Ex-prefeito de Cabo Frio é condenado a 8 anos de inelegibilidade

às

Marquinho Mendes (MDB) foi condenado pelo Tribunal Regional Eleitoral do Estado do Rio (TRE-RJ) por abuso de poder econômico nas eleições de 2016 com seu mandato encerrado em 2018. Agora o político está inelegível até 2024 a contar de 2016, ano em que o ex-prefeito cometeu as irregularidades apuradas.

Foi entendido que Marquinho Mendes ofereceu dinheiro e cargos num então futuro governo a candidatos a vereador em troca da coligação adversária. Na ocasião, Marquinho foi eleito pela coligação De Mãos Dadas por Cabo Frio, que reunia PTB, PTN (atual PODE), SD, PTdoB (atual AVANTE), PROS, PPS, PSC, PRB, PEN (atual PATRI), DEM e PRTB.

“A oferta de vantagens com vistas à desistência de candidatura, quando já deflagradas as campanhas, denota, ao invés de mera busca de apoio político, o efetivo abuso dessa prerrogativa. Isso porque Marquinho Mendes e os demais investigados, por meio da utilização indevida de recursos e da oferta de cargos no futuro governo, buscaram alterar o cenário do pleito, a fim de evitar a eleição de vereadores de oposição, enfraquecendo a corrente política adversária”, redigiu a relatora do processo, desembargadora eleitoral Cristina Feijó, que completou seu voto alegando que “a conduta dos investigados configura, ainda, fraude capaz de malferir a legitimidade e afetar o resultado das eleições”.

No mesmo processo, ao reformar a decisão do Juízo da 96ª Zona Eleitoral, de Cabo Frio, o Colegiado também declarou a inelegibilidade, também por 8 anos, de Andrezinho Bandeira (PPS), suplente de vereador, e de Dr. Carlos Victor (DC), irmão de Marquinho que concorreu a deputado federal nas eleições de 2018.

Fonte: Portal RC24H

Veja também

Criminosos desviaram R$ 640 mil da conta das vítimas para laranjas. Quadrilha aplicou golpe do empréstimo consignado em pelo menos 17 pessoas.
às

Deixe aqui sua opinião

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Últimas Notícias