Menino de 9 anos foge de casa, se esconde em avião e viaja sozinho de Manaus para Guarulhos (SP)

O menino de 9 anos que viajou escondido de Manaus para Guarulhos, em São Paulo, pesquisou na internet como entrar despercebido em um avião. A informação é da Polícia Civil do Amazonas (PC-AM), que investiga o caso.

Morador da Zona Oeste, Emanuel Marques de Oliveira foi dado como desaparecido na manhã de sábado (26). No final do dia, a mãe descobriu que ele fugiu de casa e foi parar na cidade paulista.

Ele embarcou sozinho em um voo da Latam, que saiu do Aeroporto da capital amazonense. O menino não tinha passagem aérea, documentos e malas.

Segundo a Delegacia Especializada em Proteção à Criança e Adolescente (DEPCA), o menino agiu sem a ajuda de adultos, e, antes de partir, realizou pesquisas na internet de como entrar em um avião despercebida. A Especializada, no entanto, não deu detalhes sobre a pesquisa feita pelo menino.

Ainda na nota, a PC disse que a criança não tem histórico de violência familiar e, durante oitivas, a mesma informou que o motivo da viagem seria o desejo de morar em São Paulo, com outros familiares.

A companhia aérea e a empresa administradora do aeroporto de Manaus informaram que estão investigando como o menino conseguiu viajar. A Polícia Civil também solicitou imagens das câmeras de segurança e também apura a situação.

Mãe detalha o sumiço logo pela manhã

Em entrevista ao g1, a mãe do menino, a eletricista Daniele Marques, contou que percebeu que o filho não estava em casa nas primeiras horas da manhã de sábado (26). Eles moram na comunidade União da Vitória, bairro Tarumã.

“Acordei às 5h30, fui ao quarto dele, e vi que ele estava dormindo normalmente. Depois mexi um pouco no celular e levantei novamente, já às 7h30, quando percebi que ele não estava mais no quarto e comecei e me desesperar”, afirmou.

Depois de registrar boletim de ocorrência na delegacia, e começar a divulgar a imagem do filho nas redes sociais, a eletricista recebeu a ligação de um funcionário da Latam, por volta das 22h daquele mesmo dia, informando que a criança estava no aeroporto de Guarulhos (SP).

“Assim que eles me contaram que ele estava lá [no Aeroporto de Guarulhos], avisei a delegada. Os policiais até perguntaram se eu podia ir buscá-lo, mas eu disse que não teria como fazer isso, e sim queria que a empresa Latam retornasse com o meu filho”.

Após trâmites e negociações entre o Conselho Tutelar e a companhia aérea, o garoto voltou a Manaus na manhã de domingo (28).

Menino contou sobre trajeto percorrido

Daniele contou que Emanuel explicou os detalhes da viagem sozinho de avião para outro estado, sem documentação e sem bilhete de embarque.

“Ele me disse que pegou alguns ônibus aleatórios aqui de casa [no bairro Tarumã-Açu] até chegar no aeroporto. Depois olhou no painel o horário dos voos, e entrou em um deles. O meu filho passou por três vistorias sem que alguém notasse que ele estava sozinho, sem documentação nem bilhete de embarque”, disse a mãe.

Daniele disse que jamais imaginaria que o filho pudesse ter viajado sozinho de avião, quando percebeu que ele não estava em casa.

“O que eu fico pensando é como uma criança consegue passar por um sistema de aeroporto que é tão burocrático para gente passar. Por isso eu quero uma resposta da companhia aérea e do aeroporto sobre como o meu filho conseguiu embarcar sozinho”, concluiu Daniele.

O que diz a Latam e o aeroporto?

Em nota, a Latam disse que acionou a Polícia Federal e o Conselho Tutelar após identificar que o menor estava sozinho no voo. Ele foi encaminhado para um abrigo para aguardar os trâmites necessários até a recondução dele para Manaus.

Crédito: Portal g1

Menino hostilizado na Vila Belmiro ganha apoio de famosos

Após ser hostilizado por ganhar uma camisa do goleiro adversário em um jogo do Santos Futebol Clube na Vila Belmiro, em Santos, no litoral de São Paulo, e pedir desculpas à torcida em um vídeo, o garoto de 9 anos recebeu o apoio de milhares de pessoas, incluindo famosos, nas redes sociais. Entre os artistas, estão Anitta, Sabrina Sato e Felipe Prior, além dos jogadores Neymar, Adriano Imperador e o Rei do Futebol, Pelé.

Na noite desta quarta-feira (10), Bruno Nascimento, o Bruninho, voltou ao estádio durante partida contra o Bragantino, entrou em campo e foi recebido pelos jogadores.

Bruninho é jogador nas categorias de base do Santos. Desde os 3 anos, frequenta a Vila Belmiro. A confusão começou quando o menino foi cumprimentado pelo goleiro do Palmeiras, Jailson, que jogava contra o Santos, na partida de domingo (7) pelo Campeonato Brasileiro. O garoto pediu e recebeu, de presente, a camiseta do jogador, que havia acabado de vencer o Santos por 2×0

Imediatamente, alguns torcedores da arquibancada santista se revoltaram com o presente. Aos gritos, eles passaram a agredir o pai de Bruninho e a tentar pegar a camisa de volta. Eles foram chutados e até mesmo alvos de cuspidas dos torcedores. Após o caso, Bruninho gravou um vídeo nas redes sociais se desculpando por receber o presente.

Logo após a publicação do menino, diversos famosos se manifestaram em apoio a ele, que chegou a ser ameaçado de morte, conforme informou ao g1 o pai, Moisés do Nascimento, de 37 anos. Nas redes sociais, artistas comentaram nas publicações dele ou ligadas a ele, dizendo que não precisava pedir desculpas por gostar de algum jogador do time adversário.
Crédito: g1

Henry foi levado ao pediatra pela mãe dias após conversa com babá

Atualização do caso

Novas investigações estão sendo feitas sobre o caso da morte do menino Henry, que morreu no dia 08 de Março de 2021 e no programa de TV Fantástico foi dito que um dia após as conversas entre Monique Medeiros, a mãe da criança, e a babá Thayná Ferreira, que informou que Henry estava sendo agredido pelo Dr. Jairinho, padrasto de Henry, a mãe do menino o levou a um pediatra e no hospital informou que ele estava com dores por ter caído da cama.

Segundo informações, a polícia descobriu, enquanto investigava o caso, uma troca de mensagens de Monique e Thayná que ocorreu no dia 12 de fevereiro pelo WhatsApp. Nas mensagens, a mãe de Henry fica sabendo que o padrasto levou o menino para um quarto e que, de lá, a criança saiu mancando e sentindo dores. Ainda nessa situação, Thayná, a babá do menino, conta para a mãe da criança que Henry relata que tomou alguns chutes e outras agressões vindas do vereador enquanto estava no quarto sozinho com ele. Ou seja, Monique sabia das agressões contra o filho.

No dia seguinte, Henry foi levado por sua mãe até um pediatra. Monique contou ao médico que seu filho havia caído da cama por volta das 17h do dia anterior, momento em que ocorre a troca de mensagens entre Thayná e Monique, onde a mãe da criança fica sabendo que seu filho está sendo agredido por Jairinho. No documento do hospital, ainda consta que o menino estava mancando. Monique relatou para o médico que seu filho acordou neste dia assim após cair da cama, apenas com dor, mas sem febre. Nos exames feitos no dia no hospital, a estrutura óssea do menino não foi afetada.