Desenvolvimento Social lança serviço Família Acolhedora em Itaboraí

A Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social (SEMDS), lançou o serviço Família Acolhedora, no salão nobre da Prefeitura de Itaboraí, nesta segunda-feira (13/11).
às
ita
Foto: SECOM

A Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social (SEMDS), lançou o serviço Família Acolhedora, no salão nobre da Prefeitura de Itaboraí, nesta segunda-feira (13/11). O serviço tem como principal objetivo promover o acolhimento familiar provisório de crianças e adolescentes em situação de privação do convívio com a família de origem.

Segundo o secretário municipal de Desenvolvimento Social, Marcos Araújo, a implantação e execução do serviço de acolhimento familiar, denominado Programa Família Acolhedora foi aprovada e sancionada como lei municipal nº 2.686, de 28 de maio de 2018, mas nunca foi executada no município.

“Família Acolhedora é um serviço que conta com a integração da rede, por isso, temos que unir forças para contribuir com a transformação da vida dessas crianças e adolescentes. Nosso objetivo é disseminar as informações e fazer com que as famílias se inscrevam no programa. E assim, garantir o direito das crianças e adolescentes de Itaboraí, ao convívio familiar, tornando o acolhimento institucional exceção a regra”, disse o secretário.

O serviço Família Acolhedora constitui-se na guarda provisória de crianças e/ou adolescentes por famílias previamente cadastradas no programa, devidamente habilitadas, residentes no município de Itaboraí, que tenham condições de recebê-las e mantê-las condignamente. Assim, garantindo a manutenção dos direitos básicos necessários ao processo de crescimento e desenvolvimento, oferecendo meios necessários à saúde, educação e alimentação, com acompanhamento direto da Assistência Social do município, do Juízo de Infância e Juventude da Comarca e da Promotoria de Infância e Juventude de Itaboraí.

De acordo com a coordenadora do Família Acolhedora em Itaboraí, Andréa Abreu, apenas 16 municípios no estado do Rio de Janeiro, possuem o programa implantado e executado. O acolhimento é de caráter excepcional, provisório e temporário, e sem chances de adoção. Para adotar são outros trâmites.

“Na Família Acolhedora esse vículo é trabalhado desde o início, por isso a importância do profissional de psicologia, a questão do apego. Nós mesmo temos vínculos temporários durante toda a nossa vida. Importante é que sejam vínculos saudáveis e que façam bem para aquela criança, naquele momento. Não estamos procurando famílias perfeitas, mas vamos atender aos critérios do legislador que são bem rigorosos e fazer avaliação”, destacou Andréa.

As pessoas interessadas em participar do Programa Família Acolhedora deverão atender os seguintes critérios: não estar respondendo processo judicial e nem apresentar potencialidade lesiva para figurar no cadastro; ter moradia fixa no municípiohá pelo menos três anos; ter disponibilidade diária de pelo menos um período, matutino ou vesperino, além do período noturno, para oferecer proteção, apoio e incentivo às crianças e aos adolescentes eventualmente acolhidos; ter idade entre 21 e 65 anos, sem restrição quanto ao sexo e estado civil; gozar de boa saúde; declarar mediante assinatura de termo o não interesse em adoção e apresentar concordância de todos os membros da família maiores de 16 anos que vivem no lar.

O cadastro das famílias terá início no próximo dia 21 de novembro (terça-feira) até o dia 1º de dezembro, na sede da SEMDS, localizada na Rua Liajane Carvalho da Silva, n° 97, em Nancilândia. Horário de funcionamento, de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h. No ato do cadastro, a família passará por entrevista social com psicólogo e assistente social. A SEMDS oferecerá um auxílio, no valor de 2/3 do salário mínimo vigente, para ajudar nas custos com o menor. O tempo de permanência da criança e/ou adolescente na Família Acolhedora é de seis meses, podendo ser estendido.

Com o slogan ‘A tempestade passa, a vida continua’, a palestra de apresentação e implantação do serviço no município foi ministrada pela Drª. em Serviço Social pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ), a assistente social Natália Figueiredo. E ainda com relatos e experiências da mãe acolhedora, Benedita de Souza, do bairro de Santa Cruz, zona oeste do Rio de Janeiro.

O evento contou com a participação de representantes das secretarias municipais de Desenvolvimento Social; Educação (SEMED); Saúde (SEMSA) e de Defesa Civil. Além de representantes do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (CMDCA); Conselho Tutelar, Poder Judiciário e representantes do serviço de Acolhimento Familiar das cidades de Rio Bonito e São Gonçalo.

Veja também

Encerradas definitivamente, sistema de transferências via DOC, um dos mais tradicionais meios de pagamentos bancários por décadas.
às

Deixe aqui sua opinião

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Últimas Notícias