Prefeitura de Rio Bonito divulga nota sobre ‘revacinação’ e fala sobre responsabilização

A Prefeitura de Rio Bonito divulgou uma nota, nesta sexta-feira (30), em que alerta para a prática da “revacinação”, e suas responsabilizações legais. Segundo a publicação, a Secretaria Municipal de Saúde de Rio Bonito, através do Programa de imunização, alerta sobre o crime de revacinação. Pessoas procuram Unidades de Saúde para se imunizar com diferentes tipos de vacina contra a Covid-19, uma conduta que pode gerar responsabilidade cível e criminal por parte do “revacinado”, configurando fraude e dano moral coletivo, além de possíveis problemas de saúde. De acordo com a nota, está sendo feito um levantamento dos casos de “revacinação”, que serão encaminhados aos setores responsáveis.

“A ação segue a Recomendação Administrativa Nº 16/2021 do Ministério Público (MP) do estado do Rio de Janeiro. Segundo a equipe Sanitária, tal ato pode prejudicar a saúde e que não se sabe dos efeitos colaterais do ‘cruzamento ou sobreposição’ de doses de vacinas diferentes, além de comprometer o Plano Municipal de Vacinação com indivíduos já vacinados desviando doses que deveriam ser direcionadas ao restante da população ainda não agraciada pelo imunobiológico.

Informamos ainda que um levantamento dos casos de revacinação está sendo realizado através dos dados constantes dos sistemas informatizados e serão encaminhados ao setor responsável para acompanhamento de tais casos, bem como notificação ao Ministério da Saúde e Ministério Público para as devidas providências”.

 

 

Fonte: Secretaria de Comunicação Social

Prefeitura do Rio libera 10% de público no Maracanã para a partida do Flamengo na Libertadores

A Prefeitura do Rio divulgou, na última sexta-feira (30), a liberação da presença de 10% da capacidade total de público no Maracanã no jogo do Flamengo contra o Olímpia do Paraguai, pela Libertadores da América no dia 18 de agosto. A liberação para o público vai se dar em um percentual menor que o pedido pelo clube da Gávea.

Quem pode ir ao estádio:

– Torcedor vacinado com duas doses da vacina (ou dose única) há pelo menos 15 dias antes da data do jogo (comprovação via aplicativo ConecteSUS) e

– com resultado negativo de teste de antígeno para Covid-19, realizada em até 48 horas antes da partida (teste terá que ser feito em laboratório autorizado pelo clube).

Regras no estádio:

– uso de máscara e higienização das mãos;

– 10% da capacidade do estádio;

– espaço mínimo de 2 metros entre cada indivíduo ou família;

– controle de acesso de público.

Fonte: G1

Rio Bonito deve vacinar pessoas de até 18 anos contra Covid-19 em agosto

A expectativa do município de vacinar até o final de agosto toda população a partir dos 18 anos, segue o Programa Nacional Operacional e o Calendário Único do Estado do Rio, mas depende que as doses sejam entregues como previsto, informa a coordenadora de imunização de Rio Bonito, Jane Lima. Ela conta que assim como no resto do Brasil, Rio Bonito tem enfrentado o problema de parte da população não estar voltando para tomar a segunda dose. Rio Bonito já vacinou aproximadamente 24.300 pessoas. Desse total, apenas cerca de 8.500 tomaram a 2ª dose. Esse número reflete dois casos, os que já poderiam ter tomado, mas não retornaram, e os que ainda não podem tomar por conta do prazo de espera. Esse número de imunizados representa quase 50% da população que está apta a se vacinar.

A coordenadora analisa que podem haver dois motivos para o baixo número de imunizados com a 2ª dose, o esquecimento e a reação à vacina. “Muitos esquecem. Por exemplo, a AstraZeneca e a Pfizer, tem o tempo de retorno de 12 semanas. Então é um tempo longo, por isso muitas pessoas esquecem, principalmente aqueles com mais idade. Alguns por apresentarem algum evento adverso na aplicação da 1ª dose, não querem fazer a 2ª dose, então a gente fica naquela fase do convencimento de atender aquele paciente. Por mais que a gente oriente na hora da aplicação que pode ter alguma reação, o paciente as vezes na hora de tomar a vacina não presta muita atenção no que a gente fala. Aí vai para casa, apresenta a reação, e depois não quer fazer a segunda dose”, avalia Jane.

Segundo ela, a Prefeitura faz o acompanhamento de quem ainda não tomou a 2ª dose através dos profissionais dos postos de saúde dos bairros. Ela explica que essas pessoas são cadastradas e os agentes de saúde fazem visitas para saber o motivo de não retornarem. A coordenadora informa ainda que quem tem um parente com problemas de mobilidade ou está acamado, pode se dirigir ao posto de saúde do seu bairro e comunicar para que uma equipe vá até a casa da pessoa e o imunize. Quem mora no Centro, na Região da Rua Pedro Colares, e no bairro Caixa D’Água, pode procurar o Centro Pediátrico Municipal Dr. Almir Branco, localizado no Centro da cidade.

 

Vacinação para quem não mora na cidade

A vacinação fora do município em que a pessoa mora é uma discussão em todo o Brasil. De acordo com Jane Lima, Rio Bonito está vacinando também pessoas que trabalham na cidade, mas para isso, é necessário levar um comprovante. “No início da campanha de vacinação, foi dado muita ênfase para que fossem vacinados os que trabalham conosco, embora morem em outro lugar, e os nossos moradores, por causa das doses recebidas. Agora, como já está todo mundo (os municípios) mais ou menos na mesma idade, no mesmo grupo, no momento da aplicação, a gente está pedindo comprovante de residência ou para levar comprovante do vínculo empregatício daqui”, orienta a profissional.

 

Calendário de vacina de Rio Bonito

Nas redes sociais, as pessoas têm se queixado sobre a divulgação “em cima da hora” do calendário de vacinação da semana. Sobre esse assunto, Jane explica que tudo tem a ver com a chegada das doses no município. “A gente pensa que colocar um calendário muito pra frente sem ter o número de doses já no município, seria muito complicado. A gente costuma fazer o calendário de acordo com o que a gente já tem. Recebemos vacina uma vez por semana, as vezes duas. Temos recebido semanalmente, mas em quantidade de doses pequenas, em alguns momentos recebemos mais. Já teve momento que recebemos 2 mil doses, mas as vezes recebemos pouco mais de 200”, explica ela.

 

Vacina da gripe

Em meio a campanha de vacinação contra Covid-19, outra vacina, popularmente conhecida como vacina da gripe, acabou caindo no esquecimento. Todos os anos, no primeiro semestre, principalmente idosos são o público-alvo da campanha. Mas este ano, o Ministério da Saúde determinou que pessoas a partir dos 6 meses de vida podem se imunizar contra a influenza.

Jane lembra que no ano passado a campanha superou as expectativas em Rio Bonito, e rapidamente o público alvo foi atingido. Mas neste ano, o cenário está diferente. “Ano passado foi muito bom porque rapidamente a gente conseguiu vacinar a população. Muitos acreditavam que a vacina da influenza teria alguma relação com a da covid, mas nesse ano nós tivemos dificuldade porque chegou em um momento em que os pacientes tinham que fazer a segunda dose da covid, e estavam iniciando a vacina contra influenza. Como a vacina da covid está com um intervalo mínimo de 14 dias para (se vacinar com) qualquer vacina do calendário básico, deu uma complicada para a gente atingir esse público da influenza”.

A vacina da gripe, assim como todas as vacinas do calendário base para crianças, adolescentes e adultos, estão disponíveis no Centro Pediátrico Municipal Dr. Almir Branco, no Centro da cidade.

 

 

Lívia Louzada

Rio deve retomar aplicação da primeira dose contra covid-19 na quinta

A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) do Rio de Janeiro pode retomar a aplicação da primeira dose da vacina contra a covid-19 na quinta-feira (29). A imunização foi suspensa na sexta-feira (23) por falta de doses.

Em sua conta no Twitter, o prefeito Eduardo Paes, anunciou no início na tarde de hoje (26) que a prefeitura recebeu uma ligação do Departamento de Logística do Ministério da Saúde.

“Acabamos de receber uma ligação do departamento que nos informou estar adiantando as entregas nesta semana para a noite de hoje. Agradeço muito a parceria do ministro Marcelo Queiroga na aceleração desse processo”.

O Ministério anunciou que serão entregues para todo o país nos, próximos três dias, 3,812 milhões de doses da vacina AstraZeneca/Fiocruz; 1,036 milhão da AstraZeneca entregues pela Covax Facility; 3,335 milhões do imunizante CoronaVac/Butantan; e 2,104 milhões da Pfizer/BioNTech.

“Em se confirmando a previsão de entregas de doses pelo Ministério da Saúde na terça e na quarta-feira, o município do Rio retomará a vacinação até quinta-feira (29)”, informou a SMS em nota.

Pelo calendário divulgado no dia 15 de julho, o Rio de Janeiro aplicaria a primeira dose hoje nas mulheres de 34 anos e amanhã seria o dia dos homens da mesma idade.

 

Fonte: Agência Brasil

OMS pede colaboração para investigar origens do novo coronavírus

A Organização Mundial da Saúde (OMS) pediu, na última sexta-feira (23), que todos os países trabalhem juntos para investigar as origens do coronavírus que causa a covid-19, um dia depois de a China rejeitar planos para mais checagens a laboratórios e mercados em seu território.

Os primeiros casos de covid-19 em humanos foram registrados na cidade de Wuhan, região central da China, em dezembro de 2019. A China várias vezes rechaçou teorias de que o vírus vazou de um laboratórios.

Este mês, a OMS propôs que as investigações na China prosseguissem, mas o vice-ministro da Comissão Nacional de Saúde do país, Zeng Yixin, disse na quinta-feira que não aceitaria a proposta como ela foi apresentada.

Ao ser questionado sobre a rejeição da China, o porta-voz da OMS, Tarik Jasarevic, disse durante uma reunião da ONU, em Genebra, que o objetivo não era encontrar culpados. “Isto não é sobre política, não é sobre encontrar culpados.”

“É basicamente um requisito que todos temos de tentar entender: como o patógeno entrou na população humana. Nesse sentido, os países têm a responsabilidade de trabalhar juntos e trabalhar com a OMS em espírito de parceria.”

Uma equipe liderada pela OMS passou quatro semanas em Wuhan e nos arredores com cientistas chineses e disse em um relatório conjunto, em março, que o vírus havia provavelmente sido transmitido de morcegos para humanos por meio de outro animal, mas que mais pesquisas eram necessárias.

 

 

Fonte: Agência Brasil