Acidente entre ônibus e carreta deixa 11 mortos em Mato Grosso; veja o vídeo

Onze passageiros morreram em um acidente grave envolvendo um ônibus de viagem e uma carreta na BR-163, em Sorriso, no norte do estado, nesta terça-feira (17). A Polícia Rodoviária Federal (PRF) informou que há outras vítimas em estado grave.

De acordo com a PRF, o ônibus transportava 45 passageiros. O motorista do veículo ficou preso às ferragens, teve o braço amputado no momento da batida, mas foi encontrado com vida. Ele está em estado grave.

O motorista da carreta teve lesões leves.

O ônibus saiu de Cuiabá com destino a Sinop, a 503 km da capital, e faria a última parada antes da chegada. O acidente ocorreu entre Sinop e Sorriso. Já a carreta saía de Sinop para Rondonópolis.

O perito Leandro Valendorf disse que em uma das pistas tem uma marca de frenagem produzida pelo ônibus que indica que o coletivo invadiu a pista contrária. Ele explica que a alta velocidade não foi a causa do acidente.

Segundo o superintendente da PRF, as informações iniciais apontam que o motorista do ônibus teria dormido ao volante.

Até esta publicação, a pista estava totalmente interditada e as vítimas estavam sendo socorridas por equipes de resgate da concessionária Rota do Oeste e Corpo de Bombeiros. Um helicóptero do Centro Integrado de Operações Aéreas (CIOPAer) também foi encaminhado para o local para ajudar no resgate dos sobreviventes.

“Um acidente muito trágico, muito triste. Talvez um dos maiores que já registramos nesse trecho. Temos várias pessoas que já foram removidas e encaminhadas ao hospital”, disse o chefe da PRF de Sorriso, Leonardo Ramos.

O chefe da PRF disse que as causas do acidente ainda serão apuradas.

“Serve de alerta para todos os motoristas que passam por essa região. Esse é um trecho extremamente perigoso, um show de imprudências, de desrespeito à sinalização, de excesso de velocidade, e o resultado, infelizmente, é esse”, pontuou.

Crédito: Portal g1

Delegada diz que Paulo Cupertino ‘parecia feliz’ ao ser preso 3 anos depois de matar ator

A delegada Ivalda Aleixo, que participou da prisão de Paulo Cupertino, acusado de matar o ator Rafael Miguel, de 22 anos, e a família do rapaz, em 2019, disse nesta terça-feira a jornalistas que o comerciante parecia feliz ao ser capturado. Ele foi encontrado em um hotel, nesta segunda-feira, por policiais da 6ª Seccional à 98ª DP, no Jardim Miriam, na Zona Sul de São Paulo. A equipe seguiu informações anônimas sobre o paradeiro de Cupertino para localizá-lo.

“Ele estava empolgado. Primeiro que parece que ele estava feliz naquele monte de gente lá”, afirmou a delegada, que destacou ainda que Cupertino disse, informalmente, que irá provar sua inocência.

Além de Rafael, Cupertino também atirou em João Alcisio Miguel, 52, e Miriam Selma Miguel, 50, pais do ator, que morreram no local do crime. Paulo havia se hospedado no hotel onde foi preso há cerca de 10 dias e a delegada acredita que ele já estava na região há pelo menos 15. Ainda segundo ela, o homem disse que não saiu do país e recebeu ajuda de familiares.

Cupertino ficou foragido por quase três anos desde o dia do crime e era o procurado número um da polícia de São Paulo. De acordo com a denúncia do Ministério Público (MP), o homem cometeu os assassinatos por não aceitar o namoro da filha, Isabela Tibcherani, com o rapaz. Imagens das câmeras de segurança do prédio mostram o momento em que ele atira 13 vezes nas vítimas.

A mãe de Isabela, Vanessa Tibcherani de Camargo, diz que o marido sempre foi um homem violento e que os filhos eram constantemente agredidos por ele. A jovem também confirmou o comportamento violento do pai à polícia.

Segundo Vanessa, no dia do crime, ela atendeu a porta e Cupertino teria perguntado por Isabela, que não estava em casa. Mais tarde, a mãe do rapaz disse que estaria a caminho da casa de Isabela com o marido, Rafael e a jovem, para conversar sobre o namoro dos dois. Quando a família chegou na casa, o pai da menina atendeu à porta e pediu a todos que entrassem, logo depois, o comerciante sacou a arma e efetuou os disparos.

Crédito: Jornal O Dia

Temporal em Niterói assusta moradores; veja os vídeos

O temporal que atingiu o Rio de Janeiro e Niterói na tarde ontem, segunda-feira (16), assustou que estava na rua. Uma cortina de nuvens e chuva chegou a encobrir a Ponte Rio-Niterói, na altura da Ilha do Mocanguê. Pessoas que estavam no Terminal Rodoviário João Goulart, no Centro de Niterói, também se surpreenderam.

A ventania derrubou uma árvore e um poste perto do ponto de ônibus do Mocanguê, o que causou a interdição temporária da ponte. Isso causou um extenso engarrafamento na pista sentido Niterói, com reflexos na Avenida Francisco Bicalho, no Santo Cristo, na Zona Portuária do Rio.

Por conta da forte chuva, as Policlínicas Guilherme Taylor March, no Fonseca, e Carlos Antônio da Silva, em São Lourenço, não estão funcionando nesta terça-feira (17). As equipes da Secretaria de Saúde, Secretaria de Conservação e Serviços Públicos (Seconser) e Defesa Civil estão atuando nas unidades.

Com isso, todos os atendimentos, incluindo o de vacinação, estão suspensos temporariamente.

Na unidade de Saúde de São Lourenço, a paralisação do atendimento é necessária devido à quantidade de vidros quebrados pelos fortes ventos registrados na tarde de segunda-feira. Uma pequena parte do telhado, também foi afetado. Já no Fonseca, uma árvore caiu na área da policlínica.

O prefeito de Niterói, Axel Grael, disse que acompanhou as ações da Defesa Civil na segunda. “Estou acompanhando de perto as ações da Defesa Civil de Niterói que atua frente à chuva atípica que atinge nossa cidade. Além do vento forte, choveu granizo em alguns pontos do município, de acordo com a informação previamente enviada através de alerta pela Defesa Civil. A estação de meteorologia do Barreto registrou ventos fortes de até 63 km/h. Às 15h30 nossa cidade entrou em estágio de atenção. Até o momento temos 26 registros de queda de árvores, 3 de queda de muro e 6 destelhamentos”.

Ao todo, a Defesa Civil registrou 39 ocorrências na cidade até o fim da noite de segunda-feira. Não há registro de feridos até o momento.

Explosão em restaurante de Niterói deixa uma pessoa ferida; veja o vídeo

Um maçarico culinário causou a explosão de um restaurante na Rua Nóbrega, em Icaraí, bairro de Niterói, nesta segunda-feira (16). Uma parte do teto do restaurante despencou e a cozinha está destruída. Uma pessoa ficou ferida.

O restaurante, que estava iniciando o atendimento quando ocorreu o incêndio, funciona com o balcão de atendimento no primeiro andar e uma cozinha no segundo andar. Um maçarico teria iniciado o incêndio no segundo andar. Os bombeiros foram acionados por volta das 10h15 e teriam socorrido uma pessoa que ficou ferida. Segundo informações do dono do local, não houve vazamento de gás.

A pessoa que ficou ferida foi André Luiz, de 44 anos, que trabalha em uma barbearia na frente do restaurante em questão. Ele ouviu um pedido de socorro da funcionária de restaurante que percebeu que o maçarico estava pegando fogo.

“A gente percebeu o fogo e fomos correndo ajudar com um extintor. O André estava na minha frente e eu um pouco atrás. Quando atravessamos a rua e chegamos perto, uma explosão jogou ele para trás. Foi aí que ele caiu, se machucou e se ralou, mas teve apenas ferimentos leves. Ele não quebrou nenhum osso, nem nada”, contou Victor Dresjan, de 24 anos, que trabalha com André.

André foi socorrido pelos bombeiros e levado para um hospital particular de Niterói. Ele segue bem e deve receber alta hoje ou amanhã. Ninguém mais ficou ferido.

 

 

Crédito: Jornal O São Gonçalo

Corpo de perito da Polícia Civil morto por militares da Marinha é encontrado e retirado do Rio Guandu; veja o vídeo

O corpo de Renato Couto, o papiloscopista morto por militares da Marinha, foi localizado na manhã desta segunda-feira (16), três dias após o crime. Parentes o reconheceram ainda às margens do Rio Guandu e se emocionaram.

O Globocop sobrevoava a área das buscas quando avistou um corpo parcialmente submerso preso sob galhos. Bombeiros o recolheram e o levaram para o solo.

Um cabo, dois sargentos e o pai de um deles foram presos pelo crime.

Aos investigadores, os militares confessaram o crime e relataram ter jogado o corpo do papiloscopista no rio, na altura de Japeri, na Baixada Fluminense.

Para transportar o cadáver, os suspeitos usaram uma van da força militar

Discussão e morte

A polícia afirma que o papiloscopista, que servia ao Instituto de Identificação Félix Pacheco, foi morto após uma discussão em um ferro-velho na Zona Norte do Rio.

Renato era esperado para um plantão no Félix Pacheco neste sábado (14), mas não apareceu e familiares comunicaram o desaparecimento.

Equipes da Delegacia de Homicídios, da 18ª DP (Praça da Bandeira) e do Félix Pacheco rastrearam o celular de Renato e descobriram, então, que o perito teve uma briga com Lourival Ferreira de Lima, dono do ferro-velho na Mangueira.

Como foi o crime

O papiloscopista fazia uma obra na Praça da Bandeira e, segundo as investigações, foi vítima de uma sequência de furtos, todos registrados em delegacia. Na sexta de manhã, Renato acabou achando materiais dele no ferro-velho de Lourival e chegou a obter dele uma promessa de ressarcimento pela receptação das peças levadas.

Ao retornar ao ferro-velho, à tarde, Renato foi vítima de uma emboscada armada por Lourival, que chamou o filho, Bruno Santos de Lima, sargento da Marinha, e dois colegas de farda: o cabo Daris Fidelis Motta e o terceiro-sargento Manoel Vitor Silva Soares.

Os quatro tentaram colocar Renato à força numa van da Marinha. O perito resistiu e entrou em luta corporal, mas acabou baleado por Bruno. Disparos lhe acertaram a perna e a barriga.

Não se sabe se Renato ainda estava vivo quando o grupo o pôs na van nem na hora em que os criminosos o jogaram de uma ponte do Arco Metropolitano sobre o Rio Guandu.

O que diz a Marinha

A Marinha do Brasil (MB) informou que tomou conhecimento, na noite de sábado (14/05), sobre uma ocorrência, com vítima, envolvendo militares da ativa do Comando do 1º Distrito Naval, objeto de inquérito policial no âmbito da Justiça comum. “Os militares envolvidos foram presos em flagrante pela polícia e responderão pelos seus atos perante a Justiça”, disse.

“A MB lamenta o ocorrido, se solidariza com os familiares da vítima e reitera seu firme repúdio a condutas e atos ilegais que atentem contra a vida, a honra e os princípios militares.”

“A MB reforça, ainda, que não tolera tal comportamento, que está colaborando com os órgãos responsáveis pela investigação e informa que abriu um inquérito policial militar para apurar as circunstâncias da ocorrência”, emendou.
Crédito: Portal g1