Maio Amarelo: ações de conscientização e educação no Trânsito

Uma ação educativa de conscientização para um trânsito mais seguro foi realizada nesta quarta-feira (11), na Praça Fonseca Portela (Centro), que faz parte do Movimento Maio Amarelo, que faz um alertar sobre os cuidados que os motoristas precisam ter nas ruas e estradas para evitar acidentes. Nessa Ação foram feitas orientações sobre prevenção de acidentes e atitudes corretas no trânsito.  Os motociclistas foram informados sobre a obrigatoriedade e a importância do uso do capacete para o condutor e passageiros, das penalidades, como multas e suspensão de dirigir, além de Infração Gravíssima e 07(sete) pontos na carteira.

A operação, realizada em prol do Movimento Maio Amarelo que realiza ações para chamar a atenção da sociedade para o alto índice de mortes e feridos no trânsito em todo o mundo. O objetivo do movimento é uma ação coordenada entre o Poder Público e a sociedade civil. Com o tema “Juntos Salvamos Vidas”, a campanha Maio Amarelo 2022, iniciada no domingo (01/05), visa a reduzir acidentes de trânsito e evitar mortes. Em Rio Bonito, a iniciativa tem a participação de órgãos governamentais e diversas organizações, como o Detran, Arteris Fluminense, Guarda Civil Municipal e o Departamento Geral de Trânsito (Degetran), através da Secretaria de Segurança e Ordem Pública.

Inscrições para as mais de 9 mil vagas do Pré-Vestibular Cecierj encerram dia 11 de abril

Os candidatos ao preenchimento de 9 mil 480 vagas para o curso Pré-Vestibular Cecierj – Extensivo 2022 têm somente até o dia 11 de abril para fazer a inscrição, que ocorrerá unicamente pela internet, por meio do formulário disponível na página https://www.cecierj.edu.br/pre-vestibular-social/estude-no-pvs/edital-alunos-pvs-2022/ .  Tanto a inscrição quanto as aulas são gratuitas. Os documentos obrigatórios para inscrição são: CPF, documento de oficial de identificação (RG, CNH ou Carteira de Trabalho) e comprovante de escolaridade. Não serão aceitas inscrições de candidatos menores de 18 anos sem o envio dos contatos de um responsável.

O curso, oferecido pela Fundação Cecierj, vinculada da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação, é um preparatório para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e outros vestibulares. Este ano, os alunos vão contar com muitas novidades. A primeira é que, no ato da inscrição, será possível escolher entre polos com aulas presenciais (5 mil 700 vagas) ou virtuais (3 mil 780 vagas), através do ambiente virtual de aprendizagem, que é outra ferramenta nova, que será um complemento aos livros didáticos, que serão entregues gratuitamente a todos os estudantes, em mais de 80 pontos distribuídos por todo o estado.

E as mudanças não param por aí. O projeto foi totalmente reformulado e o material impresso passou a ser todo colorido e conectado com a plataforma de estudos. Os estudantes vão encontrar links nas páginas dos livros, que indicam para atividade adicional na internet. O novo conteúdo foi desenvolvido pelos coordenadores de disciplina do Pré-Vestibular em parceria com a equipe de designers da Fundação Cecierj, vinculada da Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação, que pensaram em um projeto gráfico que facilitasse os estudos.

O processo seletivo terá reserva de vagas para os candidatos inscritos no Cadastro Único. Essa inscrição deve estar atualizada e o comprovante, emitido pelo site http://meucadunico.cidadania.gov.br ou pelo aplicativo Meu cadastro Único, será obrigatório para aqueles que desejarem concorrer a esta reserva de vaga.

“A principal missão da Fundação Cecierj é levar um ensino público e de qualidade à população do nosso estado e o Pré-Vestibular Cecierj, que esse ano oferta um material totalmente reformulado, que facilitará o aprendizado, é para o jovem ter apoio durante a preparação para o Enem, o que vai possibilitar o ingresso no ensino superior. Estamos animados em receber os novos alunos e caminharmos rumo à aprovação na universidade”, destacou o presidente da Fundação Cecierj, Rogerio Pires.

 Quem pode se inscrever

O processo seletivo é aberto para candidatos que, em 2022, estiverem matriculados no último ano do Ensino Médio regular em instituições de ensino públicas ou particulares, ou que já tenham concluído o Ensino Médio regular. Os candidatos que estiverem inscritos em outras modalidades de Ensino Médio, como Nova EJA, Encceja ou CEJA, também podem se inscrever. Todas as regras estão disponíveis no edital, publicado em https://www.cecierj.edu.br/pre-vestibular-social/estude-no-pvs/edital-alunos-pvs-2022/

 As aulas

As aulas do curso Pré-Vestibular Cecierj – Extensivo 2022 serão realizadas de 30 de abril a 3 de dezembro deste ano, com aulas presenciais ou virtuais, dependendo do local, em dias e horários especificados na página Onde Estamos no site https://www.cecierj.edu.br/pre-vestibular-social/onde-estamos/ e no Anexo 1 do edital. A realização do Pré-Vestibular Cecierj conta com a parceria da Secretaria de Estado de Educação.

 

Ascom Cecierj

Parceria com o COB leva educação esportiva e valores olímpicos para escolas municipais de Rio Bonito

O Comitê Olímpico do Brasil (COB) e a Prefeitura de Rio Bonito iniciaram nesta semana uma parceria para implementar o Transforma, programa de promoção de Valores Olímpicos da entidade, nas escolas municipais da cidade. O lançamento do programa foi realizado nesta quinta-feira (31) na Escola Municipal Professor Honesto de Almeida Carvalho (EMPHAC), no bairro Mangueirinha, que deve se transformar num polo de esportes olímpicos. O evento contou com a presença do secretário municipal de Educação, Adalmir Cardoso, do secretário de Esporte e Lazer, Bernardo Oliveira, representantes do COB,  além de diretores, professores e alunos da escola.

O EMPHAC será a primeira escola municipal a receber as ações do programa que tem como objetivo levar a educação esportiva e valores olímpicos, como amizade, coragem, determinação, excelência, igualdade, inspiração e respeito, para os alunos da Rede Municipal de Ensino. A ideia é transformar essa escola num polo de esportes olímpicos, devido ao espaço e estrutura para receber a capacitação e treinamento no dia a dia. Além disso, a escola também passa a adotar a metodologia do Transforma, trabalhando a temática olímpica e o desenvolvimento de habilidades socioemocionais em sua grade curricular.

“Acreditamos muito na força da junção do esporte com a educação, e também queremos mostrar para os professores a facilidade que é trabalhar a temática olímpica dentro da sala de aula”, disse Mariana Ribeiro, Pedagoga do Departamento de Cultura e Valores Olímpicos do COB.

Segundo a educadora embaixadora do Programa, Carol Mendonça, o espírito olímpico movimenta toda a escola.

“O professor vai se aproximar dos valores olímpicos, onde terão atividades preparadas para auxiliar o processo criativo de todas as disciplinas. Além de desenvolver o senso de pertencimento dos alunos e torná-los ainda mais participativos na escola”, disse.

De acordo com o secretário de Esporte e Lazer, Bernardo Oliveira, a parceria vai ampliar a base de ensino esportivo de todas as unidades escolares.

“É uma parceria que batalhamos muito. Foram diversas reuniões para acharmos o melhor caminho para conseguirmos ampliar essa ideia que temos de esporte dentro da escola e carregando valores olímpicos”, disse Oliveira.

Para o secretário de Educação, Adalmir Cardoso, em razão do retorno às aulas presenciais, as escolas precisam se tornar um espaço atrativo para os alunos com atividades que carreguem valores consolidados.

“Rio Bonito tem a vocação para o esporte e o Programa Transforma vem evidenciar isso em nosso município, fazendo o esporte um parceiro no desenvolvimento escolar das crianças”, explicou Cardoso.

 

Texto: Natan Duarte – Ascom Educação Rio Bonito

Fotos: Nilton Carlos

Inscrições para pós-graduação gratuita para profissionais da Educação foram prorrogadas

Em 2015, pesquisadores da Universidade Federal da Bahia identificaram a primeira transmissão causada pelo Zika vírus no Brasil. A epidemia foi curta, mas os danos produzidos atravessam os anos. Agatha dos Santos, de 5 anos, foi recusada em quatro colégios antes que sua mãe, Karolayne dos Santos, conseguisse matriculá-la. Ela é uma das famílias acompanhadas por um trabalho desenvolvido pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ), que alia educação e saúde. Uma das ações é a oferta da primeira pós-graduação em Educação Especial e Inovação Tecnológica do Estado do Rio, em parceria com a Fundação Cecierj, vinculada da Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação, que está com inscrições abertas até o dia 28 de março.

 “Como uma escola, seja particular ou pública, não está preparada para receber um aluno com deficiência? A Agatha não é a única. Esse período foi muito complicado. Bateu um alívio quando a quinta escola aceitou a minha filha. O colégio fechou e, atualmente, ela estuda em uma escola da rede municipal de ensino, que está aparelhada para receber crianças com deficiência”, comenta Karolaye, que é moradora de Belford Roxo.

Com a chegada à escola das crianças com deficiência múltipla, em consequência do Zika vírus, é preciso levar mais conhecimento sobre os processos de ensino e aprendizagem de estudantes com deficiência para os profissionais da Educação. O curso de pós-graduação será ofertado na modalidade semipresencial e é voltado para professores da educação básica e profissionais que atuam em setores de apoio à inclusão e acessibilidade na educação superior do Rio de Janeiro.

“Todos devem ser integrados e envolvidos no processo educacional e, por isso, a iniciativa da Fundação Cecierj e da UFRRJ é de extrema relevância ao trazer a escolarização de alunos com necessidades educacionais especiais para um curso de especialização. São duas instituições públicas, conceituadas em seus trabalhos, que unem esforços para levar uma formação continuada aos profissionais da educação, que discutirá a inclusão e acessibilidade e o desenvolvimento de recursos de inovação tecnológica e pedagógica”, comentou o secretário de Ciência, Tecnologia e Inovação, Dr. Serginho.

As inscrições foram prorrogadas até o dia 28 de março e podem ser feitas pelo site https://sigaa.ufrrj.br/sigaa/public/processo_seletivo/lista.jsf . O curso, que é totalmente gratuito, é voltado aos profissionais da educação que desejam buscar mais conhecimentos sobre os processos de ensino e aprendizagem de estudantes com deficiência, principalmente com deficiência intelectual, múltipla e a síndrome congênita do zika vírus. Além disso, a iniciativa vai oferecer estratégias curriculares acessíveis e recursos tecnológicos e pedagógicos a serem empregados na escolarização do público da Educação Especial.

“A iniciativa se insere em uma construção de uma política sólida de formação continuada em Educação Especial no Estado do Rio de Janeiro, consolidando uma parceria entre educação superior e educação básica, além de incrementar a formação dos profissionais em uma perspectiva inclusiva, contribuindo para o desenvolvimento profissional, a prática pedagógica e tecnológica”, destaca o presidente da Fundação Cecierj, Rogerio Pires.

A pesquisa

O Observatório de Educação Especial e Inclusão Educacional em parceria com o Fórum Permanente de Educação Especial na Perspectiva Inclusiva da Baixada e Sul Fluminense, ambos vinculados à UFRRJ, se dedicam, desde 2009, a analisar a implementação das políticas de inclusão nas escolas da Baixada Fluminense e do Sul Fluminense. Em 2020, o grupo iniciou um projeto para entender o desenvolvimento educacional de crianças com síndrome congênita do zika vírus. O curso de especialização nasceu a partir dessas ações.

O trabalho conta a participação de 50 pesquisadores no processo de análise da escolarização das crianças de diferentes instituições: Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca e o Instituto Fernandes Figueira; Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro; Universidade do Estado do Rio de Janeiro; e Universidade do Estado de Santa Catarina. A pesquisa tem financiamento da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (FAPERJ).

“A pesquisa faz contribuição nos campos educativo e social com o objetivo de melhorar a qualidade de vida das crianças ao possibilitar de forma mais efetiva a sua participação nas atividades escolares e em casa por meio de recursos/estratégias de comunicação. O estudo contribui ainda com a elaboração de políticas públicas ao embasar programas focados na formação dos profissionais que atuam com crianças com deficiência múltipla”, explicou a coordenadora da especialização, professora Márcia Denise Pletsch.

Inovação tecnológica

Uma equipe da PUC-Rio vem desenvolvendo um aplicativo digital, em fase de acabamento, para o desenvolvimento da comunicação em crianças com deficiência múltipla não oralizadas em decorrência do Zika vírus que, ao ser finalizado, poderá ser acessado em celulares e tabletes, como explica a professora Erica Campos, que integra a equipe de pesquisa Grupem da PUC-RJ:

“A comunicação será trabalhada nos ambientes da família e da escola. Funcionará como um jogo, com atividades divididas em cinco categorias: brinquedo, alimentação, saúde e bem-estar e relações sociais. Serão três níveis de organização das atividades e os desafios aumentam de acordo com o avanço no jogo. O aplicativo conta, além de uma doutoranda para produção das atividades, com a participação de uma equipe para o desenvolvimento do design e interfaces e das famílias das crianças”, explicou.

O projeto também traz inovações metodológicas ao envolver, de forma colaborativa, professores, familiares das crianças e profissionais da saúde e assistência social que atuam com elas. Os resultados e produtos são validados com os próprios usuários com deficiência e suas famílias, como é o caso da Suzana dos Santos Marques, de 37 anos, que é mãe do, Samuel, de 5 anos.

“Participar desse projeto está sendo muito bom. O Samuel já teve contato com a comunicação alternativa, mas não era pelo computador. A equipe da fisioterapia utilizava livros, que não chamavam tanta atenção dele. Saltei de alegria quando soube que um aplicativo estava sendo elaborado. A iniciativa vai ser importante não apenas para os familiares, mas também para os professores, cuidadores e rede de apoio. Isso vai ser muito importante”, destacou.

 

 

Crédito: Ascom Fundação Cecierj