Turisangra promove Angra em cidades brasileiras

A Fundação de Turismo de Angra dos Reis (Turisangra) está participando do projeto “O Rio de Janeiro continua lindo. E perto”, da Secretaria de Estado de Turismo (Setur), representando o município de Angra e todo o seu potencial turístico. As ações acontecem em oito cidades brasileiras durante os meses de outubro e novembro, visando promover o estado do Rio de Janeiro como destino turistico no Brasil.

As atividades são voltadas para a divulgação junto à imprensa, ao público final e ao próprio trade, já que o projeto visa ao fomento da realização de negócios entre os empresários do setor de turismo. As ações incluem negócios B2B (empresas para empresas) e B2C (empresas para consumidores).

A programação está estruturada em quatro pilares: exposição em shoppings visando à divulgação dos destinos do estado; encontros comerciais com o objetivo de promover o networking; show para a promoção da cultura e identidade do estado do RJ; e ações de mídia.

– Eventos como esse são fundamentais para o fortalecimento do estado do Rio. E nossa participação é importante para o fomento do turismo em Angra. O setor movimenta muito a economia do município – destaca o presidente da Turisangra.

Em outubro, o projeto da Setur passa pelo Rio de Janeiro, Ribeirão Preto, Belo Horizonte e Campinas; em novembro, Brasília, Gramado, São Paulo e Goiânia. A Turisangra está presente no Rio e vai participar em Belo Horizonte, Brasília e Goiânia. O Angra dos Reis Convention & Visitors Bureau também está representando o município no projeto. “O Rio de Janeiro continua lindo. E perto” fica por 10 dias em cada cidade.

Detran.RJ leva perícia médica itinerante a cidades do interior

Em outubro, o Detran.RJ vai oferecer as perícias itinerantes nos municípios de Macaé e Bom Jardim. O serviço nas cidades do interior facilita muito a vida do cidadão fluminense, evitando que as pessoas com deficiência física e candidatos reprovados nos exames de aptidão física e mental tenham de se deslocar a outros municípios para fazer a perícia – este é um exame necessário para a obtenção da carteira de habilitação.

No dia 19 de outubro, o atendimento será em Macaé, e no dia 26 de outubro, em Bom Jardim. Para realizar o atendimento, será necessário agendamento prévio nas unidades de habilitação de cada município. Em breve, novos locais serão divulgados.

“Além de reforçar nosso serviço na capital, estamos aumentando nossos atendimentos no interior. Esta é mais uma praticidade para que o cidadão evite se deslocar aos municípios vizinhos e tenha um atendimento de qualidade na sua região”, explica o presidente do Detran.RJ, Adolfo Konder.

Confira o calendário:
19/10 – Macaé;
26/10 – Bom Jardim.

 

ANP divulga arrecadação de petróleo nas principais cidades Leste Fluminense

A Agência Nacional do Petróleo (ANP) divulgou a previsão de arrecadação que o país deverá ter até 2023 em receitas de royalties de petróleo. Promissor, o pré-sal vem sendo explorado e poderá render valores na casa dos bilhões de reais para um município do Leste Fluminense.

A ANP prevê que o país deva receber, ainda em 2019, até R$ 26,6 bilhões. A arrecadação aumentará nos próximos anos. Até 2023, a União receberá mais de R$ 130 bilhões em royalties.

Outra arrecadação que passa da casa dos bilhões é a do estado do Rio de Janeiro. Até o final desse ano, deve entrar nos caixas Fluminenses R$ 5,2 bilhões. Ano que vem, o estado vai receber R$ 6,3 bilhões. A partir daí, a cada ano, a arrecadação aumentará em R$600 milhões até 2022 (2021 – R$ 6,9 bi; 2022 – R$ 7,5 bi), e chegará à casa dos R$ 7,9 bi em 2023.

Maricá, a partir de 2022, também terá a bagatela de R$ 1 bilhão pra chamar de sua. Até lá, as cifras são na casa dos milhões. Até o fim desse ano, a cidade deve receber, ao todo, R$ 715.061.400,00 (setecentos e quinze milhões, sessenta e um mil e quatrocentos reais). Para 2020, a previsão é de pouco mais de R$ 917 milhões. Em 2021, entrarão nos caixas maricaenses R$ 931.801.000,00 (novecentos e trinta e um mil, oitocentos e um reais).

No ano seguinte, a cidade entra no “clube dos bilionários” e terá, a sua disposição, R$ 1.030.637.400,00 (um bilhão, trinta milhões, seiscentos e trinta e sete mil e quatrocentos reais). As cifras aumentam para 2023, quando Maricá receberá R$ 1.128.837.800,00 (um bilhão, cento e vinte e oito milhões, oitocentos e trinta e sete mil e oitocentos reais).

Outra observação interessante é a de que Niterói perderá o posto de “princesa dos Royalties” a partir de 2022. Entretanto, a arrecadação continuará acima dos R$ 500 milhões. Até o fim de 2019, a cidade receberá pouco mais de R$ 530 milhões. A maior arrecadação em um ano nos próximos cinco anos será em 2020: a cidade receberá R$ 588.227.000,00 (quinhentos e oitenta e oito milhões e duzentos e vinte e sete mil reais). A partir daí, percebe-se uma leve queda: em 2021, serão R$ 559.445.200,00 (quinhentos e cinquenta e nove milhões, quatrocentos e quarenta e cinco mil e duzentos reais); em 2022, R$ 550.664.600,00 (quinhentos e cinquenta milhões, seiscentos e sessenta e quatro mil e seiscentos reais); em 2023, R$ 531.166.700,00 (quinhentos e trinta e um milhões, cento e sessenta e seis mil e setecentos reais).

Quem deve assumir o posto de Niterói é a Capital Nacional do Surf, Saquarema. A previsão de recebimento de royalties cresce a cada ano que passa. Em 2019, a previsão é pouco maior que R$ 300 milhões. Em 2020, a ANP prevê que a cidade receba R$ 490.525.400,00 (quatrocentos e noventa milhões, quinhentos e vinte e cinco mil e quatrocentos reais). No ano seguinte, 2021, a arrecadação será de R$ 544.298.800,00 (quinhentos e quarenta e quatro milhões, duzentos e noventa e oito mil e oitocentos reais).

Em 2022, Saquarema receberá R$ 640.665.200,00 (seiscentos e quarenta milhões, seiscentos e sessenta e cinco mil e duzentos reais). Para 2023, deve entrar nos caixas saquaremenses R$ 678.683.600,00 (seiscentos e setenta e oito milhões, seiscentos e oitenta e três mil e seiscentos reais).

Cidades não litorâneas, Itaboraí e São Gonçalo também possuem previsões de recebimento de royalties, entretanto, as cifras chegam a, no máximo, pouco mais de R$ 35 milhões. Ao todo, nos cinco anos (2019 a 2023), cada cidade deve receber R$ 153.228.400,00 (cento e cinquenta e três milhões, duzentos e vinte e oito mil e quatrocentos reais).

Todos os valores acimas estão sujeitos a alteração.