Por causa de nova variante, Anvisa recomenda suspensão do desembarque de passageiros vindos de 6 países africanos

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) publicou nota técnica na última sexta-feira (27) recomendando que o governo brasileiro adote medidas de restrições para voos e viajantes vindos de parte da África, em decorrência da identificação de nova variante do SARS-CoV-2, identificada como B.1.1.529.

Os países identificados na nota técnica são, especificamente, África do Sul, Botsuana, Eswatini, Lesoto, Namíbia e Zimbábue.

A Anvisa informa, contudo, que a efetivação das medidas sugeridas depende de portaria interministerial editada conjuntamente pela Casa Civil, pelo Ministério da Saúde, pelo Ministério da Infraestrutura e pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública.

A variante B.1.1.529 preocupa, uma vez que já tem 50 mutações — algo nunca visto antes —, sendo mais de 30 na proteína “spike” (a “chave” que o vírus usa para entrar nas células e que é o alvo da maioria das vacinas contra a Covid-19).

O que se sabe sobre a B.1.1.529

O virologista Tulio de Oliveira, diretor do Centro para Resposta Epidêmica e Inovação na África do Sul, que anunciou a descoberta da nova variante na quinta-feira (25), afirmou na ocasião que a B.1.1.529 carrega uma “constelação incomum de mutações” e é “muito diferente” de outros tipos que já circularam.

“Esta variante nos surpreendeu, ela deu um grande salto na evolução [e traz] muitas mais mutações do que esperávamos”, afirma Oliveira, que é brasileiro. Mas ainda é cedo para dizer o quão transmissível ou perigosa é a variante — e seu efeito sobre as vacinas já desenvolvidas”, disse.

Crédito: g1.globo.com

Afegã que estampou capa da revista ‘National Geographic’ em 1984 chega a Itália para escapar do Talibã

A afegãSharbat Gulla, que ficou mundialmente famosa em 1984 após estampar a capa da revista “National Geographic” com seus olhos verdes, chegou à Itália após deixar o Afeganistão com a tomada do país pelo grupo extremista islâmico Talibã. A informação foi divulgada pelo governo italiano nesta quinta-feira (25).

O gabinete do primeiro-ministro Mario Draghi disse que a Itália organizou a retirada de Sharbat Gulla depois que ela mesma pediu ajuda para deixar o Afeganistão. Ainda de acordo com o comunicado, o governo italiano vai ajudá-la a se integrar ao novo país.

Gulla ganhou fama internacional em 1984 como uma garota refugiada afegã pelas lentes do fotógrafo de guerra Steve McCurry. O jornalista encontrou a mulher novamente em 2002.
“A fotografia de Gulla simboliza os contrastes dos conflitos e o capítulo da história que o Afeganistão e seu povo viveram naquele tempo”, disse o governo italiano em comunicado.

Em 2014, ela voltou a ganhar notoriedade enquanto vivia no Paquistão. Naquele ano, autoridades locais a acusaram de comprar uma identidade falsa para permanecer em solo paquistanês. Ela voltou, então, para o Afeganistão, e o então presidente a recebeu com honras e a entregou a chave de um apartamento anos depois de ela ter deixado o país para fugir da guerra.

Itália resgata afegãos que fogem do Talibã

A Itália é um dos vários países ocidentais que resgataram centenas de afegãos após o Talibã tomar o poder, em agosto, com a saída das forças dos Estados Unidos que estavam no Afeganistão por quase 20 anos.

De acordo com o governo italiano, a sociedade civil e ongs que atuam no Afeganistão apoiaram a retirada de Gulla do país dominado pelos extremistas.

Crédito: g1.globo.com

ALERJ institui a Procuradoria da Mulher

A Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro, publicou no Diário Oficial desta sexta-feira, 19, o Projeto de resolução que cria a Procuradoria da Mulher na casa legislativa. A iniciativa é da deputada estadual Zeidan, do Partido dos Trabalhadores.

A Procuradoria da Mulher na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro será um órgão de fiscalização e monitoramento de políticas públicas voltadas a combater a violência e a discriminação contra mulheres, que vai qualificar os debates de gênero no Parlamento Fluminense.

“O Senado, a Câmara Federal e 16 Assembleias Legislativas Estaduais já possuem Procuradorias da Mulher, como o Espírito Santo, Maranhão, Pará, Paraná e São Paulo. Em âmbito municipal, 170 Câmaras instalaram Procuradorias ou têm projetos em tramitação. Sendo aprovado aqui, as mulheres fluminenses contarão com este trabalho, que deverá ser desempenhado por uma deputada, escolhida pela bancada feminina da Casa”, explicou Zeidan.

Assinam ainda o Projeto de resolução n° 772/2021, as deputadas Martha Rocha, Tia Ju, enfermeira Rejane, Monica Francisco e Franciane Motta.

Expo Maricá aconteceu em Itaipuaçu e Ponta Negra

A Prefeitura de Maricá, por meio da Secretaria de Promoção e Projetos Especiais, realizou na última  quinta-feira (18/11) a abertura da 13ª edição da Expo Maricá, evento voltado para os setores comercial e empresarial da cidade. Pela primeira vez, as tendas para debates e estandes dos participantes foram montadas nos bairros de Ponta Negra e Itaipuaçu, onde foi realizada a solenidade oficial. Com participação da Companhia de Desenvolvimento de Maricá (Codemar), o evento é uma parceria com a Associação Comercial e a Câmara dos Dirigentes Lojistas da cidade.

Na mesa de abertura estavam os secretários municipais José Alexandre Almeida (Promoção e Projetos Especiais), Sady Bianchin (Cultura) e Sheila Pinto (Políticas Inclusivas), além do subsecretário de Desenvolvimento Econômico, Comércio, Indústria, Petróleo e Portos, Magnum Amado; e do presidente do Instituto de Ciência, Tecnologia e Inovação de Maricá (ICTIM), Celso Pansera. Ao lado deles, os presidentes da CDL, Paulo Santos, e da Associação Comercial de Maricá (ACM), Delfim Moreira, que falou do desafio do novo formato da Expo Maricá.

“Essa nova modalidade assusta um pouco, pois ficamos parados por quase dois anos sem poder discutir os projetos com o empresariado. Nosso foco será o conhecimento nesta edição e, a partir deste ano, este evento será sempre assim, estando presente nos bairros e não somente no Centro da cidade”, garantiu Delfim Moreira.

Programação foi diversificada no primeiro dia de evento

Na programação de abertura, houve painéis sobre pequenas empresas da cidade, atuação nas mídias sociais, projetos estratégicos para o futuro, a importância da qualificação e sobre recursos humanos, além de uma apresentação de artistas do Fórum Cultural de Maricá.

Para José Alexandre Almeida, a ideia de descentralizar o evento aproxima as demandas do setor empresarial, buscando as melhores soluções para cada uma delas.

“É importante que o empresário daqui de Itaipuaçu e de Ponta Negra prestigiem essa oportunidade que estamos oferecendo para dialogar. A alta temporada de verão se aproxima ainda neste momento de flexibilização e é preciso debater como será essa retomada. O que trazemos neste ano é, na verdade, uma preparação para 2022, quando teremos uma Expo Maricá maior e com toda a estrutura de antes”, projetou o secretário de Promoção e Projetos Especiais de Maricá.

Em Itaipuaçu, a Expo Maricá aconteceu na Rua Ismael Lucindo da Silva n° 878, no Barroco (anexo do curso de idiomas CNA), assim como em Ponta Negra, onde a estrutura foi montada na pousada Encontro das Águas (Rua Antônio Carlos Jobim n° 5). O núcleo principal está previsto para os dias 25, 26 e 27 no Shopping Boulevard Maricá, no Centro da cidade.

 

Foto: Evelen Gouvêa

Paquistão aprova lei para castrar quimicamente condenados por abuso sexual

O Parlamento do Paquistão aprovou uma lei na quarta-feira (17) que prevê que as pessoas condenadas mais de uma vez por abuso sexual podem ser condenadas a serem castradas quimicamente.

O texto determina que o governo paquistanês deve criar cortes especiais no país inteiro para acelerar os julgamentos de acusados de crimes sexuais e garantir que os casos sejam decididos em até quatro meses.

Os condenados por estupro em grupo podem enfrentar sentenças de pena perpétua ou execução.

“A castração química é um processo devidamente notificado por normas instituídas pelo primeiro-ministro, pelo qual a pessoa fica impossibilitada de praticar relações sexuais por qualquer período de sua vida, será determinado pelo tribunal e vai ocorrer por meio da administração de drogas, que será realizada por meio de um quadro de profissionais médicos”, diz o texto.

Durante a sessão, o senador Mushtaq Ahmed rejeitou o projeto de lei, que seria “anti-islâmico e contra a Sharia” (código de leis do Islã). Ele propôs enforcar publicamente os estupradores, em vez de castrá-los quimicamente.

Crédito: g1.globo.com