Roubos na Niterói-Manilha aumentam 13%

às

Um tiroteio durante arrastão na altura do KM 309 da BR-101, no bairro Porto do Rosa, em São Gonçalo, assustou motoristas na noite de ontem, por volta das 22h.  A ação dos bandidos teve rápida resposta da Polícia Rodoviária Federal e da Polícia Militar, que trocaram tiros com os criminosos que roubavam veículos na região. Muitos motoristas ao perceberem o confronto, tentaram voltar pela contramão no sentido Niterói e também no sentido Itaboraí da rodovia.

Dados da Polícia Rodoviária Federal (PRF) mostram que houve um aumento de 13% nos roubos de veículos na Niterói-Manilha, na comparação entre 2017 e 2018.  Em 2017, a polícia registrou 891 casos de roubo de veículos na BR-101 Norte. Já no ano passado, até novembro, esse índice já ultrapassava mil casos. Para tentar coibir a ação dos criminosos, os batalhões de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí farão ações integradas nos acessos à BR-101, RJ-104 e RJ-106, além de receberem reforço do Batalhão de Choque no patrulhamento.

A PRF identificou que os pontos mais críticos da rodovia ficam entre o Km 289, em Itaboraí, e o Km 309, no Portão do Rosa, em São Gonçalo. Porém, o maior foco de ações da polícia se concentra no Km 300, próximo ao pedágio e às comunidades do Bom Retiro e Apolo. Outro trecho que preocupa os motoristas é onde acontece uma obra de recuperação, na Avenida do Contorno, que gera congestionamento nos horários de rush, deixando os condutores mais expostos. Para diminuir a incidência de roubos nessa região, a Polícia Rodoviária Federal precisou reforçar o patrulhamento nas áreas próximas.

Fonte: O Fluminense

Veja também

Rio Bonito sedia a emocionante Taça Brasil de Ciclismo, que acontece entre os dias 14 e 16 de junho de 2024
às
A Prefeitura de Maricá segue com inscrições abertas para o Programa Corujinhas, que recebe alunos de 1 a 10 anos
às

Deixe aqui sua opinião

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Últimas Notícias