Gusttavo Lima é processado por dona do número de telefone em música cantada por ele

A música “Bloqueado” tem causado problemas na vida de uma arquiteta desde agosto de 2021, quando a faixa foi lançada na voz de Gusttavo Lima. De acordo com Ancelmo Góis, do O Globo, a mulher está processando o cantor por usar o seu número de celular na letra da canção.

Com mais de 21 milhões de visualizações no YouTube, a música conta com um tal telefone bloqueado de um amor não correspondido. O detalhe é que a arquiteta passou a receber ligações e mensagens, sendo perturbada por essa história.

Na ação da 24ª Vara Cível de SP, ela diz ser casada há 12 anos e nunca ter conhecido o cantor Gusttavo Lima. Por conta disso, a mulher pede indenização de, no mínimo, R$ 105 mil.

Além do dinheiro, ela pede que a música deixe de ser veiculada e que a letra seja alterada com a retirada de seu número de telefone. A equipe do artista sertanejo ainda não se pronunciou sobre o assunto.

 

Crédito: br.noticias.yahoo.com

Alec Baldwin é processado por membro da equipe do filme ‘Rust’ por negligência

Um membro da equipe do filme “Rust” abriu um processo por negligência contra o ator americano Alec Baldwin pelos disparos que levaram à morte da diretora de fotografia Halyna Hutchins no mês passado, informaram advogados nesta quarta-feira (10).

O processo também cita a armeira Hannah Gutiérrez-Reed, que afirmou através de seus representantes legais que estava sendo “incriminada” pela morte de Halyna.

Baldwin atirou e matou acidentalmente a diretora de fotografia Halyna Hutchins em 21 de outubro após ser avisado que a arma com a qual ele ensaiava no set de “Rust” no Novo México era “fria”, ou seja, segura de usar, de acordo com o Gabinete do Xerife do Condado de Santa Fé.

O técnico-chefe de iluminação do filme, Serge Svetnoy, afirma no processo que o incidente “foi causado por atos de negligência e omissões” de Baldwin, protagonista e produtor, e de outros.

“Não havia nenhum motivo para colocar uma bala de verdade naquele revólver, ou para que ele estivesse no set de ‘Rust’, e a presença de uma bala em um revólver representava uma ameaça letal para todos ao redor”, diz a ação, movida em um tribunal de Los Angeles.

Svetnoy alega que Baldwin, o vice-diretor do filme, Dave Halls, e Hannah não seguiram as práticas da indústria cinematográfica no manuseio de armas e “permitiram que um revólver carregado com munição real atingisse pessoas”. Em comunicado divulgado nesta quarta-feira (10), os advogados da armeira do filme insistiram em que ela não sabia por que havia munição de verdade no set.

“Estamos pedindo uma investigação completa de todos os fatos, incluindo as balas reais e quem as colocou ali “, declarou o advogado Jason Bowles. “Estamos convencidos de que foi uma sabotagem. Também acreditamos que a cena foi alterada antes da chegada da polícia.”

Em entrevista exibida nesta quarta-feira, a promotora distrital do condado de Santa Fé, Mary Carmack-Altwies, descartou a ideia de conspiração. “Não temos nenhuma prova”, disse ao ABC News.

Crédito: g1