Do Espraiado à Araçatiba, cachaças artesanais que fazem sucesso em Maricá

Da tranquilidade do campo a agitação nas orlas e lagoas da cidade, Maricá tem muitos atrativos, como as cachoeiras, praias, festivais de música, teatro e uma rica produção local, seja gastronômica ou de artesanato.

Na região rural do Espraiado, Djalma Pereira dos Santos é dono de um aconchegante e simples bar. Ele mistura uma cachaça tradicional com diversas frutas e raízes para deixar em conserva. O produto, totalmente caseiro, chama atenção de quem vai ao local. Já em Araçatiba, próximo a lagoa e local que concentra grandes eventos do município, está o produtor João de Sá, adepto da técnica do moonshine (produção dos líquidos a partir das frutas em natura). Ele produz aguardente, rum, gim, uísque e até vodca a partir de frutas. João produz a sua própria bebida com a abundância de frutas do seu quintal.

O incomparável botafoguense, responsável direto pelo Djalma’s Bar, contou como torna a vida dos seus clientes mais “doce”. “Eu precisava de um produto diferenciado, aí comecei a inventar misturando as cachacinhas. Comecei com as raízes e depois fui para as frutas. Hoje tenho de banana, abacaxi, laranja da terra, cambuí, pitanga e muitas outras. A banana, que é a mais docinha, é a mais procurada. Quem vem aqui e prova, sempre volta”, garante.

Com visitas constantes de clientes das cidades vizinhas, Djalma explicou que herdou o local dos seus pais e pretende passar a técnica das cachaças para quem quiser aprender. “Estou dando continuidade aqui ao que minha mãe e meu pai fizeram no sítio. Eu já fui camelô, garçom, pedreiro, já trabalhei de várias coisas diferentes.  Mudei tanto de área que cheguei e abri essa birosca, e olha, tem dado certo. E vai dar mais ainda para frente, eu não tô aqui só para vender, estou para ensinar também, para ajudar as pessoas”, comentou.

Ao ser perguntado sobre qual era o sabor favorito, Djalma preferiu ficar neutro, mas explicou o procedimento para fazer sua cachaça diferenciada. “Pega três bananas maduras, corta elas em fatias, coloca um litro de cachaça com 3 colheres de açúcar e depois é só deixar 15 dias descansando que está pronta”, ensinou.

Quem quiser experimentar a bebida, uma opção é o Espraiado de Portas Abertas. O tradicional evento rural organizado pelos moradores com apoio da prefeitura acontece no domingo, dia 02/02. Nesse evento, os proprietários abrem seus estabelecimentos para visitantes aproveitarem o melhor da gastronomia e artesanato local e o bar do Djalma, na Estrada Duas Barras, é um desses locais.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Cachaça, rum, gim e uísque artesanais

A história de começo no ramo foi um pouco diferente com João de Sá. Ele atualmente é produtor de diversas bebidas através das técnicas do moonshine, que consiste em produzir os líquidos a partir das frutas em natura.

João passou por delicados momentos em sua saúde até que um amigo sugeriu que ele conhecesse a mixologia dos líquidos. Era uma área parecida, já que João já era familiarizado com a culinária, depois de ter trabalhado anos como chefe de cozinha. Ele resolveu se aprofundar e chegou enfim ao moonshine.

“Resolvi aprender a fazer, fiz um curso e comecei a entender mais profundamente o processo. Eu não queria produzir cachaça porque não tinha cana de açúcar, por isso o moonshine é tão importante. Depois que eu comprei um alambique que de fato comecei a minha produção. A cachaça não era a minha ideia, queria na verdade mexer com aromas, infusões e sabores, por isso busquei o álcool extraído das frutas, foi aí que eu entendi todo o processo”, contou.

A experimentação de novidades é que deu uma guinada no negócio de João. “Eu queria misturar tudo, e deu certo. O uísque de milho foi um dos carros chefes daqui. Hoje nós produzimos aguardente, gim, uísque, rum, etc. Fazemos os nossos drinks hoje com todas as bebidas que nós mesmos produzimos. A campeã de vendas é a banana, e com ela tem o limão siciliano e a menta com jamboo. A gente vai brincando com as coisas que a natureza fornece, criando sempre”, explicou. Para quem quiser conhecer mais sobre essa técnica, João acrescenta que ministra aulas de fermentações de vinhos e destilações.