Flordelis irá a júri popular no dia 9 de maio

Flordelis e os outros oito acusados do assassinato do pastor Andersom do Carmo irão a júri popular. Pelo menos essa é a decisão da juíza Nearis dos Santos Carvalho Arce, da 3ª Vara Criminal de Niterói. A defesa da deputada federal, que teve seu mandato cassado, tentou entrar com um recurso extraordinário no início deste ano, mas foi recusado pela Justiça. Flordelis irá a júri em uma audiência no dia 9 de maio.

Flordelis irá a júri popular junto com mais quatro acusados do crime, sendo eles: Simone dos Santos Rodrigues, a filha biológica da pastora; a filha afetiva Marzy Teixeira da Silva; e a neta de Flordelis, Rayane dos Santos Oliveira. A audiência começará às 9h.

Os outros cinco acusados terão uma audiência separada no dia 12 de abril, a partir das 9h. Estes são: o filho biológico da pastora Adriano dos Santos Rodrigues; André Luiz de Oliveira, Carlos Ubiraci Francisco da Silva e Marcos Siqueira Costa (ex-policial) que são filhos afetivos de Flordelis. A nora dela Andrea Santos Maia, casada com Marcos, também será julgada na audiência em questão.

Flordelis foi presa em agosto do ano passado, após ter o mandato de deputada federal cassado e perder a imunidade parlamentar. Ela é acusada de ser a mandante do assassinato do próprio marido, o pastor evangélico Anderson do Carmo. O crime aconteceu em 2019, na residência da família, em Niterói.

Anderson foi atingido por vários tiros. A arma usada no crime foi encontrada no quarto de Flávio dos Santos, um dos filhos biológicos de Flordelis. A Polícia Civil e o Ministério Público do Rio defendem que o crime não aconteceria sem que a ex-deputada soubesse ou autorizasse.

 

Crédito: O São Gonçalo

Itaipuaçu ganha Biblioteca Popular Carlos Marighella

A Prefeitura de Maricá, por meio da Secretaria de Cultura, inaugurou nesta quinta-feira (24/03), a Biblioteca Popular Carlos Marighella na sede do Maricá das Artes, em Itaipuaçu. Cerca de 40 pessoas foram prestigiar o evento, que teve como atração espetáculo de mágica com Santiago Galassi e contação de história com Lili Dias. O local funcionará de segunda a sexta, das 9h às 17h, e aos sábados, das 9h às 14h.

“A Biblioteca Carlos Marighella é uma verdadeira estação da leitura, sendo a única do gênero em Itaipuaçu. Com essa inauguração, deixamos a referência do pensamento e da reflexão como instrumentos de transformação da realidade. O local é uma ferramenta importantíssima para a educação, com um ótimo acervo de livros doados pelos funcionários, alunos e moradores. Estamos levando a oportunidade para quem quer buscar conhecimento”, comentou o secretário de Cultura Sady Bianchin.

Alunos e convidados ressaltam a importância do espaço

A biblioteca conta com mais de mil livros para todas as idades, preferências e necessidades. Mais do que uma biblioteca, o local também oferece cursos do projeto Maricá das Artes. “Acho fantástico ter uma biblioteca aqui em Itaipuaçu, um lugar que estimula a cultura, leitura, mobiliza pessoas na doação e da acesso aos livrospara quem não tem acesso. Precisamos incentivara leitura, estimular a cultura e trocar experiências através dela”, expôs João do Corujão.

“O projeto Maricá das Artes veio para inovar nosso bairro e aprimorar nossos conhecimentos, para levar aos meus alunos mais qualidade ao contar histórias. Além disso, me despertou um lado escritora. Com a inauguração dessa biblioteca estamos dando acesso para pessoas que não conseguem comprar um livro, que querem ler, aprender e se descobrir com novas histórias”, destacou Cristiane Andrade Rangel, de 47 anos, moradora de Itaipuaçu, professora do Ensino Infantil e aluna da oficina de contação de história da professora Lili Dias.

Como pegar emprestado o livro

Para quem deseja pegar um livro emprestado, é só fazer a ficha de inscrição com identidade (RG), comprovante de pessoa física (CPF) e comprovante de endereço. A Biblioteca Popular Carlos Marighella fica na sede do Maricá das Artes, na Av. Carlos Marighella, Lote 7, Quadra 12, em Itaipuaçu.

MP-RJ pede júri popular para Flordelis e mais oito réus

O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro pediu que a deputada federal Flordelis e mais oito pessoas acusadas por crimes ligados ao assassinato do pastor Anderson do Carmo sejam levadas a júri popular.

Anderson era marido de Flordelis e foi morto a tiros em casa, em 16 de junho de 2019. A promotoria aponta a deputada como a responsável por arquitetar o homicídio, inclusive comprando a arma usada pelo assassino. Além da parlamentar, o MP-RJ acusa ainda três filhos e uma neta dela de participarem do crime de homicídio qualificado.

O pedido de julgamento em júri popular se deu nas alegações finais da promotoria no processo, após a realização de seis audiências, em que foram ouvidas 30 testemunhas.

O promotor de Justiça Carlos Gustavo Coelho de Andrade, titular da Promotoria de Justiça junto à 3ª Vara Criminal de Niterói – Tribunal do Júri,  pediu, ainda, que Flordelis e três filhos sejam julgados por uma tentativa de homicídio contra Anderson do Carmo por envenenamento, entre maio de 2018 e junho de 2019. Outros crimes associados aos acusados são uso de documentos falsos e associação criminosa armada.

Ao todo, 11 réus respondem ao processo, mas o MP-RJ pediu para não se pronunciar sobre dois deles, por considerar que as imputações não estavam tão maduras quanto as demais.  Os motivos do crime seriam o controle rigoroso da vítima sobre as finanças da família e a recusa dele em privilegiar membros da família mais próximos de Flordelis, que tem mais de 50 filhos adotivos. O MP narra ainda que, antes do crime, os familiares tentaram envenená-lo ao menos seis vezes, sem sucesso.

 

Fonte: AgênciaBrasil