Minas Gerais confirma a morte de três crianças por raiva humana

A Secretaria de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) divulgou informações sobre a morte de três crianças, vítimas de raiva humana, no período de um mês. A morte mais recente foi na última sexta-feira (29), de uma menina indígena de 12 anos. Ela estava internada na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital João Paulo II, em Belo Horizonte, desde o início de abril.

Outra vítima foi um menino da mesma idade que, segundo a SES-MG, foi mordido pelo mesmo morcego. Ao apresentar sintomas como vômitos, dores, febre e dificuldade para andar, foi encaminhado para a UPA de Teófilo Otoni, mas não resistiu.

Uma criança de 5 anos, que morava na mesma aldeia indígena das duas outras vítimas, também morreu de raiva humana. Apesar de não ter apresentado sintomas, o resultado da investigação feita pela SES-MG saiu dias depois, confirmando a causa. O caso segue sob investigação, já que a vítima não apresentava sinais de mordida.

Também na área rural de Bertópolis, um caso suspeito está sendo investigado desde o dia 21 de abril. Uma menina de 11 anos, com grau de parentesco com a segunda vítima, relatou sintomas como febre e dor de cabeça. A criança segue estável e em observação.

Devido ao aumento de casos, doses de vacinas antirrábicas foram enviadas ao local, através da Unidade Regional de Saúde de Teófilo Otoni. Até a quinta-feira passada (28), 982 moradores da comunidade rural de Bertópolis, de um total de 1.037, já tinham sido vacinados com a primeira dose da vacina contra a raiva humana.

“Outras 802 pessoas já tomaram a segunda dose, observando-se um intervalo de até sete dias. Na comunidade rural do município vizinho, Santa Helena de Minas, das 989 pessoas que residem no local, 593 foram vacinadas com a primeira dose”, informou a Secretaria de Saúde.

 

 

Crédito; Jornal O Dia

Maricá imuniza mais de 19 mil animais contra a raiva

A Prefeitura de Maricá registrou a marca de mais de 19 mil (precisamente 19.476) cães e gatos imunizados contra raiva, ao encerrar no sábado (22/01) a Campanha de Vacinação Antirrábica Animal de 2022, que ocorreu em dois dias — 15 e 22 de janeiro. 

A ação terminou em Inoã e Itaipuaçu (3º e 4º distritos), onde 17 polos estiveram em funcionamento no sábado e 7.527 animais receberam o imunizante aplicado pela equipe técnica da Secretaria Municipal de Saúde.  

Vacinação é essencial no combate à raiva 

A raiva é uma doença gravíssima que apresenta quase 100% de letalidade e pode ser transmitida no meio urbano por cães e gatos contaminados pela saliva ou mordida. Em Maricá, há décadas não há registro de casos da doença em animais ou humanos, graças à adesão anual da vacinação. 

A imunização é direcionada para caninos e felinos (entre machos e fêmeas), saudáveis e fora do estado gestacional, que tenham três meses de idade ou mais. 

Campanha no Centro e Ponta Negra 

A campanha teve grande adesão da população já no primeiro dia. Em 15/01, 33 postos de vacinação estiveram em funcionamento no Centro e em Ponta Negra (1º e 2º distritos de Maricá), vacinando 11.949 animais contra a raiva.