Recém-nascida precisa de vaga em hospital

A família de uma criança recém-nascida está vivendo momentos de angústia enquanto espera por uma vaga em qualquer hospital que tenha suporte para atender Pérola Vitória Mendonça Barbosa, de apenas um mês e 15 dias de vida.

A bebê deu entrada na UPA de Araruama, na Região dos Lagos do Rio, na tarde de sexta-feira 26 de Fevereiro com o quadro de bronquiolite e pneumonia, mas até a madrugada desta segunda-feira 1º de Março ainda não havia conseguido transferência para o Hospital Regional de Araruama ou qualquer outra unidade com condições de fazer o atendimento.

O desabafo é de Jovana da Silva Mendonça, mãe de Pérola. Ela está na UPA com a filha. A reportagem, contou que a equipe da unidade disse que foi até onde podia.

“Eles simplesmente falam que estão esperando a vaga e que não podem fazer mais nada, que já solicitaram e tudo mais. Pode ser aqui no Hospital Regional de Araruama, pode ser em Niterói, no Rio”, contou.

A avó paterna da criança, Patrícia Maria da Silva, disseque a bebê foi levada pelo avô materno, primeiramente, até o Hospital Municipal Drª Jaqueline Prates, onde a criança nasceu. Mas a neta logo foi encaminhada pela unidade até a UPA de Araruama, permanecendo no local.

“Atenderam muito bem, colocaram no oxigênio, mas depois falaram que ela não tinha como ficar lá. Ela foi colocada na incubadora e transferida para a UPA. Só que a UPA alega que não tem recursos, equipamentos necessários para mantê-la. Eles estão atendendo ela bem, eles vão e fazem o que podem. Mas ela não consegue ficar cinco minutos sem o oxigênio”, desabafa a avó.

A mãe da criança disse que assim que a filha deu entrada na UPA, a equipe logo falou da falta de estrutura.

“Na sexta-feira mesmo eles falaram ‘por que que trouxeram ela pra cá? Não temos estrutura aqui’. Hoje mesmo a médica falou comigo que esse oxigênio aqui pra ela é muito fraco, tem que ser um outro tipo. Falou que era pra gente ir na Defensoria, correr atrás, o mais rápido possível”, revelou Jovana, que pretende recorrer à Defensoria Pública nesta segunda.

Fonte: g1.globo.com

Camex volta a zerar imposto de cilindros e sensores de oxigênio

Insumos usados no combate à covid-19, como monitores de sinais vitais, sensores de oxigénio e cilindros de armazenamento de gases medicinais, voltarão a entrar no país com tarifa zerada. O Comitê Executivo de Gestão da Câmara de Comércio Exterior (Camex) aprovou a medida hoje (15) à noite, em reunião extraordinária.

A decisão ocorre dias depois de diversos produtos que estavam isentos desde o início da pandemia de covid-19 terem voltado a pagar Imposto de Importação. Ao todo, 258 itens tiveram a tarifa zerada hoje. O número de produtos isentos subiu para 561.

O Comitê Executivo da Camex também suspendeu uma tarifa antidumping que incidia sobre tubos de plástico para a coleta de sangue a vácuo. Por meio do antidumping, um país sobretaxa um produto importado que ameaça o equivalente nacional, sob o argumento de concorrência desleal.

Segundo o Ministério da Economia, a redução tarifária e a suspensão da tarifa antidumping vigoram até 30 de junho. As decisões serão publicadas amanhã (16), em edição extraordinária do Diário Oficial da União.

Por meio da rede social Twitter, o presidente Jair Bolsonaro comentou a medida.

 

Fonte: agenciabrasil.ebc.com.br

Artistas se unem para fazer doação de cilindro de oxigênio para Manaus

Whindersson Nunes está de férias no México, mas está ciente da situação que vive o sistema de saúde de Manaus, após crescente números de casos da Covid-19 no Amazonas. Por meio do Twitter, o humorista revelou que vai doar 20 cilindros, que comportam 50 litros de oxigênio, para os hospitais e ainda pediu a ajuda de amigos famosos.

“Providenciando 20 cilindros de 50L de oxigênio para distribuir nas unidades mais urgentes em Manaus! Alô meus amigos artistas. Na hora de fazer show é tão bom quando o público nos recebe com carinho, não é? Vamos retribuir?”, escreveu Whindersson no Twitter.

Em seguida, a primeira pessoa que confirmou adesão foi a apresentadora Tatá Werneck, que se pronunciou no Instagram. “Eu vi que o Whindersson achou uma maneira de doar e de comprar cilindros, então eu também vou comprar 10 cilindros e queria pedir aos amigos que eu sei que podem também para ajudarem”, pediu Tatá.

Whindersson ainda confirmou mais nomes de famosos nessa corrente de solidariedade, como o do comediante Tirullipa, das cantoras Simone, da dupla com Simaria, e Marília Mendonça, Tierry, do casal Wesley Safadão e Thyane  e do jogador Richarlisson, que joga atualmente na Inglaterra.

Outros famosos responderam a mensagem e disseram que também vão ajudar, como o jornalista Hugo Gloss, o ator Bruno Gagliasso e o apresentador Luciano Huck. Estima-se que mais de 150 cilindros tenham sido doados.

O sertanejo Gusttavo Lima também pretende doar e disse estar “desenhando a logística”. “Sábado estará chegando em Manaus 150 cilindros de oxigênio… Estou com todos vocês, manauaras”, publicou o cantor no Twitter.

Famosos pedem urgência

Além de doações, artistas têm compartilhado informações sobre a situação em Manaus, além de formas do público ajudar também. “Por favor, ajudem com qualquer quantia para as instituições abaixo. Todas são sérias e estão ajudando a salvar vidas em Manaus”, pediu o influencer Felipe Neto ao compartilhar contas de instituições que estão na linha de frente.

Taís Araújo elencou as necessidades da região e clamou por ajuda. “A situação é desesperadora! Além de oxigênio os hospitais precisam de: remoção urgente, máscaras, válvulas tipo Y, borrachas para colocar os oxigênios. Toda a ajuda e mobilização é bem vinda agora”, postou.

Até o ator mexicano Alfonso Herrera, da novela “Rebelde” e da série “Sense 8”, também entrou na corrente. “Oxigênio para Manaus”, pediu, em espanhol, em seu Twitter pessoal.

 

Fonte: odia.ig.com.br