Polícia Civil prende homem que matou amiga para não pagar dívida

às
FOTO PARA SITE MODELO (9)

Policiais civis da 28ª DP (Praça Seca) prenderam, nesta segunda-feira (25/09), um homem acusado de matar a amiga para não pagar uma dívida.

Segundo os agentes, a filha da vítima compareceu à delegacia e noticiou o desaparecimento de Fabíola da Silva Gomes, no domingo (24/09). De acordo com ela, a mãe saiu de casa para ir a uma oficina junto com um amigo e sumiu. Ela decidiu comunicar o fato após incessantes tentativas de contato telefônico e das justificativas vazias do acusado sobre o paradeiro da vítima.

Os policiais iniciaram diversas diligências e localizaram o carro utilizado pelo autor próximo ao trabalho dele, em Vargem Grande, na Zona Oeste do Rio de Janeiro. Lá, a equipe foi informada de que o criminoso havia estado no local mais cedo, pegando o seu pagamento de forma adiantada.

Em um trabalho de integração, os policiais receberam a informação de que um corpo com as características de Fabíola havia sido encontrado em Nova Iguaçu pelos agentes da Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF). A filha da vítima reconheceu o cadáver. Na sequência, as equipes monitoraram o veículo do acusado até o momento em que ele retornou para buscá-lo, ocasião em que foi capturado.

As investigações apontaram que o automóvel foi adquirido em nome da vítima e o autor deveria pagar mensalmente as prestações. No entanto, ele não realizou o pagamento, o que motivou divergências entre eles e culminou com a morte de Fabíola.

Contra o detido foi cumprido um mandado de prisão temporária. A investigação continua para esclarecer todas as circunstâncias da morte e a eventual participação de outras pessoas.

 

Veja também

Crime ocorreu enquanto a vítima viajava junto com o marido dela pelo continente asiático, segundo a embaixada do Brasil em Nova Déli.
às

Deixe aqui sua opinião

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Últimas Notícias