‘Fábrica de Vetos’ incomoda vereadores em Cabo Frio

às

Nas primeiras sessões do ano na Câmara de Cabo Frio, um fato chamou a atenção além dos discursos e da recém-criada CPI do Hospital da Mulher: o grande número de vetos do prefeito Adriano Moreno (Rede) aos projetos de lei dos vereadores.

Sem contar a sessão de terça-feira da semana passada, apenas para instalação dos trabalhos, figuraram nas duas últimas pautas nada menos do que 25 matérias rejeitadas pelo Executivo municipais, sendo 15 vetos totais e 10 parciais (quando apenas parte do projeto é rejeitado).

Foram barradas as proposições de oito vereadores, sete dos quais considerados integrantes da base governista. Ninguém admite publicamente, mas o fato já começa a causar certo mal-estar nos corredores do Legislativo, segundo apurou a reportagem. Nesse contexto, ganha corpo a ideia de que falta articulação política do governo com os vereadores, o que gera um princípio de desgaste na relação entre os poderes.

Recordista em matérias vetadas, com 11, a vereadora Letícia Jotta (PSC) garante fidelidade ao governo, por querer “vê-lo dar certo”, mas cobra mais diálogo por parte do Executivo.

– Um dos meus projetos era custo zero, quando pedi a implantação do Dia do Deficiente Visual. A falta de diálogo está ficando bem clara e, nem com um líder, o governo está conseguindo articular para que não houvesse veto dessas matérias ou, pelo menos, que não tivesse essa quantidade de vetos. Uma vez que tenha vício no projeto, isso é articulação. Isso tem que ser feito antes de vir para a Casa, se tiver um erro, acertar. Se todos fazem parte do mesmo governo, tem que haver um diálogo – reclama Letícia Jotta.

A insatisfação com o assunto foi tema de um discurso do líder da oposição, Rafael Peçanha (PDT), há uma semana. Segundo o pedetista, a chamada ‘fábrica de vetos’ teve a atuação acentuada no atual governo em relação ao do ex-prefeito Marquinho Mendes.

– Praticamente todos os projetos são vetados pelo prefeito. Em alguns projetos, obviamente, isso faz parte do processo democrático, quando o Executivo encontra alguma irregularidade, mas existe uma grande parte desses projetos que não tem custo para a prefeitura que não tem nenhuma irregularidade e são vetados, parece que apenas pelo desejo do prefeito de não deixar a Câmara trabalhar. O prefeito quer governar sozinho, mas também não governa. Cada secretaria funciona do seu jeito sem que o prefeito tenha pulso – critica ele, que teve três projetos devolvidos pelo prefeito.
Para Aquiles Barreto (SD), o conflito entre o governo e Câmara será inevitável caso os vetos continuem.

– Isso me traz estranheza, pois é um prefeito que já foi vereador e disse que a relação do governo com a Câmara seria bacana, mas não tem essa interlocução. É zero de articulação política e aí veta tudo. Estão vetando até prerrogativa do vereador, como a criação de datas especiais. A Câmara vai começar a derrubar veto do prefeito e isso gerar uma disputa de poderes. A gente tem que respeitar o prefeito e a Procuradoria, mas é importante o vereador se respeitado na função que foi eleito pelo povo – disse Aquiles.

Nem mesmo o líder do governo, vereador Miguel Alencar (PPS), foi poupado. Dois de seus projetos foram vetados e foram reenviados para a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara. Evitando criar polêmica, Miguel diz que cada caso deve ser avaliado separadamente.

– Já avaliava isso no governo do Marquinho. Todo veto tem sua justificativa legal. Cada um dos vetos pela Comissão de Constituição e Justiça tem que ser avaliado para saber o motivo disso e a legalidade. Sabendo isso, a gente avalia. Não acredito que o governo vete por vetar. Tem sempre uma justificativa. Tem veto parcial de matéria minha. Acho que tem que ser avaliado – comentou.

Em nota, a Prefeitura informou que “apesar da relevância desses projetos de lei, nenhum deles foi vetado pelo prefeito por motivos políticos e sim por estarem em inconformidade com a lei e serem inconstitucionais” e por “criar despesas sem indicação da fonte de custeio e definindo atribuições a órgãos municipais, o que é vetado pela Constituição e a Lei Orgânica do município”.

Libras e criação de ‘dias’ tesourados – Entre os projetos vetados pelo prefeito Adriano, há proposições que vão da criação de dias e semanas específicas, dedicadas a alguma causa ou segmento, à instituição de novas atribuições ou programas nos serviços públicos municipais.
Um deles, de autoria do vereador Luis Geraldo (PRB), obriga o ensino de Língua Brasileira de Sinais (Libras) desde a Educação Infantil ao Ensino Fundamental.

Outro projeto momentaneamente embarreirado é da vereadora Letícia Jotta (PSC), que cria programa educacional de combate e controle da Aids na rede pública de ensino, durante o mês de dezembro.

Entre as matérias que propõem a criação de dias e semanas específicas estão do vereador Miguel Alencar (PPS), que cria a Semana Municipal da Juventude, e uma do Rafael Peçanha (PDT), que institui o Novembro Negro – mês de conscientização e reflexão sobre a causa negra em Cabo Frio.

O que diz o regimento interno

O trâmite do projeto de lei que volta à Câmara após ser vetado pelo chefe do Executivo está previsto entres os artigos 162 e 164 do Regimento Interno. No momento, os 25 vetos foram encaminhados para a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), que poderá solicitar audiência de outras comissões. O prazo para manifestação é de dias.
Caso isso não aconteça, o presidente da Casa, vereador Luis Geraldo (PRB) colocará o projeto na pauta imediatamente seguinte ao fim do prazo, independentemente do parecer. A Mesa Diretora convocará, de ofício, uma sessão extraordinária para discutir o veto no prazo de 30 dias a partir do seu recebimento no protocolo geral da Câmara.
A apreciação do veto será feita em discussão e votação única. Cada vereador poderá usar 15 minutos para expor o que pensa sobre o veto, que para ser derrubado, precisa do voto da maioria absoluta dos 17 vereadores.
Caso o Veto não seja mantido, o Projeto será enviado ao Prefeito para promulgação. Se o Projeto não for promulgado dentro de 48 (quarenta e oito) horas pelo prefeito, Luis Geraldo o promulgará.

Fonte: Portal Folha dos Lagos 

Veja também

Light afirma que teve que fazer uma parada emergencial por causa de um defeito na rede subterrânea.
às

Deixe aqui sua opinião

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Últimas Notícias