Fiocruz libera neste sábado distribuição de vacina aos estados

As 2 milhões de doses da vacina Oxford-AstraZeneca, desenvolvida em parceria com a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), começarão a seguir para os estados na tarde deste sábado (23). Depois de chegar em voo da Emirates no Aeroporto de Guarulhos, às 17h20 dessa sexta-feira (22), a carga foi transportada em um avião da Azul até a Base Aérea do Galeão, onde chegou às 22h.

O avião foi recebido na pista por um batismo simbólico, com jatos de água lançados em forma de arco pelos bombeiros do Aeroporto Rio-Galeão.

As vacinas prontas foram fabricadas pelo Instituto Serum, na Índia, e eram aguardadas desde sábado (16), mas tiverem atraso no envio por questões internas da Índia.

Rio de Janeiro – Chegada das vacinas da AstraZeneca/Oxford contra Covid-19 produzidas pelo Instituto Serum, na Índia, à base aérea do Galeão para serem encaminhadas à Fiocruz. (Fernando Frazão/Agência Brasil)

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, recebeu o lote em solo brasileiro, ao lado dos ministros das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, e das Comunicações, Fábio Faria. Também estavam presentes o embaixador da Índia, Suresh Reddy, e a presidente da Fiocruz, Nisia Trindade. Esta última se juntou ao grupo no Rio de Janeiro.

“A encomenda tecnológica prevê 100 milhões de doses para o primeiro semestre. Essas 2 milhões de doses são apenas o início. É o começo do processo. O objetivo do Ministério da Saúde é a vacinação em massa do povo brasileiro. E isso vai nos colocar, rapidamente, no topo da lista do número de vacinados. Com 8 milhões de doses, nós passaremos a ser o segundo país do ocidente que mais vacinou”, disse Pazuello, em pronunciamento à imprensa na Base Aérea.

O ministro Ernesto Araújo ressaltou a cooperação e a relação diplomática com a Índia. “Isto aqui é o começo de uma parceria tanto na área farmacêutica quanto em muitas outras áreas com a Índia. País pelo qual temos uma admiração imensa, uma amizade imensa, que agora se consolida ainda mais”, disse Araújo.

Rio de Janeiro – Os ministros da Saúde, Eduardo Pazuello, das Relações Exteriores, Ernesto Araujo, o embaixador da Índia no Brasil, Suresh Reddy, e a presidente da Fiocruz, Nísia Trindade, acompanham a chegada das vacinas da AstraZeneca/Oxford na base aérea do Galeão. (Fernando Frazão/Agência Brasil)

O embaixador indiano classificou o momento como um dia histórico entre os dois países. “Este dia traz sorrisos e otimismo a muitas pessoas. O Brasil é o primeiro país a receber esta carga e nós estamos muito orgulhosos de fazer parte deste processo. A Índia assegurará vacinas para todos os países e todos os povos”, disse Suresh Reddy.

Para a presidente da Fiocruz, a chegada da vacina é uma vitória da ciência. “Neste momento de perdas, ter a vacina é uma esperança que vem da ciência, que vem do Sistema Único de Saúde. É uma vacina com 70% de eficácia e que poderá ser administrada no intervalo de 12 semanas. Isto será muito importante para o nosso sistema de saúde”, ressaltou Nísia Trindade.

Fiocruz

Da Base Aérea, as vacinas seguiram em caminhões refrigerados para o Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos (Bio-Manguinhos/Fiocruz), para checagem de qualidade e segurança, além de rotulagem, com etiquetagem das caixas com informações em português.

Esse processo será feito ao longo da madrugada e da manhã de sábado e será realizado por equipes treinadas em boas práticas de produção. A previsão é de que as vacinas estejam prontas para distribuição para todos os estados brasileiros no período da tarde.

Toda a logística de distribuição ficará sob a responsabilidade do Ministério da Saúde, por meio do Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a Covid-19.

Bolsonaro

Pelo Twitter, o presidente Jair Bolsonaro comentou sobre a chegada das 2 milhões de doses da vacina AstraZeneca/Oxford ao Brasil. Ele disse que foram “negociadas pelo Ministério da Saúde e [a vacina já foi] adquirida também por um grande número de países”.

 

 

Fonte: agenciabrasil.ebc.com.br

Avião com a vacina contra a covid-19 chega no Aeroporto Santos Dumont em Rio de Janeiro

Após quatro horas de atraso, o voo com a vacina contra a Covid-19 chegou às 17h no Aeroporto Santos Dumont, no Rio de Janeiro. Uma aeronave comercial trouxe parte do primeiro lote, e o governo confirmou que a imunização começa ainda nesta segunda-feira (18). O lote será encaminhado para o Centro de Distribuição de Niterói, mas ainda não tem previsão de chegada.

Outros dois voos estão previstos, segundo a companhia aérea Azul para trazer os outros lotes. O primeiro voo sai de Guarulhos às 18h15 e pousa no Galeão às 19h30. O segundo sai de Guarulhos às 3h40 e pousa no Galeão às 4h45 de terça (19).

O Ministério da Saúde reservou 487.520 doses ao RJ.

Duas mulheres serão as primeiras a receber a vacina no estado

Uma idosa que vive em um abrigo e uma profissional da saúde serão as primeiras vacinadas na campanha contra a Covid-19 na cidade do Rio de Janeiro.

Terezinha da Conceição, de 80 anos, e Dulcinea da Silva Lopes, 59 anos, vão receber a dose da Coronavac em um ato simbólico no Cristo Redentor, marcando o começo da distribuição das vacinas.

Terezinha foi acolhida pela prefeitura em 2015. Ela estava em situação de vulnerabilidade e risco social, pois sua casa foi demolida pela Defesa Civil. A residência, no Bairro Santo Cristo, na Zona Portuária, não tinha saneamento básico e estava próxima à ribanceira.

Já Dulcinea trabalha na linha de frente do combate à Covid-19 há 8 meses. Ela é técnica de enfermagem do Hospital Municipal Ronaldo Gazolla, unidade de referência da Prefeitura do Rio no tratamento da doença. Ela também trabalhou por 8 anos como agente comunitária de saúde.

 

Fonte: atribunarj.com.br

Avião parte hoje para buscar 2 milhões de doses de vacina da Oxford

Um avião da companhia aérea Azul vai decolar hoje (14) para a Índia, de onde retornará ao Brasil com dois milhões de doses da vacina contra a covid-19, informou o Ministério da Saúde. 

A aeronave sairá do Aeroporto de Viracopos, em Campinas (SP), às 13h, com destino a Recife. Após a escala, partirá direto para a cidade indiana de Mumbai. As vacinas estão previstas para chegar ao Brasil no próximo sábado (16). O avião pousará no Aeroporto do Galeão, no Rio de Janeiro.

Ao chegar, as vacinas aguardarão o aval da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), que se reunirá no domingo (17) para analisar o pedido de uso emergencial, apresentado pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), parceira da AstraZeneca e da Universidade de Oxford no Brasil.

Segundo o Ministério da Saúde, a vacina será distribuída aos estados em até cinco dias após o sinal verde da Anvisa, para, assim, dar início à imunização em todo o país, de forma simultânea e gratuita.

O ministério disse ainda que, além do apoio da Azul, contará com a Associação Brasileira de Empresas Aéreas por meio das companhias Gol, Latam e Voepass para a logística de transporte gratuito da vacina para covid-19.

A segurança no transporte das doses pelo Brasil será feita pelas Forças Armadas, em ação conjunta com o Ministério da Defesa.

“O sucesso da operação de importação demonstra o excelente momento das relações Brasil-Índia e a solidez da Parceria Estratégica bilateral. Os dois países têm mantido, recentemente, frequentes contatos em alto nível, pautados por espírito de solidariedade e cooperação no enfrentamento da pandemia de covid-19”, diz nota conjunta assinada pelos ministérios da Defesa e das Relações Exteriores.

Aeronave

O avião que partirá hoje para a Índia é um Airbus A330neo, maior aeronave da frota da companhia e estará equipado com contêineres específicos para garantir o controle de temperatura das doses de acordo com as recomendações do fabricante.

Ontem (13), a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) autorizou as empresas aéreas a transportarem vacinas refrigeradas com gelo seco na cabine de passageiros. O transporte só ocorrerá, entretanto, se não houver passageiros durante o voo.

A medida alterou outra resolução da Anac, de dezembro do ano passado, que aprovou diretrizes para permitir, em caráter excepcional, o transporte de carga nos compartimentos de passageiros devido à pandemia do novo coronavírus (covid-19).

 

Fonte: agenciabrasil.ebc.com.br

Boeing desaparece do radar logo após decolar na Indonésia

Um Boeing 737-500 com cerca de 50 passageiros que fazia um voo interno entre as cidades de Jacarta e Pontianak, na Indonésia, perdeu contato com o tráfego aéreo. A informação foi divulgada por autoridades locais.

A aeronave, da companhia aérea indonésia Sriwijawa Air, fundada em 2003, decolou de Jacarta na manhã deste sábado (9), mas desapareceu dos radares cerca de quatro minutos após deixar a capital do país.

O Flightradar24, site que disponibiliza a localização de aviões do mundo todo em tempo real, divulgou em redes sociais que o voo SJ182 “perdeu mais de dez mil pés de altitude em menos de um minuto, cerca de quatro minutos depois de partir de Jacarta.”

Um membro do Governo indonésio declarou mais cedo que pescadores encontraram o que aparentam ser destroços de uma aeronave nas águas a norte de Jacarta. A situação está sendo investigada.

A aeronave tem 27 anos, segundo dados informados pelo Flightradar24.

 

Fonte: agenciabrasil.ebc.com.br

Ambientalista deixa celular cai de avião e o aparelho filma sua trajetória até o chão

Imagine estar em um carro em movimento e, de repente, o seu celular sair voando pela janela. Agora, imagine se isso acontecesse durante um sobrevoo de avião.

O ambientalista e documentarista Ernesto Galiotto viveu essa experiência na última sexta-feira (11) e ainda conseguiu recuperar o celular na manhã seguinte, quase intacto, com a ajuda de um amigo. Ele descreveu a sensação como um “Deus nos acuda” (veja o momento da queda no vídeo acima).

O trajeto da queda livre, que durou cerca de 15 segundos, foi registrado em vídeo pelo próprio celular, que tocou o solo gravando (confira o vídeo abaixo).

O caso aconteceu durante um sobrevoo na Praia do Peró, em Cabo Frio, na Região dos Lagos do Rio de Janeiro.

300 metros de altura

“É uma coisa que se você contar pra alguém, a pessoa não acredita. Foi um Deus nos acuda! No momento, eu falei até um palavrão, mas depois eu pensei e disse: ‘eu vou recuperar esse celular'”, contou o ambientalista que faz sobrevoos na região há 26 anos.

Ernesto sobrevoava a Praia do Peró a cerca de 300 metros de altura. O objetivo do voo era comemorar a renovação do Selo Internacional Bandeira Azul, símbolo internacional que reconhece a qualidade ambiental da praia. Na sexta-feira, seria realizado o hasteamento da bandeira, mas o evento foi cancelado para evitar aglomerações e substituído por uma cerimônia restrita às autoridades.

Uma câmera da cabine do avião monomotor registrou o momento em que Ernesto pega o celular para filmar o local e brincar com os amigos do projeto Bandeira Azul sobre a bandeira ainda não estar hasteada. Enquanto gravava, ele segura o celular apenas com uma mão.

O vídeo mostra que Ernesto fala “nós estamos aqui procurando a Bandeira Azul” e, nesse momento, o aparelho cai de sua mão. Também é possível ver a reação do piloto, que disse: ‘Mais um… Acontece.”

Apesar do susto, o ambientalista conseguiu recuperar o celular na manhã seguinte, no sábado (12). O aparelho estava funcionando e tinha apenas um trincado na película de proteção da tela.

Rastreamento por GPS

“Em 15 segundos ele [o aparelho] bateu no solo. Estava a uns 200 metros da água e a poucos metros tinha um casal na praia. Ele caiu 11h10 de sexta-feira. Caiu com a tela pra baixo e ficou filmando por uma hora e meia. Eu acho que o sol que recarregou ele porque, quando chegamos pra recuperar, ele ainda tinha 16% de carga no sábado por volta de 8h50”, contou.

“Eu tinha fé que ia recuperar ele. Pensei: ‘se ele não caiu na água, a gente vai achar’. Por poucos metros podia ter atingido uma pessoa e com aquela altura que eu tava voando, de mil e poucos pés, ia ser uma tragédia, imagina? Mas não teve a tragédia, teve muitas emoções, é como diz o Roberto Carlos”, afirmou Ernesto.

celular foi localizado em uma área de restinga das Dunas do Peró, por uma função de rastreamento por GPS com a ajuda de Victor de Oliveira Tostes, que é técnico de informática e amigo do ambientalista.

Ernesto também gravou um vídeo no momento em que encontrou o celular.

“Ô, turma. Se vocês acreditam ou não, o celular que voou do meu avião se encontra aqui no meio da natureza. Aliás, nós somos aqueles que ajudam a defender a natureza. E a natureza o protegeu. Agora vou buscar ele”, disse Ernesto no vídeo.

Bom humor e desfecho feliz

Em outro vídeo, ele mostra o celular e brinca com o desfecho da história.

“Primeiro, achei que tivesse caído na água. Achava até que os peixes aqui do Peró já tivessem fazendo alguma coisa, mas não. Está aqui o celular, localizamos com o apoio de Victor, como sempre. Tá safo. Uma conta a menos pra Bandeira Azul pagar, vou aliviar dessa!”, registrou Ernesto ao lado do amigo.

Sobre o certificado da Bandeira Azul, Ernesto reforçou a importância da conquista do símbolo para toda a região.

“Foi algo que a gente lutou junto pra poder conquistar isso. Uma coisa que nasceu do nada, um trabalho de muita gente. Com isso, todo mundo ganhou. A Praia do Peró, Cabo Frio, os municípios do entorno também são beneficiados. No Brasil, são apenas 8 bandeiras e nós temos uma em Cabo Frio”, ressaltou o ambientalista.

Fonte: g1.globo.com