • Palestra com Meri Damasceno (Memorialista) – “Mulheres Pioneiras e seu tempo” – 17h no Mart
  • Exibição do Documentário/Longa “A Noite dos Tempos”. Direção: Ricardo do Carmo / Fotografia: Lucas Muller – 19h no Mart

Quinta-feira (16)

  • Roda de conversa com o tema “Quilombos e suas tradições, relacionada à exposição temporária “Terra de Quilombo, Retrato de uma Etnia”, de fotografias de Ricardo Alves – 15h no Mart
  • Palestra com a Profª. Danielle Maia Francisco (Historiadora, Museóloga) – “Casa da Flor: experimento, poesia e memória” – 17h no Charitas

Sexta-feira (17)

  • Palestra com o Prof. André Luiz Garrido Barbosa (Historiador) – “O Patrimônio Histórico e Ensino de História local em Cabo Frio”- Charitas
  • A oficina de “Brincadeiras Tradicionais”. A atividade pertence ao projeto “Feito pra brincar”, de Ana Luiza Barbosa e Yuri Vasconcellos – 10h no Mart

Sábado (18)

  • Visitas espontâneas ao acervo – Charitas – de 10h às 15h
  • Oficina de música, também realizada pelo projeto “Feito pra brincar”. As inscrições devem ser feitas pelo telefone (22) 9.7401-8090

Domingo (19)

  • Visitas espontâneas ao acervo – Charitas – das 10h às 15h

 

Fonte: Portal G1

Foto: Paulo Henrique Cardoso/Inter TV