Prefeitura de Niterói continua realizando a vacinação e já imunizou quase 13 mil pessoas

A Secretaria Municipal de Saúde de Niterói iniciou na quinta-feira (28) a vacinação de profissionais de saúde autônomos com mais de 60 anos, com a vacina AstraZeneca/Oxford, em quatro policlínicas da cidade: Barreto, Vital Brazil, Itaipu e São Lourenço. A cidade recebeu 7.070 doses da vacina.

Ao comparecer para a vacinação, os profissionais de saúde devem apresentar o registro profissional, número do CPF ou CNS e documento de identidade com foto. Sem a documentação, a imunização não será possível.

Nesta fase, serão vacinados médicos, enfermeiros, técnicos de enfermagem, nutricionistas, fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais, biólogos, biomédicos, farmacêuticos, odontólogos, fonoaudiólogos, psicólogos, assistentes sociais, profissionais de educação física, médicos veterinários e seus respectivos técnicos.

A Secretaria continua realizando a vacinação volante em profissionais de saúde da linha de frente em instituições públicas e privadas, idosos que moram em Instituições de Longa Permanência e pessoas com deficiência institucionalizadas e maiores de 18 anos.

Até o final da tarde de quinta-feira (28), 12.937 pessoas já tinham sido imunizadas em Niterói. A vacinação em Niterói começou no dia 19 de janeiro com as 11.620 doses da vacina CoronaVac, do Instituto Butantan. No dia 25, a cidade recebeu mais 7.070 doses da vacina AstraZeneca/Oxford, importadas pelo Governo Federal. A Prefeitura de Niterói aguarda novas remessas de vacinas para iniciar a imunização de outros grupos prioritários.

A biomédica Margareth da Cunha, 60 anos, foi uma das profissionais da área da saúde que recebeu nesta quinta-feira, na Policlínica Municipal Sérgio Arouca, no Vital Brazil, a primeira dose da vacina AstraZeneca/Oxford. Moradora de Santa Rosa e com duas filhas, ela ressalta a importância da vacinação.

“A única arma contra o vírus é a vacina. Eu tenho tomado todo ano a vacina Influenza, contra a gripe, e acho que agora nós teremos que ser vacinados todo ano contra o coronavírus também. Fiquei muito feliz em tomar a vacina hoje, me dá mais tranquilidade”, disse Margareth da Cunha, lembrando que vai continuar seguindo todos os protocolos de distanciamento social.

Planejamento – A partir de segunda-feira (1º) os demais profissionais da área da Saúde poderão se imunizar nessas mesmas unidades. Será necessário levar registro profissional ou contracheque de instituições públicas ou privadas. À medida que o Município receber mais remessas de doses de vacina, será divulgado os próximos públicos para a vacinação. É importante esclarecer que estados e municípios precisam seguir o Plano Nacional de Imunizações do Sistema Único de Saúde (SUS). As vacinas são enviadas pelo Ministério da Saúde ao Governo do Estado, que repassa aos municípios.

Niterói participou de testes da vacina – O esforço para a imunização em Niterói começou com o ex-prefeito Rodrigo Neves, que, em agosto, autorizou os testes com a CoronaVac na cidade e, em dezembro do ano passado, chegou a assinar com o Instituto Butantan, em São Paulo, um memorando para o fornecimento de 1,1 milhão de doses da vacina CoronaVac, produzida pelo Instituto, para Niterói. A quantidade seria suficiente para imunizar toda a população da cidade de mais de 500 mil habitantes. Mas o Ministério da Saúde adquiriu toda a produção do Butantan. Com isso, Niterói entrou no Programa Nacional de Vacinação, e vem recebendo lotes de vacina do Governo Federal.

 

Fonte: atribunarj.com.br

Justiça Federal suspende distribuição de vacina de Oxford em Manaus

A Justiça Federal do Amazonas suspendeu a distribuição, em Manaus, da vacina contra covid-19 desenvolvida pela Universidade de Oxford, em parceria com a farmacêutica AstraZeneca. A suspensão deve vigorar até que a prefeitura formule um plano de vacinação nos moldes do elaborado pelo Ministério da Saúde a nível nacional.

Na decisão, tomada nesta terça-feira (26), a juíza Jaiza Maria Pinto Fraxe, da 1ª Vara Federal Cível do Amazonas, afirma que a distribuição em Manaus poderá ser retomada “desde que obedecidas as regras de prioridade já estabelecidas em todo o país, não podendo haver privilégios ou desvios de qualquer espécie, sujeitando os infratores à prisão em caso de flagrante delito, na forma da lei”.

Após a decisão, o governo do Amazonas informou ter interrompido a distribuição de todas as 132,5 mil doses da vacina Oxford/AstraZeneca que recebeu no sábado (23). Na noite de ontem, porém, o executivo estadual disse que, em novo despacho judicial, a magistrada esclareceu que a interrupção deveria ocorrer somente em Manaus, devendo seguir [a distribuição] em relação aos demais municípios.

A decisão da juíza foi tomada após o Ministério Público Federal (MPF) abrir investigação sobre possível fraude na destinação da vacina CoronaVac em Manaus, a primeira a ser distribuída no Amazonas. Duas médicas recém-nomeadas para cargo administrativo em uma unidade básica de saúde figuram entre as primeiras imunizadas na capital amazonense.

De acordo com o Plano Nacional de Imunização, os grupos prioritários para receber as vacinas neste primeiro momento são os profissionais de saúde, em especial os que trabalham na linha de frente do combate à pandemia, indígenas aldeados e idosos e deficientes que morem em institutos de longa permanência.

Proibição de segunda dose

A mesma juíza já havia determinado que quem furou a fila de vacinação em Manaus está proibido de receber a segunda dose até que chegue a vez dos furões na lista de prioridades.

Ela também determinou que a prefeitura da capital amazonense publique diariamente – até as 22h – a lista de todos os vacinados na cidade.

A magistrada escreveu ter detectado “irregularidades inadmissíveis na aplicação dos imunizantes”, como um hospital que ainda não tinha recebido nenhuma dose da vacina, enquanto advogados e donos de empresas de alimentos já haviam sido imunizados.

 

Fonte: agenciabrasil.ebc.com.br

Rio Bonito deve receber 1.710 doses da CoronaVac; lote chegará às 13h de hoje no Rio

Após a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovar emergencialmente o uso das vacinas da Fiocruz (Oxford) e do Instituto Butantan (CoronaVac) contra a Covid-19, o primeiro lote com 480.520 mil doses da CoronaVac está previsto para chegar ao Rio de Janeiro às 13h desta segunda-feira (18) e será distribuído para os 92 municípios do Rio. Destas, 1.710 doses devem ser destinadas para Rio Bonito.

A primeira fase da vacinação, segundo o Governo do Estado, vai englobar aproximadamente 232 mil pessoas. Ainda de acordo com o Estado, serão vacinados os profissionais da saúde, pessoas acima de 60 anos e pessoas com deficiência em casas de repouso e indígenas. As duas doses serão aplicadas com intervalo de 28 dias. No entanto, os protocolos ainda devem ser confirmados pelas prefeituras.

“Achamos que, até o final do dia, todos já estarão com essas vacinas prontas para que durante o dia de amanhã possam fazer a distribuição. E aí, alguns que se organizarem mais, talvez até amanhã à tarde já possam começar. Vai de prefeito para prefeito”, disse o governador em exercício, Cláudio Castro, que garantiu que os materiais necessários para a vacinação, como seringas e agulhas, chegaram aos municípios no último sábado (16).

Além de Rio Bonito, a expectativa é que 840 doses da CoronaVac sejam destinadas para Tanguá, e 480 para Silva Jardim. Búzios, por sua vez, deve receber 750 doses da vacina; Arraial do Cabo, 630. Cabo Frio também deve receber 5.310 doses; Casimiro de Abreu, 1.120; Iguaba Grande, 500; Rio das Ostras, 3.400. Para São Pedro de Aldeia, espera-se que 1.770 doses sejam destinadas; Saquarema, por sua vez, espera receber 2.490 doses do imunizante e Maricá, 4.270.

Na Região Metropolitana, Itaboraí deve receber 4.620 doses da CoronaVac; São Gonçalo, por sua vez, espera receber 27.590 mil doses da vacina, número aproximado de Niterói, que deve receber 23.240 mil doses. Para o Rio de Janeiro, serão destinadas 231.840 mil – doses que serão entregues em 450 pontos de vacinação nas próximas 36 horas a partir do recebimento do lote no estado. Segundo o prefeito da capital fluminense, Eduardo Paes, o primeiro carioca será vacinado nesta segunda-feira (18), às 17h, no Cristo Redentor.

Avião parte hoje para buscar 2 milhões de doses de vacina da Oxford

Um avião da companhia aérea Azul vai decolar hoje (14) para a Índia, de onde retornará ao Brasil com dois milhões de doses da vacina contra a covid-19, informou o Ministério da Saúde. 

A aeronave sairá do Aeroporto de Viracopos, em Campinas (SP), às 13h, com destino a Recife. Após a escala, partirá direto para a cidade indiana de Mumbai. As vacinas estão previstas para chegar ao Brasil no próximo sábado (16). O avião pousará no Aeroporto do Galeão, no Rio de Janeiro.

Ao chegar, as vacinas aguardarão o aval da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), que se reunirá no domingo (17) para analisar o pedido de uso emergencial, apresentado pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), parceira da AstraZeneca e da Universidade de Oxford no Brasil.

Segundo o Ministério da Saúde, a vacina será distribuída aos estados em até cinco dias após o sinal verde da Anvisa, para, assim, dar início à imunização em todo o país, de forma simultânea e gratuita.

O ministério disse ainda que, além do apoio da Azul, contará com a Associação Brasileira de Empresas Aéreas por meio das companhias Gol, Latam e Voepass para a logística de transporte gratuito da vacina para covid-19.

A segurança no transporte das doses pelo Brasil será feita pelas Forças Armadas, em ação conjunta com o Ministério da Defesa.

“O sucesso da operação de importação demonstra o excelente momento das relações Brasil-Índia e a solidez da Parceria Estratégica bilateral. Os dois países têm mantido, recentemente, frequentes contatos em alto nível, pautados por espírito de solidariedade e cooperação no enfrentamento da pandemia de covid-19”, diz nota conjunta assinada pelos ministérios da Defesa e das Relações Exteriores.

Aeronave

O avião que partirá hoje para a Índia é um Airbus A330neo, maior aeronave da frota da companhia e estará equipado com contêineres específicos para garantir o controle de temperatura das doses de acordo com as recomendações do fabricante.

Ontem (13), a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) autorizou as empresas aéreas a transportarem vacinas refrigeradas com gelo seco na cabine de passageiros. O transporte só ocorrerá, entretanto, se não houver passageiros durante o voo.

A medida alterou outra resolução da Anac, de dezembro do ano passado, que aprovou diretrizes para permitir, em caráter excepcional, o transporte de carga nos compartimentos de passageiros devido à pandemia do novo coronavírus (covid-19).

 

Fonte: agenciabrasil.ebc.com.br

Butantan pede à Anvisa autorização emergencial de uso para vacina de Oxford

O Instituto Butantan (IB) solicitou à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), nesta sexta-feira, a autorização emergencial de uso da vacina CoronaVac contra Covid-19. O prazo estimado pela agência para avaliação do pedido é de até dez dias.

Em nota, a Anvisa afirmou que já iniciou a triagem dos documentos enviados pelo IB ao órgão. Segundo a agência, a primeira etapa da análise, que ocorre nas 24 horas iniciais, servirá para chegar se as informações apresentadas atendem aos requisitos da solicitação emergencial.

Caso a documentação esteja incompleta, a Anvisa pode paralisar a contagem do prazo de análise para solicitar novas informações ao Butantan. Além dos dados apresentados nesta sexta-feira, a Agência também vai analisar o que já foi apresentado pelo instituto durante o processo de submissão contínua, que possibilitou que as desenvolvedoras submetesse os dados da vacina à agência durante o seu desenvolvimento.

“A análise do pedido de uso emergencial é feita por uma equipe multidisciplinar, envolve especialista das áreas de registro, monitoramento e inspeção. A equipe vem atuando de forma integrada, com as ações otimizadas e acompanhadas pela Comissão que envolve 3 Diretorias da Agência”, explicou a Anvisa.

Ontem, o Butantan apresentou à Anvisa os dados sobre vacina. Segundo as informações, a CoronaVac tem eficácia de 78% nos estudos no Brasil. O Instituto, no entanto, não apresenou informações sobre a eficácia global do imunizante. A vacina desenvolvida pelo Butantan e pela chinesa Sinovac Biotech é o primeiro imunizante a pedir autorização emergencial de uso para a agência.

Caso a autorização emergencial de uso seja concedida pela Anvisa, a CoronaVac poderá ser aplicada em grupos específicos previamente definidos pelos desenvolvedores no pedido apresentado. A autorização emergencial é diferente do registro final pois não permite a aplicação em toda a população e tampouco a comercialização do imunizante.

O mecanismo não era previsto pela Anvisa até dezembro quando a agência decidiu adotar o procedimento para agilizar a aprovação de vacinas em solo brasileiro.