Jovem é esfaqueado e morre na Parada do Orgulho LGBTQIA+ de Niterói

Luiz Henrique Lima, de 22 anos, foi morto a facadas no domingo (7), durante a 16ª edição da Parada do Orgulho LGBTQIA+, na orla da Praia de Icaraí, em Niterói. A motivação do crime ainda não foi esclarecida e o suspeito não foi identificado.

Apesar de ter feito um policiamento específico para o evento, a Polícia Militar não foi acionada para o crime. O Corpo de Bombeiros também não foi acionado para o caso.

A falta de segurança foi sentida pela professora de inglês Jacqueline de Oliveira Barbosa. Ela estava em um trio elétrico e viu Luiz Henrique. A mulher conta que não viu o crime, apenas quando ele já estava agonizando, em uma “poça de sangue”, e que houve demora para o atendimento.

“Ver justamente a movimentação da segurança pública desse evento. Ali para socorrê-lo, não teve polícia. Para socorrê-lo, não teve um apoio rápido, de bombeiro”, diz.

A professora relembra que uma pessoa foi até a vítima com uma maca.

A Secretaria Municipal de Saúde de Niterói informou que o atendimento foi feito pelo Samu. Ele foi encaminhado ao Hospital Estadual Azevedo Lima.

Em nota, o Grupo Diversidade Niterói, fundador e organizador do evento, disse que Luiz Henrique se envolveu numa discussão e sofreu um “grave ferimento” e que “imediatamente parou o som, interrompeu a parada e mobilizou apoio à vítima”. Testemunhas disseram que a briga teria começado por causa de um empurrão.

A organização afirmou que enviou vídeos para os órgãos responsáveis e criticou a atuação policial. Alegou ter um “um contingente policial pequeno e insuficiente” para o público de 50 mil pessoas.

Em nota, a Polícia Militar enfatizou que o policiamento específico foi responsável por prender uma mulher acusada de roubo de celulares.

A Secretaria Municipal de Direitos Humanos publicou uma nota em apoio à família de Luiz Henrique. A prefeitura informou que presta apoio psicológico, jurídico e socioassistencial aos familiares e que os acompanhou até a delegacia.

O caso foi registrado na 78ª DP (Fonseca), mas será encaminhado para a Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí (DHNSG).

crédito: Portal g1

Icaraí, em Niterói, terá esquema especial de trânsito para 16ª edição da Parada do Orgulho LGBTQIA+

A Prefeitura de Niterói, por meio da Niterói Transporte e Trânsito (NitTrans), preparou um esquema especial de trânsito para a 16ª edição da Parada do Orgulho LGBTQIA+ de Niterói, que acontece neste domingo (07) na Praia de Icaraí.  Para atender o público esperado este ano, entre 60 a 80 mil pessoas, haverá proibição de estacionamento, interdições e implantação de faixas reversíveis a fim de garantir a fluidez do trânsito na cidade.

Será proibido estacionar na Rua Miguel de Frias, em ambos os lados, entre a Avenida Alberto Francisco Torres e a Rua Gavião Peixoto. Nas ruas Álvares de Azevedo e Mariz e Barros, o estacionamento será proibido entre a Avenida Alberto Francisco Torres e a Rua Ator Paulo Gustavo. As proibições começam às 22h do sábado (06) e se estendem até as 21h do domingo 07.

A Rua Miguel de Frias receberá a concentração para o desfile a partir das 13h, e ficará interditada ao trânsito entre a Praia de Icaraí e a Rua Gavião Peixoto, até as 17h no dia 07. Já a Rua Tavares de Macedo terá o trânsito interditado no trecho compreendido entre as Ruas Álvares de Azevedo e Miguel de Frias, das 13h às 17h durante o dia do evento. A Praia de Icaraí ficará interditada entre a Álvares de Azevedo e a Rua Mariz e Barros entre 17h e 22h.

As ruas General Pereira da Silva, Presidente Backer, Otávio Carneiro, Belizário Augusto, Lopes Trovão e Oswaldo Cruz, perpendiculares à Praia de Icaraí, ficarão interditadas ao trânsito durante a realização do evento, entre 17h e 22h. Ao todo, 15 operadores de trânsito estarão posicionados nos pontos de conflito para realizarem o ordenamento do trânsito.

Durante a interdição da Rua Miguel de Frias, os ônibus que seguem em direção ao Centro, via Ingá, deverão acessar a Rua São Sebastião por meio da Rua Fagundes Varela. Serão montadas duas faixas reversíveis, contíguas à ciclofaixa, na Avenida Roberto Silveira, entre 13h e 22h, trecho entre a Rua Domingues de Sá e a interseção da Rua Marquês do Paraná com a Rua Miguel de Frias. Cinco operadores de trânsito farão o monitoramento e ordenamento do fluxo de veículos nas faixas reversíveis.

Apoio – O evento será realizado neste domingo após dois anos de interrupção devido à pandemia da Covid-19. Com o Tema “Bota um cropped, reaja e vote!”, a parada quer chamar a atenção, segundo seus organizadores, para a “importância do voto para a defesa da democracia e do estado laico”. O evento tem o suporte da administração municipal através da Coordenadoria de Defesa dos Direitos Difusos e Enfrentamento à Intolerância Religiosa (Codir), da Secretaria Municipal das Culturas (SMC), da Fundação de Arte de Niterói (FAN), da Companhia Municipal de Limpeza Urbana de Niterói (Clin), da Secretaria de Conservação e Serviços Públicos (Seconser), da Secretaria de Ordem Pública de Niterói (Seop) e da Niterói Transporte e Trânsito (NitTrans). A saída da marcha está prevista para às 17h, em frente à reitoria da UFF, com a participação de quatro trios elétricos.

Chegada dos trios elétricos – Os trios elétricos que irão participar do desfile da parada LGBTQIAP+ chegarão pela Av. Feliciano Sodré, e seguirão pela Av. Rio Branco em direção a Icaraí. Estes serão escoltados por viaturas da NitTrans e deverão acessar a Rua da Conceição passando por um trecho que é contra mão, entre a Av. Amaral Peixoto e Rua da Conceição. Após, os carros passarão pela Rua Dr. Celestino, Av. Marquês do Paraná, chegando à Rua Miguel de Frias, local de concentração do evento.

Já a Clin apoiará com 25 funcionários, pipas de água de reuso, varredeiras, 20 contêineres de lixo e caminhões compactadores. A equipe entrará em ação durante o evento e imediatamente após o término da parada. Já a Seconser montará uma base de suporte para ocorrências gerais na Praça Getúlio Vargas. A Guarda Municipal   atuará na área do evento mantendo o ordenamento com o apoio de viaturas fixas e móveis.

 

 

 

Crédito: O São Gonçalo