Sabine Boghici, suspeita de aplicar golpe milionário na mãe, morre ao cair de prédio na Zona Sul

às
FOTO PARA SITE MODELO (5)

Sabine Coll Boghici, 49 anos, a mulher que foi presa por aplicar um golpe milionário contra a própria mãe de 82 anos, morreu após cair do 5º andar de um prédio na Lagoa, na Zona Sul do Rio, na tarde desta quinta-feira (14).

De acordo com o Corpo de Bombeiros, o caso ocorreu na Avenida Borges de Medeiros, ao lado do Vasco da Gama. A vítima, que já foi encontrada no chão, foi socorrida e encaminhada para o Hospital Miguel Couto e em estado gravíssimo, mas não resistiu. Segundo a Secretaria Municipal de Saúde, o corpo será encaminhado ao IML.

Sabine foi presa junto com a namorada Rosa Stanesco Nicolau em agosto de 2022, e estava em liberdade provisória desde março deste ano. Apesar disso, ela estava proibida de ter contato com a mãe e com testemunhas, por qualquer meio, inclusive via redes sociais, aplicativos ou telefone. Ela ainda devia manter uma distância mínima de 500 metros da vítima.

Relembre o golpe

Sabine Boghici e Rosa Stanesco foram presas na Operação Sol Poente, da Polícia Civil, articulada para prender integrantes de uma quadrilha que se apresentaram como videntes e roubaram de uma idosa, mãe de Sabine e viúva de um marchand, cerca de R$ 725 milhões entre obras de artes, joias e dinheiro. No total, seis mandados de prisão e 16 de busca e apreensão em endereços localizados nas zonas Sul e Norte do Rio foram expedidos. Na ocasião, a polícia também prendeu Jacqueline Stanesco Gouveia e Gabriel Nicolau, filho de Rosa.
Jacqueline e Rosa se passaram por falsas videntes e ofereceram à idosa de 82 anos, viúva do marchand e colecionador de obras de arte Jean Boghici, morto em 2015, tratamento espiritual para uma de suas filhas não morrer em troca de pagamentos altos. Ao desconfiar que a ação era um golpe, a idosa não quis mais realizar as transferências de dinheiro e passou a ser mantida em cárcere privado pela própria filha, em seu apartamento na Zona Sul do Rio, entre fevereiro de 2020 e abril de 2021. A idosa descobriu, então, que todo o golpe havia sido tramado por Sabine, que também passou a vender os quadros para uma galeria em São Paulo.

Durante o cárcere, a viúva era agredida e privada de comida. Ela ainda sofreu ameaças, com uma faca colocada em seu pescoço, para realizar transferência de dinheiro.

Entre as obras levadas pela filha para a venda na galeria de São Paulo estavam ‘O Sono’, de Tarsila do Amaral; ‘O menino’, de Alberto Guignard; ‘Mascaradas’, de Di Cavalcanti; ‘Maquete para o meu espelho’; de Antônio Dias; e ‘Elevador Social’; de Rubens Gerchman. Dois quadros chegaram a ser vendidos para o Museu de Arte Latino-Americana de Buenos Aires, na Argentina.

A investigação realizada pela Deapti (Delegacia Especial de Atendimento à Pessoa da Terceira Idade) intimou o responsável pela galeria em São Paulo a devolver os quadros que não haviam sido vendidos, o que fez a idosa reaver cerca de 40% do valor desviado.
À época, a Deapti também identificou Diana Rosa Aparecida Stanesco Vuletic, Ronaldo Ianov e Slavko Vuletic como integrantes da organização criminosa.

Crédito: odia.ig.com

Veja também

Light afirma que teve que fazer uma parada emergencial por causa de um defeito na rede subterrânea.
às

Deixe aqui sua opinião

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Últimas Notícias