Entenda como o fim do acordo de grãos da Rússia pode impactar o preço dos alimentos no mundo

às
7

Os preços do trigo e do milho nos mercados globais de commodities estão em alta nesta segunda-feira (17) depois que a Rússia desistiu do acordo que permitia a exportação de grãos da Ucrânia.

O colapso do pacto ameaça elevar os preços dos alimentos para os consumidores em todo o mundo, o que pode levar milhões à fome.

A Casa Branca disse que o acordo foi “crucial” para reduzir os preços dos alimentos em todo o mundo, que dispararam depois que a Rússia invadiu a Ucrânia em fevereiro do ano passado.

“A decisão da Rússia de suspender a participação na Iniciativa de Grãos do Mar Negro piorará a insegurança alimentar e prejudicará milhões de pessoas vulneráveis ​​em todo o mundo”, disse Adam Hodge, porta-voz do Conselho de Segurança Nacional dos EUA, em comunicado.

Os contratos futuros de trigo na Bolsa de Comércio de Chicago saltaram 2,7%, para US$ 6,80 o alqueire, e os contratos futuros de milho subiram 0,94%, para US$ 5,11 o alqueire, pois os comerciantes temiam uma iminente crise de oferta dos alimentos básicos.

No entanto, os preços do trigo ainda caíram 52% em relação à alta histórica de março de 2022, após a invasão em grande escala da Ucrânia pela Rússia, e os preços do milho estão 38% mais baixos do que em abril de 2022, quando atingiram o maior nível em 10 anos.

O acordo do Mar Negro – originalmente intermediado pela Turquia e pelas Nações Unidas há um ano – garantiu a passagem segura de navios que transportam grãos dos portos ucranianos. O acordo foi definido para expirar às 17:00 ET de segunda-feira (meia-noite, horário local em Istambul, Kiev e Moscou).

Até agora, o acordo permitiu a exportação de quase 33 milhões de toneladas métricas de alimentos pelos portos ucranianos, segundo dados da ONU .

O acordo foi renovado três vezes, mas a Rússia repetidamente ameaçou desistir, argumentando que foi prejudicada na exportação de seus próprios produtos.

No fim de semana, o presidente russo, Vladimir Putin, indicou que não renovaria o pacto, dizendo que seu objetivo principal – fornecer grãos aos países necessitados — “não foi realizado”.

Impacto de longo alcance

O colapso do acordo provavelmente terá repercussões muito além da região.

Antes da guerra, a Ucrânia era o quinto maior exportador de trigo do mundo, respondendo por 10% das exportações, de acordo com a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico.

A Ucrânia está entre os três maiores exportadores mundiais de cevada, milho e óleo de colza, diz a Gro Intelligence, uma empresa de dados agrícolas. É também, de longe, o maior exportador de óleo de girassol, respondendo por 46% das exportações mundiais, segundo as Nações Unidas.

No ano passado, os choques econômicos que incluíram os impactos da guerra na Ucrânia e da pandemia foram os principais motivos da “insegurança alimentar aguda” em 27 países, afetando quase 84 milhões de pessoas, segundo relatório da Food Security Information Network, um banco de dados plataforma de partilha financiada pela União Europeia e pelos Estados Unidos.

O FSIN define insegurança alimentar aguda como a falta de alimentos suficientes a ponto de colocar em risco a vida ou o sustento da pessoa.

O Comitê Internacional de Resgate (IRC) disse em novembro que o colapso do acordo “atingiria mais aqueles que estão à beira da fome”. O alerta veio depois que Moscou suspendeu sua participação no pacto por vários dias após ataques de drones em Sevastopol, uma cidade portuária na Crimeia controlada pela Rússia.

O secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, também disse na época que um rompimento do acordo transformaria uma “crise de acessibilidade [dos alimentos] em uma crise de disponibilidade” se os agricultores de todo o mundo não pudessem obter os fertilizantes necessários antes da temporada de plantio.

A Rússia é o maior fornecedor global de fertilizantes, segundo a Gro Intelligence. Como parte do acordo mais amplo, um acordo relacionado foi negociado para facilitar os embarques de fertilizantes e grãos russos.

Na semana passada, Shashwat Saraf, diretor regional de emergência para a África Oriental no IRC, pediu uma extensão de longo prazo do acordo para criar “previsibilidade e estabilidade” para a região, que perdeu grandes quantidades de colheitas por causa da seca e das inundações.

“Com aproximadamente 80% dos grãos da África Oriental sendo exportados da Rússia e da Ucrânia, mais de 50 milhões de pessoas na África Oriental estão passando fome e os preços dos alimentos dispararam quase 40% este ano”, disse Saraf, em um comunicado.

Crédito: cnnbrasil.com

Veja também

Light afirma que teve que fazer uma parada emergencial por causa de um defeito na rede subterrânea.
às

Deixe aqui sua opinião

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Últimas Notícias