Rodrigo Neves terá Felipe Santa Cruz como vice na disputa ao governo do RJ; Eduardo Paes anuncia apoio a chapa

O prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes (PSD) retirou a pré-candidatura de Felipe Santa Cruz, ex-presidente da OAB do Rio, e irá apoiar Rodrigo Neves (PDT) ao governo do estado, nessas eleições. O anúncio pegou aliados de Paes de surpresa. Dessa forma, Santa Cruz será o vice-governador na chapa do ex-prefeito de Niterói.

“Companheiros, entendemos que as condições para a construção de uma candidatura própria se estreitaram muito e não podemos deixar que nosso estado fique nas mãos de uma turma que vem mostrando enorme incapacidade de nos dirigir e muito menos de um radical. A melhor alternativa sem dúvida nenhuma é o Rodrigo Neves, político e gestor experimentado e capaz e com mais chances de vitória.”, disse Eduardo Paes em mensagem obtida pela revista Veja.

Na noite da última quarta-feira (13), nas redes sociais, o presidente nacional do PDT, Carlos Lupi confirmou o nome de Felipe Santa Cruz como vice na chapa com Rodrigo Neves. Além disso, também será anunciada a chapa entre PDT-PSD, a partir das 9h de amanhã (14), no Hotel Windsor Guanabara, no Centro do Rio.

Com a movimentação política que ocorreu hoje, a candidatura de Neves acabou fortalecida. Recentemente, na última pesquisa eleitoral divulgada, feita pela DataFolha, o ex-prefeito de Niterói figurou na terceira colocação, com 7%. Atrás de Cláudio Castro (PL), 23% e Marcelo Freixo (Psol), com 22% das intenções de voto. Felipe Santa Cruz apareceu neste levantamento com 2% da preferência do eleitorado.

Na visão de Eduardo Paes, o atual governador é o “incompetente” e o “radical”, é o opositor Marcelo, referentes a fala citada anteriormente, do prefeito do Rio. Tanto Paes, quanto Neves, acenam um apoio ao ex-presidente Lula (PT) no cenário presidencial. O ex-prefeito de Niterói, inclusive, realizou um evento em apoio ao petista, com lideranças da legenda do estado. No entanto, no início desta semana, uma reunião do PDT deixou esse encontro no passado, e firmou a união entre o niteroiense e Ciro Gomes, pré-candidato ao Planalto pelo partido.

Além disso, a campanha de Rodrigo Neves também costurou apoios entre partidos de centro-direita, para o governo do estado. Ontem (12), o AGIR36 anunciou que vai embarcar com o ex-prefeito de Niterói nessas eleições.

 

Crédito: ATribuna

José Luiz Mandiocão recebe convite de Paes para concorrer a deputado federal

O ex-prefeito de Rio Bonito, José Luiz Mandiocão, poderá concorrer a deputado federal nas eleições deste ano. Ele recebeu o convite do prefeito do Rio, Eduardo Paes, que é do Partido Social Democrático (PSD). Mandiocão já governou o município de Rio Bonito por quatro mandatos e pode ser a primeira vez que tentará uma vaga para a Câmara Federal.

No último dia 13, sexta-feira, Eduardo Paes recebeu José Luiz Mandiocão, juntamente com o ex-presidente da OAB/RJ, Felipe Santa Cruz, que é pré-candidato a governador pelo mesmo partido, ocasião em que formalizou o convite. O ex-prefeito, que já é filiado ao PSD, ainda vai definir se será candidato nas eleições, que acontecem em outubro deste ano.

Prefeito do Rio anunciou 10 pontos de queima de fogos no réveillon

O prefeito Eduardo Paes (PSD) anunciou na última quinta-feira (9) que o réveillon de 2022 no Rio de Janeiro vai contar com 10 pontos de queima de fogos, incluindo Copacabana.

O anúncio foi feito durante entrevista coletiva no Centro de Operações, na Cidade Nova.

Além de Copacabana, terão fogos os bairros de Barra da Tijuca, Recreio, Flamengo, Ilha do Governador, Piscinão de Ramos, Bangu, Praia de Sepetiba, Parque Madureira e a Igreja da Penha.

“Claro que vai ter aglomeração”, afirmou o prefeito. “Aglomeração não está proibida no Rio de Janeiro.”

Resumo do que foi anunciado:

  • fogos mantidos em Copacabana e em outros 9 pontos;
  • não haverá show, mas 25 torres de som tocarão música na orla de Copacabana e farão a contagem regressiva;
  • festa será toda financiada pela prefeitura (custo não foi divulgado);
  • Copacabana terá bloqueios de acessos às 19h do dia 31: moradores, hóspedes e trabalhadores podem passar até as 22h (bloqueios semelhantes ao de anos anteriores);
  • linhas de ônibus operarão com frota regular, sem reforço, e sem bolsões de estacionamento;
  • metrô não terá esquema especial;
  • haverá postos de vacinação na praia de Copacabana;
  • proibição de entrada de fretados na cidade a partir do dia 30 às 19h.

Apesar dos fogos mantidos em Copacabana, a prefeitura não montará esquema especial de transporte para o bairro. Metrô e ônibus não funcionarão na madrugada e as ruas terão interdições para carros de passeio (entenda abaixo).

“Não imagino que as pessoas não cheguem lá sem ser andando”, disse o prefeito.

Segundo o prefeito do Rio, o réveillon desse ano será uma versão mais simples da tradicional festa carioca.

“Vamos ter fogos visíveis de vários pontos da cidade. Vamos fazer réveillon em 10 pontos para evitar deslocamentos e aglomerações (…) Não haverá a proibição das pessoas estarem na praia de Copacabana”, comentou Paes.

O prefeito afirmou ainda que, por ele, haveria show na orla – e que contratar Anitta estava no plano da prefeitura. Paes afirmou que seguiu, no entanto, orientação do comitê científico do estado contrário à realização das apresentações.

“Vale a regra mais restrita, que é a do estado”, explicou.

Sobre a epidemia de gripe (Influenza), o prefeito afirmou: “Obviamente, a gente pede que as pessoas que estejam doentes evitem sair de casa, assim como vovó dizia”.

Trânsito

A prefeitura também vai montar um esquema especial de trânsito em Copacabana para controlar o acesso do público.

O bloqueio de acessos em Copacabana no dia 31 será a partir das 19h. Apenas moradores, hóspedes e trabalhadores com comprovante poderão acessar o bairro até as 22h.

Segundo o prefeito Eduardo Paes, o estacionamento de veículos estará proibido na orla a partir do dia 30 de dezembro, às 18h.

As linhas de ônibus não terão reforço na operação e não haverá os tradicionais bolsões de estacionamento de coletivos. A ideia é reduzir o público na orla.

A liberação do tráfego será a partir das 3h do dia 1º.

Sem patrocínio

Paes afirmou que não houve patrocinadores para os shows do réveillon. O prefeito atribuiu isso à instabilidade ligada à pandemia de Covid, com o surgimento da variante ômicron.

Comprovante de vacinação

A Prefeitura do Rio reforçou que é obrigatória a apresentação do comprovante de vacinação em bares, restaurantes e hotéis.

Fogos aprovados por comitês

Na última quarta-feira (8), o Comitê Científico do Estado já havia aprovado o réveillon na Praia de Copacabana apenas com fogos, sem os shows na orla.

Crédito: g1.globo.com

Prefeito do Rio, Eduardo Paes, chama Light de “empresa vagabunda”

O prefeito do Rio, Eduardo Paes, chama a Light de “empresa vagabunda” na Internet, um dia após a concessionária de energia elétrica divulgar que 66 unidades do município tiveram a luz cortada por falta de pagamento.

A publicação foi feita nesta sexta-feira (15), em uma rede social do próprio prefeito. Na postagem, Eduardo Paes afirma que a Light “aliviava a barra do governo anterior”, e que agora a empresa quer receber os valores das dívidas deixadas por Marcelo Crivella na base da chantagem.

Nesta quinta-feira (14), a Light afirmou que o fornecimento foi suspenso apenas em instalações cadastradas como serviços não essenciais. O corte de luz não afetou unidades de saúde, segundo a empresa. O Parque Olímpico da Barra da Tijuca, na Zona Oeste; o Centro de Referência de Assistência Social, em Coelho Neto, na Zona Norte, e a Nave do Conhecimento da Penha, na mesma região, foram alguns dos locais que tiveram a luz cortada.

Em nota, a Light afirma que a dívida total da Prefeitura do Rio com a concessionária é de mais de R$ 261 milhões. Deste montante, R$ 68 milhões são referentes a este ano. No comunicado, a Light diz que fez diversas tentativas de acordo para regularizar os débitos e notificou previamente o Município com aviso de corte, como determina a legislação.

Procurada, a Secretaria Municipal de Fazenda afirma que as contas da Light do ano de 2021 estão em dia, com exceção de algumas da saúde. A pasta diz ainda que as dívidas que resultaram no desligamento da energia elétrica nas 66 unidades municipais foram deixadas pela gestão anterior, e que serão quitadas em um parcelamento anual.

 

 

Crédito: bandnewsfmrio.com.br

Prefeitura do Rio quer vacinar 90% da população adulta do município até o fim de outubro

A Prefeitura do Rio espera vacinar 90% da população adulta do município até o fim de outubro, segundo o calendário de imunização divulgado esta semana. “Chegando a essas condições, vamos ter réveillon e carnaval”, afirmou o prefeito Eduardo Paes, em coletiva nesta sexta-feira (14).

Na quarta (12), Paes compartilhou o cronograma da aplicação da primeira dose para o público em geral. A previsão é vacinar, até o fim de maio, todas as pessoas com comorbidades — para, então, iniciar o atendimento a qualquer um com menos de 60 anos.

Serão três dias para cada idade, chegando a 18 anos em 23 de outubro.

“A boa notícia, se eu pudesse definir em uma frase, é que vamos ter carnaval. Chegando nestas condições, a gente pode ter réveillon, pode ter carnaval, as pessoas podem voltar a se abraçar”, afirmou o prefeito.

“Não custa lembrar que isso tudo depende da chegada do imunizante. A gente tem tido nos últimos tempos uma estabilidade na entrega da vacina, principalmente da AstraZeneca”, pontuou Paes.

Paes citou a diretriz dos EUA da dispensa de máscara para vacinados: quem tomou todas as doses não precisa mais usar máscaras na maioria dos ambientes.

“Ontem eu vi na a repórter em Washington tirando a máscara. Vamos poder olhar para a cara dos outros sem máscara. Este é o objetivo a que a gente quer chegar. A gente precisa, quando olha para o futuro, ter o mínimo de previsibilidade. Qual o nosso tempo? Qual a nossa expectativa? Como a gente constrói coesão social para que a gente possa superar esta fase difícil? Acho que este calendário divulgado esta semana permite isso”, explicou.

Decreto vai liberar eventos

O prefeito antecipou que nos próximos dias vai editar um decreto flexibilizando ainda mais as regras contra a Covid.

“Falta acertar detalhes, mas muito provavelmente na segunda-feira (17) devemos publicar um decreto com a volta de eventos — com uma série de protocolos”, disse.

Paes citou os shows-teste “com todas as pessoas testadas no dia e ‘retestadas’ um período depois”. “Um conjunto de regras, neste primeiro momento, que a gente não espera que fique por tanto tempo”, explicou.

“O decreto deve estabelecer parâmetros bem claros para que algumas atividades possam voltar com segurança”, destacou.

“À medida que a gente vai aumentando a imunização e os números vão melhorando a gente pode ir flexibilizando”, continuou.

 

Rio poderia vacinar mais

 

Paes também disse que a prefeitura está vacinando menos do que gostaria, em razão da restrição dos grupos prioritários, determinada pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

“A gente vacina menos do que a gente teria capacidade em razão desta regra das prioridades”, afirmou.

Há uma semana, a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) suspendeu a vacinação para os profissionais de educação, segurança pública, motoristas e cobradores de ônibus, transporte escolar e serviços de limpeza urbana.

A prefeitura então atendia a uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre a ordem de vacinação de grupos prioritários.

Paes acrescentou que continua defendendo que professores deveriam se vacinar antes.

“Lamentamos não estarem neste grupo também os profissionais de educação. Vamos fazer este esforço para programar e acelerar essa vacinação para eles. Nossas crianças têm que voltar de vez para as aulas”, ponderou.

 

Fonte: g1.globo.com