PRF apreende 200 quilos de maconha na Operação Égide, no Rio

Um carregamento com 200 quilos de maconha e um quilo de cocaína foi apreendido pela Polícia Rodoviária Federal (PRF), durante fiscalização na Rodovia Presidente Dutra (BR-116), em Piraí, na Região Sul Fluminense. O flagrante aconteceu na tarde da última quinta-feira (25).

Por volta das 17h30, policiais rodoviários federais do Grupo de Operações com Cães (GOC/RJ) abordavam suspeitos, na altura do quilômetro 227, quando desconfiaram do motorista de um carro e resolveram abordá-lo. Ao revistarem o veículo, os policiais encontraram centenas de tabletes de maconha. Além disso, também foram encontrados um quilo de cocaína e dois carregadores – calibre 9mm – para pistolas.

O motorista, de 48 anos, confessou que receberia uma quantia em dinheiro pelo transporte do material. Ele disse que vinha do Paraná e faria a entrega na capital fluminense, onde o entorpecente seria distribuído. A ocorrência foi encaminhada para a Polícia Federal.

Operação Égide

A Operação Égide, iniciada em 1º de outubro de 2021, faz parte do planejamento da PRF na repressão ao crime nas rodovias federais fluminenses. A operação foi desencadeada após análise e mapeamento dos principais pontos críticos do estado. As ações têm como principal objetivo o combate ao roubo de cargas, veículos e coletivos, além do tráfico de drogas e armas.

 

Crédito: https://www.osaogoncalo.com.br/

 

Vítimas em acidente com Marília Mendonça morreram pelo impacto

Os laudos periciais das cinco vítimas do acidente aéreo em Piedade de Caratinga (MG), que matou a cantora Marília Mendonça, apontaram que todas morreram em razão do impacto da aeronave no solo. A conclusão foi divulgada nesta quinta-feira (25) pela a Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG).

Os trabalhos realizados no Instituto Médico Legal Dr. André Roquette (IMLAR), em Belo Horizonte, concluíram que as vítimas morreram por politraumatismo contuso, em decorrência do impacto sofrido com a queda da aeronave, no dia 5 de novembro.

O delegado regional em Caratinga, Ivan Lopes Sales, que preside o inquérito policial, adiantou que a Polícia Civil já conseguiu descartar algumas das hipóteses das causas do acidente, como a possibilidade de a aeronave ter sido atingida com um disparo de arma de fogo. “Agora, com as evidências apresentadas pela perícia técnica, podemos descartar também a hipótese de um mal súbito por parte do piloto e do copiloto”, afirmou.

Ainda de acordo com Sales, a PCMG ouviu um piloto de um avião que saiu de Viçosa, também com destino a Caratinga, cerca de 20 minutos depois da aeronave envolvida no acidente. Ele chegou a se comunicar por rádio com o piloto da aeronave que levava a cantora momentos antes do acidente. “A testemunha nos informou que o piloto da aeronave que acidentou não chegou a relatar qualquer problema no avião”, diz o delegado.

“Além disso, ele disse que o piloto vítima comunicou que já estava em procedimento de pouso, ou seja, levaria entre um minuto a um minuto e meio para pousar, quando provavelmente se chocou com uma rede elétrica”, informa Sales, chamando a atenção ao fato de que isso não significa que se possa atribuir culpa, até o momento, à companhia responsável pela transmissão de energia.

 

 

Crédito: agenciabrasil.ebc.com.br

Carlos Arthur Nuzman é condenado a 30 anos de prisão por corrupção na vitória do Rio de Janeiro como sede dos Jogos Olímpicos de 2016

O ex-presidente do Comitê Olímpico Brasileiro (COB) Carlos Arthur Nuzman foi condenado a 30 anos e 11 meses de prisão por ter participado do esquema que envolveu corrupção na vitória do Rio de Janeiro como sede dos Jogos Olímpicos de 2016. O crime foi desvendado na Operação Unfair Play, que investigou a compra de votos.

A sentença foi proferida nesta quinta-feira (25), pelo juiz Marcelo Bretas, titular da 7ª Vara Federal Criminal, que concentra os crimes da Operação Lava Jato no Rio de Janeiro. Além de Nuzman, que ainda foi multado em R$ 1,6 milhão, também foram condenados o ex-governador Sérgio Cabral, a 10 anos e oito meses de reclusão, e o ex-diretor do Comitê Rio-2016 Leonardo Gryner, a 13 anos e dez meses de prisão.

Na sentença, que possui 57 páginas, Bretas se ateve principalmente a Nuzman, condenado por crimes de corrupção passiva, pertinência à organização criminosa, lavagem de ativos, evasão de divisas e concurso material. Segundo denúncia do Ministério Público Federal (MPF), Nuzman teria obtido enriquecimento ilícito em poucos anos, tendo sido descoberto que, entre julho de 2014 e setembro de 2017, ele “ocultou e dissimulou a origem e a propriedade de 16 quilos de ouro, no valor de R$ 1.495.437,63, provenientes de atividade ilícita, mediante aquisição e manutenção não declarada em cofre na Suíça.”

Para o juiz, o comportamento de Nuzman foi reprovável. “A culpabilidade é elevada, pois Carlos Arthur Nuzman foi o principal idealizador do esquema ilícito perscrutado nestes autos e assim agiu valendo-se do alto cargo conquistado ao longo de 22 anos como presidente do Comitê Olímpico Brasileiro, razão pela qual a sua conduta deve ser valorada com maior rigor do que a de um corrupto qualquer”, disse Bretas. “O condenado dedicou sua carreira pública para tornar o Rio de Janeiro cidade-sede das Olimpíadas, no entanto, apesar de tamanha responsabilidade social optou por agir contra a moralidade e o patrimônio público”.

Apesar de condenado a regime fechado, o juiz possibilitou que Nuzman recorra em liberdade.

Procurada, a defesa de Nuzman se pronunciou por nota, por meio de seu advogado, João Francisco Neto. “O juiz condenou por esporte, sem provas. Nuzman será inocentado, seguramente. Os tribunais da República não irão prestigiar esta violência jurídica inominável”.

 

Crédito: agenciabrasil.ebc.com.br

Jogador de vôlei italiano que acreditava namorar Alessandra Ambrósio chorou ao saber a verdade

Parentes e amigos do jogador de vôlei italiano Roberto Cazzaniga, que foi enganado por 15 anos num golpe de falso namoro na internet, agora tentam ajudá-lo a se reerguer, tanto emocional quanto financeiramente. Isso porque a estelionatária, que usava fotos da modelo brasileira Alessandra Ambrosio, recebeu dele ao longo de todo esse tempo 700 mil euros (R$ 4,3 milhões) sob pretexto de sofrer problemas cardíacos e precisar arcar com despesas hospitalares. O atleta chegou a fazer empréstimos para ajudá-la. Diante da verdade, revelada pela emissora “Mediaset” nesta terça-feira, um amigo dele e ex-colega de time, chamado Danilo Rinaldi, criou no dia seguinte uma vaquinha online no site GoFundMe. Até o fechamento desta reportagem, já haviam sido arrecadados mais de 9 mil euros, cerca de R$ 56 mil. Além disso, Roberto recebeu uma festa de seus amigos e parentes na quadra onde joga para animá-lo.

— Roberto é uma pessoa boa e muito frágil que confiou nas pessoas erradas — afirmou Danilo ao GLOBO. — No começo, não foi fácil… depois de 15 anos. Ele estava muito triste, mas agora está aos poucos se sentindo melhor. Claro, depois de toda essa reação midiática, ele sente muita incredulidade, mas apenas precisa de mais tempo para se dar conta (do que aconteceu) e começar de novo, com uma vida nova. Criei a campanha no GoFundMe para ajudar Roberto depois dessa triste história. Ninguém vai devolvê-lo os últimos 15 anos, mas juntos podemos fazer algo para o futuro dele.

‘Me apaixonei por aquela voz’, conta Roberto

Segundo o programa de TV “Le Iene”, Roberto, cuja dívida atual com credores é de 60 mil euros (aproximadamente R$ 375 mil), se apaixonou virtualmente pelo telefone após conversar com a estelionatária, apresentada a ele por uma suposta amiga dele. No entanto, ao longo dos últimos 15 anos, o casal nunca se encontrou, pois a golpista criava desculpas para não conhecê-lo pessoalmente. Roberto contou que a voz da mulher ao telefone foi o suficiente para despertar sentimentos.

— Não, nós nunca nos conhecemos. Nunca. Ela deu mil desculpas, como doença e trabalho. E ainda assim me apaixonei por aquela voz, uma chamada após a outra. O contato era apenas no celular, quase que diariamente. Ligava antes de eu ir treinar ou à noite, na hora de dormir. Como ela me tirou todo esse dinheiro? Nem sei ao certo, mil euros aqui, outros dois mil ali… No final chegamos a um total de 700 mil. Passado este pesadelo, é como se tivesse acordado de um coma que me fez perder décadas de vida — contou ao jornal “Corriere Della Sera”.

‘Nunca tive dúvidas’

Ao ser confrontado com provas colhidas pelo jornalista Ismaele La Verede, o jogador de vôlei, que atua como oposto pelo clube New Matter, de Castellana Grotte, disse que nunca teve dúvidas sobre a identidade da falsa namorada.

— Nunca tive dúvidas. Para mim, era ela. Aquela voz me deixou à vontade e me confortou. Me pedia dinheiro com desculpas plausíveis, como quando teve que dar um presente, mas o caixa eletrônico foi bloqueado. Mas era impossível vê-la devido às suas constantes viagens de negócios e uma grave doença cardíaca. Ela me dizia que ficava hospitalizada com frequência — disse Roberto.

A reação de sua família e amigos, contudo, foi diferente. Preocupados com a situação de Roberto, eles levaram a história dele ao canal italiano, que foi atrás das envolvidas no golpe, Manuela Passero, a suposta amiga, e Valeria Satto, que se identificava como “Maya”, mas com o rosto de Ambrosio. No início, porém, os companheiros do time New Matter faziam piadas sobre a Maya de quem ele falava tanto, mas ninguém conhecia. A insistência em pedir dinheiro, porém, ligou um alerta depois de tantos anos. Quando citavam que o colega poderia ser vítima de um golpe, Roberto negava e trocava de assunto. Foi aí que familiares e amigos decidiram se juntar para fazer uma denúncia e dar início às investigações.

‘Amiga’ que apresentou golpista corre de repórter na rua

Procurada pelo “Le Iene”, Manuela negou que conhecesse o jogador e chegou a correr do cinegrafista. O repórter então mostrou à vítima a declaração da “amiga”, deixando-o abalado. Já Valeria, moradora da Sardenha, uma ilha italiana no Mediterrâneo, também tentou se esquivar dos questionamentos do programa televisivo. A reportagem indagou por que ela recebia o dinheiro de Roberto, ao que a acusada, de 50 anos, respondeu: “Enfim, seja o que for que eu fale, acho que você não acredita em mim”.

 

Crédito: oglobo.globo.com

Preso em Cabo Frio funcionário público que armazenava conteúdo de pornografia infanto-juvenil

Um funcionário público foi preso em flagrante por armazenar material com conteúdo de pornografia infanto-juvenil. O homem, de 54 anos, foi preso em Cabo Frio, na Região dos Lagos, na última quinta-feira (25).

De acordo com a polícia civil, o homem estava sendo monitorado pelo setor especializado no combate a abusos sexuais contra crianças e adolescentes.

Um mandado de busca e apreensão ainda foi cumprido para investigar o armazenamento e compartilhamento de arquivos de pornografia infantil na internet. O material será encaminhado para perícia para a comprovação dos elementos coletados.

 

Crédito: bandnewsfmrio.com.br