Lutador de MMA morre após estreia em evento de boxe sem luvas nos EUA

A estreia do peso-pesado Justin Thornton no evento de boxe sem luvas “Bare Knuckle Fighting Championship” terminou em tragédia. O lutador, de 38 anos de idade, foi nocauteado em apenas 19s de luta no primeiro round por Dillon Cleckler na edição de número 20 do torneio, em agosto, e, após ser hospitalizado, veio a falecer. Veterano em torneios de MMA no circuito nacional americano, Thornton estava hospitalizado desde a sua derrota, também por conta de uma infecção decorrente de uma lesão na medula espinhal.

Relatórios médicos do hospital apontam que Thornton estava com o corpo parcialmente paralisado após a luta, o que leva a crer que ele tenha sofrido um derrame cerebral. O atleta ficou caído por sete minutos no ringue antes de ser removido para o hospital. Logo após o encerramento da luta, foi possível ouvir o árbitro dizer ao seu oponente, que Justin Thornton estava “muito machucado”.

Com um cartel de seis vitórias e 18 derrotas na carreira, o lutador foi derrotado em suas cinco lutas anteriores por nocaute ou finalização no primeiro round, e já havia enfrentado pesos-pesados que hoje fazem parte do UFC, como Walt Harris e Chase Sherman.

O presidente do BKFC, Dave Feldman, expressou seu pesar ao anunciar a morte do lutador:

– Viemos a público externar a nossa tristeza pela morte de um dos nossos lutadores, Justin Thornton, que lutou no BKFC 20, no dia 20 de agosto de 2021. Nos juntamos à toda a comunidade das lutas no envio de condolências à sua família e aos seus amigos.

Crédito: ge.globo.com

Boxeador Abner Teixeira recebe a medalha de bronze após 3 dias de espera

Mais uma medalha para o quadro do Brasil. Abner Teixeira recebeu na madrugada de hoje, sexta-feira (6), a medalha de bronze que conquistou na categoria peso-pesado do boxe (até 91 kg) nos Jogos Olímpicos de Tóquio. O brasileiro garantiu o bronze na última terça-feira (3), após perder a semifinal para o cubano Julio Cesar La Cruz, mas teve que aguardar três dias para finalmente conseguir colocar no peito sua premiação, pois precisou esperar a luta seguinte. Na final de hoje, o cubano derrotou Muslim Gadzhimagomedov, da Rússia, que ficou com a prata. David Nyika, da Nova Zelândia, também conquistou o bronze.

“Finalmente com a medalha no peito. Três dias que pareceram três meses. Agora eu senti o peso dela, é pesada. A sensação é de dever cumprido. Estou muito feliz e dedico essa medalha para minha mãe Izaudite, não tem outra pessoa”, afirmou o pugilista após receber a medalha.

O Brasil terá duas chances de conquistar o ouro no boxe. Amanhã, sábado (7), às 02h45 (horário de Brasília), Hebert Conceição enfrenta o ucraniano Oleksandr Khyzhniak, na final da categoria até 75 kg. No domingo (8), às 2h (horário de Brasília), Beatriz Ferreira encara a irlandesa Kellie Harrington na decisão da categoria até 60 kg.

 

 

 

Boxeador Abner Teixeira se classifica e garante pelo menos o bronze para o Brasil em Tóquio

Mais uma medalha está garantida para o Brasil nas Olimpíadas de Tóquio, dessa vez no box. Hoje, sexta-feira (30), Abner Teixeira venceu Hussein Iashaish, da Jordânia, e se classificou para as semifinais na categoria pesada, entre 81 e 91kgs por decisão dividida. Com o resultado, ele já tem ao menos o bronze olímpico nas mãos. Dos cinco árbitros da luta, quatro deram a vitória ao brasileiro.

O brasileiro luta de novo na próxima terça contra o cubano Julio La Cruz. E se vencer, avança à final. Se perder, fica com o bronze em Tóquio.

Abner é bicampeão brasileiro juvenil e de elite. Hoje, é uma das referências no boxe nacional na categoria acima de 91kg. Nos Jogos Pan-Americanos de Lima, no Peru, em 2019, Abner conquistou a medalha de bronze.

 

 

Fonte: Globo Esporte