Ministério Público dá prazo para Ministro da Educação justificar carta pedindo filmagem de alunos

às

O Ministério Público Federal concedeu ao Ministro da Educação, Ricardo Vélez Rodriguez, 24 horas de prazo para justificar a carte enviada através do MEC, na qual pedia que as escolas colocassem os alunos perfilados entoando o Hino Nacional e repetissem o slogan da campanha eleitoral do presidente Jair Bolsonaro, e gravassem a ação. A Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão (PFDC), órgão do MPF, acrescenta a ordem que a justificativa precisa estar baseada em preceitos legais e constitucionais aos quais todos os agentes públicos respondem. O prazo foi determinado “em razão da urgência que o caso demanda”. O ofício foi autorizado pelo Procurador Federal dos Direitos do Cidadão Substituto, Domingos Sávio Dresch da Silveira, do Grupo de Trabalho de Educação em Direitos Humanos.

Nesta terça-feira (26), Vélez Rodriguez voltou atrás e classificou como “erro” o pedido. O ofício da Justiça menciona 17 leis que a ordem do ministro estaria desrespeitando, incluindo o artigo 15 do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), que assegura que “a criança e o adolescente têm direito à liberdade, ao respeito e à dignidade como pessoas humanas em processo de desenvolvimento e como sujeitos de direitos civis, humanos e sociais garantidos na Constituição e nas leis” e o direito a opinião, expressão, crença e culto religioso garantido pela legislação, além do artigo 5 da Constituição Federal, que determina a liberdade de manifestação de pensamento, de expressão e de crença, passível de punição em caso de discriminação ou atentado contra o direito.

Também é mencionado o artigo 37 da Constituição, no qual consta que a publicidade promovida pelos órgãos públicos deverão possuir caráter educativo e de orientação, sendo proibido a promoção de nomes, símbolos ou imagens pessoais de autoridades e funcionários públicos.

“Eu percebi o erro. Tirei essa frase [com slogan do governo], tirei a parte correspondente a filmar crianças sem a autorização dos pais. Evidentemente se alguma coisa for publicada será dentro da lei, com a autorização dos pais. Saiu hoje [terça-feira, 26] de circulação”, disse o ministro aos jornalistas.

 

Veja também

Criminosos desviaram R$ 640 mil da conta das vítimas para laranjas. Quadrilha aplicou golpe do empréstimo consignado em pelo menos 17 pessoas.
às

Deixe aqui sua opinião

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Últimas Notícias