Dono de fortuna de US$ 500 milhões e que dorme no quarto que já foi da Madonna, é um cachorro

Gunther VI, um cachorro da raça pastora alemã, vai vender a mansão em que ele vive, na região de Miami, nos Estados Unidos. O imóvel já foi da cantora Madonna.

O bicho é o descendente de um outro cachorro, Gunther IV, que herdou uma fortuna de milhões de dólares de sua dona, a condessa Karlotta Liebenstein, quando ela morreu em 1993.

Liebenstein deixou seu dinheiro em um truste –um tipo de fundo de dinheiro que deve ser aplicado em benefício de um terceiro (no caso, o pastor alemão).

Uma das propriedades do bicho é a mansão na Flórida, que tem oito quartos, vista para a Baía de Biscayene.

Os responsáveis por Gunther compraram o imóvel da cantora Madonna há cerca de 20 anos, por US$ 7,5 milhões, e agora o colocaram no mercado por um preço mais de quatro vezes maior, em termos nominais: US$ 31,5 milhões.

O cachorro tem um chef só para ele. Eventualmente, o bicho come caviar. Ele viaja em aviões privados e recebe treinamento todos os dias.

“Ele mora no antigo quarto principal da Madonna”, disse o corretor de imóveis Ruthie Assouline.

“[O cachorro] literalmente dorme olhando uma vista magnífica em uma cama italiana feita sob encomenda no antigo quarto da maior popstar do mundo”, repetiu ele.

Uma das principais responsáveis pelo cachorro Gunther é Carla Riccitelli. Segundo ela, o truste tem hoje cerca de US$ 500 milhões de patrimônio. O grupo responsável pelo bicho já chegou a comprar um time de futebol masculino e uma equipe de natação feminina (Gunther ia brincar no campo de futebol).

Crédito: g1.globo.com

Moda no TikTok de tomar suplemento energético em pó pode ser perigosa

Pesquisadores fizeram um alerta em recente congresso médico nos Estados Unidos sobre o hábito de tomar suplementos em pó sem diluir antes de treinos físicos, algo que contraria a recomendação dos fabricantes.

Segundo os autores de um estudo apresentado no evento, há preocupação com adolescentes depois que a prática viralizou em vídeos na internet — principalmente na plataforma TikTok, com milhões de likes contabilizados.

Perigos à saúde

Suplementos energéticos em pó voltados para consumo antes dos treinos contêm aminoácidos, vitaminas e ingredientes como cafeína.

O objetivo é dar uma “dose de estímulo” antes do exercício para aumentar a resistência física, mas não há estudos científicos consolidados sobre os efeitos da prática.

No entanto, já há conhecimento de riscos pelo consumo em excesso de estimulantes energéticos.

Uma grande dose de cafeína, por exemplo, pode causar efeitos colaterais no coração, incluindo palpitações ou batidas cardíacas a mais ou a menos.

Tomar suplemento energético em pó pode fornecer uma quantidade de cafeína equivalente a cinco copos de café, dizem pesquisadores do Cohen Children’s Medical Center, em Nova York.

A “dose de estímulo” pode causar “uma elevação da pressão sanguínea e do batimento cardíaco, levando a distúrbios no ritmo cardíaco”.

Além disso, inalar acidentalmente o pó e levá-lo aos pulmões pode causar sufocamento, infecção ou pneumonia, declaram os pesquisadores.

No Reino Unido, esses produtos são considerados pelos órgãos reguladores como alimento e não como remédio, mas precisam ser avaliados como seguros para consumo e vendidos apenas para maiores de 18 anos.

Alguns suplementos estão sendo comercializados na internet por vendedores de reputação duvidosa e podem conter ingredientes que não estão listados no rótulo.

Muitos foram proibidos por incluírem substâncias como DMAA, uma anfetamina sintética, além de um estimulante chamado sinefrina.

Reportagens recentes também mostraram os perigos da prática depois que uma influencer de 20 anos, chamada Briatney Portillo, relatou em uma postagem ter sofrido um ataque cardíaco. Ela relacionou o ocorrido ao suplemento em pó ingerido sem diluição.

Popularidade em alta

Os pesquisadores analisaram 100 vídeos postados no TikTok com a hashtag “preworkout” (pré-treino).

Apenas 8 desses vídeos apresentaram o uso correto do suplemento em pó.

Mais de 30 exibiam pessoas ingerindo o pó seco seguido por alguns goles de água ou de líquido, sem diluição.

O levantamento contabilizou 8 milhões de curtidas desses vídeos.

Na apresentação para o congresso da Academia Americana de Pediatras, foi alertado que ‘médicos devem estar cientes da prática disseminada do pré-treino, dos perigosos métodos de consumo e do potencial de acidentes com dosagens excessivas e inalação”.

A cientista nutricional Bridget Benelam, da Fundação Britânica de Nutrição, afirma: “Os suplementos em pó para pré-treino normalmente contêm cafeína, além de ingredientes como creatina, aminoácidos e vitaminas”.

“Aparentemente não há muitas pesquisas sobre os benefícios desses produtos, apesar da evidência de que a cafeína pode melhorar performances esportivas em alguns casos. Esses estudos são feitos normalmente em atletas, portanto não está clara a relevância para a população em geral”.

“Os níveis de cafeína nesses produtos são equivalentes a uma xícara de café, podendo chegar a algo entre três e cinco xícaras, de acordo com instruções dos fabricantes.”

“Dessa forma, há risco de consumir cafeína em excesso, especialmente se a ingestão for superior a mais de uma vez por dia. O simples consumo do pó [sem diluição] pode representar riscos, já que pode haver consumo acima da quantidade recomendada”.

Manter-se hidratado para o exercício também é importante.

A Fundação Britânica de Cardiologia recomenda:

  • tomar de 6 a 8 copos de algum líquido, havendo treino ou não
  • ouvir o próprio corpo — se você está com sede ou transpirando em excesso, beba água
  • mas também não exagere na água e nem na cafeína

 

 

Crédito: g1.globo.com

 

Pedaço de cimento é encontrado no coração de paciente de 56 anos que sofreu cirurgia para reparar fratura

Um homem de 56 anos compareceu ao pronto-socorro com dor no peito e falta de ar. Os sintomas, que já duravam dois dias, levaram a uma investigação médica: a radiografia e a tomografia computadorizada do tórax mostraram um corpo estranho dentro do tecido do coração.

Uma semana antes, o paciente havia passado por uma cifoplastia: procedimento feito para reposicionar o osso após uma fratura, comumente aplicado por especialistas em casos de osteoporose, e que utiliza cimento ósseo.

“O paciente foi submetido a cirurgia cardiotorácica de emergência. Durante o procedimento, foi encontrado o corpo estranho perfurando o átrio direito e atravessando o pericárdio para o espaço pleural e perfurando o pulmão direito”, escreveram os especialistas no relato, que foi publicado na revista científica “The New England Journal of Medicine”. O caso ainda não foi publicado como estudo científico, nem avaliado por outros pares especialistas.

Durante a cirurgia, os médicos encontraram um pedaço de cimento — o que é usado geralmente para os procedimentos de cifoplastia —, que media 10 cm de comprimento de 0,2 de diâmetro. O material já estava causando uma embolia (impossibilitando a passagem da corrente sanguínea).

“A embolia de cimento é uma complicação descrita da cifoplastia. O cimento pode vazar para o sistema venoso, endurecer e embolizar. Após a remoção, o átrio direito do paciente foi reparado. Ele não teve complicações pós-operatórias e, um mês após o procedimento, estava quase recuperado”.

Crédito: g1.globo.com

Abertura das Olimpíadas de Tóquio é marcada por simbolismos e homenagens

Depois de um ano de adiamento, as Olimpíadas de Tóquio começaram oficialmente nesta sexta-feira (23). Em uma cerimônia de abertura mais enxuta e sem público, o Japão encantou com uma mensagem de união, superação e esperança em tempos de pandemia de coronavírus. Até o dia 8 de agosto, os olhos do mundo se voltam para Tóquio e para as histórias de conquistas de 11 mil atletas.

As barreiras impostas pela pandemia foram lembradas, dos atletas que treinaram sozinhos em períodos de isolamento, aos profissionais da saúde na linha de frente de combate a covid. Receberam as devidas homenagens em uma festa restrita a cerca de mil convidados entre chefes de estados e membros do Comitê Olímpico Internacional (COI), mas transmitida para bilhões de pessoas ao redor do planeta. Além disso, houve também a preocupação com as dimensões da festa. O Japão teve de reduzir o tamanho da cerimônia de abertura, tanto para cortar custos como para evitar um surto de coronavírus. Houve um minuto de silêncio em memória das vítimas da pandemia.

 

Mestre-sala e porta-bandeira do Brasil

Pela primeira vez o Brasil teve dois porta-bandeiras: Bruninho (campeão olímpico do vôlei) e Ketleyn Quadros (primeira brasileira a conquistar uma medalha olímpica, em Pequim 2008, no judô). Os dois puxaram uma delegação bem reduzida no Estádio Olímpico. Para evitar o risco de algum atleta brasileiro pegar covid, o Comitê Olímpico do Brasil (COB) vetou a participação dos pouco mais de 300 atletas do país na abertura. No entanto, houve um desfile simbólico dos brasileiros na Vila Olímpica. Apenas dois membros do Comitê Olímpico do Brasil desfilaram na abertura, cumprindo o número mínimo exigido pelo COI. Ainda assim os dois medalhistas olímpicos fizeram festa e arriscaram alguns passos de samba, imitando um mestre-sala e uma porta-bandeira.

 

Parada das nações “mascaradas” (com exceções)

A máscara foi um item fundamental para todos na parada das nações. Como de costume, a Grécia, criadora das Olimpíadas na antiguidade, abriu o desfile das delegações. A equipe olímpica de refugiados foi a segunda delegação a desfilar. O Brasil foi o 151º país a entrar no Estádio Olímpico. A Rússia, punida por causa do escândalo de doping sistemático no país, desfilou com a bandeira olímpica. O anfitrião Japão fechou a parada das 206 delegações.

Fonte: Ge