Acidente no metrô do México deixa cerca de 23 pessoas mortas e 70 feridas. Veja fotos

Acidente no México

Um desabamento das estruturas da Linha 12 do metrô da Cidade do México, cerca de 23 pessoas morreram e mais de 70 ficaram feridas, segundo informe preliminar da Secretária de Gestão Integral de Riscos e Proteção Civil da Cidade do México, em sua conta nas redes sociais.

O acidente ocorreu por volta das 22h30 do horário local (0h30 de Brasília), desta segunda-feira (3).

Em imagens que circulam nas redes sociais, é possível ver que parte da estrutura do metrô cedeu, entre as estações Los Olios e Tezonco, atingindo vários veículos que passavam por baixo da linha elevada. O governo da Cidade do México informou que mobilizou esforços para tratar os feridos de forma emergencial no mesmo local do acidente.

Metrô do Rio vai fechar às 20h, no réveillon

Pela primeira vez desde que chegou a Copacabana, o metrô do Rio vai interromper as operações mais cedo num réveillon. Por determinação do governo do estado, na próxima quinta-feira (31) todas as linhas do sistema vão circular somente até as 20h.

Desde 1998, o metrô funcionava ininterruptamente na virada do ano, a fim de atender o público que ia à queima de fogos em Copacabana.

Em 1999, o embarque passou a ser escalonado por hora, com bilhetes exclusivos e com validade, para evitar superlotação. Esse esquema foi adotado até o ano passado.

Com as restrições da pandemia, no dia 31 as estações das linhas 1, 2 e 4 vão abrir às 5h. Depois das 20h, nenhum trem vai circular.

Na sexta (1º), feriado, o metrô funcionará das 7h às 23h. Já nos dias 2 e 3 de janeiro, a operação acontece nos horários regulares de fim de semana, com funcionamento no sábado, das 5h à meia-noite; e no domingo, das 7h às 23h.

Nos três dias, a transferência entre as linhas 1 e 2 acontecerá na estação Estácio.

Fonte: G1.com

Metrô do Rio começa aceitar pagamento com cartão de crédito

As pessoas que pegam metrô na cidade do Rio de Janeiro já podem contar com ajuda da tecnologia para evitar filas. A concessionária MetrôRio, que transporta 900 mil passageiros por dia, passa a aceitar pagamento por aproximação, nas catracas, feito por cartão de crédito, aparelho de celular, pulseira ou relógio com a tecnologia NFC (Near Field Communication).

A ideia é que o passageiro não precise comprar ou recarregar bilhete do metrô, um sufoco para turistas, por exemplo. Basta, agora, aproximar o dispositivo com a tecnologia NFC direto em uma das catracas adaptadas em qualquer das 41 estações do metrô. Com isso, a cobrança das passagens é feita direto no cartão para ser paga junto com a fatura.

A novidade, por enquanto, só funciona para quem tem cartão de crédito da bandeira Visa, emitido pelos bancos Banco do Brasil ou Bradesco, ou celular, com tecnologia NFC – há uma série de aplicativos online que habilitam esta função. Quem não tem o cartão, precisa entrar em contato com a agência e pedir um novo. No Banco do Brasil, 200 mil clientes já estão aptos a usar a nova tecnologia que virá, automaticamente, nos novos cartões.

No caso dos celulares, o app de pagamento funciona como uma carteira digital, que guarda dados do usuário e pode ser instalado em celulares de todos os sistemas operacionais. O aparelho pode estar off line, mas é preciso que tenha o mínimo de bateria para funcionar.

De acordo com o presidente da MetrôRio, a novidade permite que o cliente ganhe tempo e que a concessionária economize com o custo operacional, tornando-a “mais digital possível”. “Queremos oferecer conveniência e praticidade”, ressaltou Guilherme Ramalho. “A mobilidade urbana deve ser cada vez mais integrada e fácil”, disse o executivo.

O metrô do Rio Janeiro é o primeiro do mundo a usar esse tipo de tecnologia, desenvolvida pela bandeira Visa, para pagar por NFC sem que seja necessário trocar todas as catracas.

A estimativa dos bancos é que cada vez mais pessoas substituam dinheiro por cartões e carteiras digitais. A tecnologia NFC já é aceita em 3 milhões de estabelecimentos no país, mas para quem preferir o antigo sistema, o metrô continua a aceitar pagamentos no guichê e em máquinas, nas estações, para quem quer pagar com dinheiro ou cartão. A nova modalidade é apenas mais uma opção.