Formatura vira caso de polícia no Complexo do Alemão

Alunos do 3º ano do ensino médio contam que dinheiro foi arrecadado para organizar a festa de formatura.
às
Screenshot_1
A festa de formatura do Colégio Estadual Tim Lopes, no Complexo do Alemão, na Zona Norte do Rio de Janeiro, virou um caso de polícia na noite de segunda-feira (18). — Foto: Reprodução/ TV Globo

Festa de formatura do Colégio Estadual Jornalista Tim Lopes, vira caso de polícia no Complexo do Alemão, na Zona Norte do Rio de Janeiro.

Segundo os alunos, eles deram o dinheiro para uma colega organizar a festa do 3º ano do ensino médio, mas ela disse que perdeu o valor.

Formatura vira caso de polícia no Complexo do Alemão
Formatura vira caso de polícia no Complexo do Alemão – Foto: Reprodução/ TV Globo

Veja também: Justiça proíbe apreensão de menores sem ser em flagrante siga nossas Redes Sociais.

O caso se tornou uma confusão na porta da instituição de ensino. A estudante, de 19 anos de idade, disse que perdeu R$ 19 mil. Com medo de que ela fosse linchada, a direção da escola solicitou a presença de uma viatura da Polícia Militar para que a jovem fosse escoltada do lugar.

A festa estava prevista para acontecer nesta terça (19) desse modo, foi arrecadado R$ 21 mil. Pais de alunos e os estudantes registraram queixa na 22ª DP (Penha).

Aluna recebia dinheiro arrecadado

A celebração seria em uma casa de festas em Vista Alegre, na Zona Norte do Rio. Desde o começo do segundo semestre deste ano, a turma estava fazendo depósitos e transferências para a conta da estudante.

“Foi lá no meio de julho, a gente começou a decidir essa formatura. Ela chegou com essa proposta de fazer em um salão, fazer a formatura por fora da escola”, contou o estudante Felipe Oliveira.

Os alunos se interessaram pela proposta.

“Ela ofereceu a formatura em um salão de nome aqui da Penha e todo mundo se interessou porque é uma coisa nova, melhor para os nossos parentes, entendeu?”, disse Lucas Silva.

Uma aluna detalhou como a estudante chamou o grupo para aderir ao pacote.

“Ela fez um orçamento, foi no salão, explicou para a gente como seria, que cada um teria que convidar cinco pessoas, e se você não conseguisse ter cinco pessoas, você teria que dar sua vaga”, afirmou Kesia Cunha.

A descoberta de que o lugar não tinha sido pago veio de uma conversa com o dono do estabelecimento.

“Fomos pro salão, estavam os dois donos lá, sentamos para conversar. Mostraram a conversa, mostraram o áudio, mostraram tudo. E ela falou que pagou, que pagou. Depois que mostraram toda a verdade, ela falou: ‘Eu perdi. Saquei R$ 19 mil e perdi’. Como é que perde R$ 19 mil? É um bolo de dinheiro”, disse a estudante Karen Menezes.

A aluna contou que, há alguns meses, retirou cerca de R$ 1,8 mil para dar entrada na festa.

Ela contou também que sacou o dinheiro e levou para casa. No dia 30 de novembro, colocou os R$ 19 mil na bolsa e foi para escola, e em algumas lojas de Duque de Caxias porém quando chegou em casa se deu conta que o tinha perdido.

A estudante contou que, no dia que perdeu o dinheiro, ia até a casa de festas quitar a dívida da formatura.

Escola não ajudou a organizar festa de Formatura

De acordo com a direção do Colégio Estadual Jornalista Tim Lopes, a formatura oficial aconteceu na última sexta (15).

“Nós fomos pegas de surpresa. A diretora-geral nada sabia sobre isso, eu não sabia, eu sou agente de pessoal da escola e não sabia de nada. Não teve nenhuma participação oficial, então era um acordo de aluno para aluno. Houve também uma negligência dos responsáveis, que confiaram em uma aluna sem ter o respaldo de uma forma mais criteriosa em dar dinheiro para uma aluna fazer uma formatura”, afirmou a professora Maria Celeste Veras.

Em nota, a Secretaria Estadual de Educação afirmou que a formatura oficial aconteceu normalmente e que o evento fora da escola estava sendo organizado pelos próprios alunos e que dessa maneira não tem nada a ver com a instituição de ensino.

A Polícia Civil instaurou um inquérito e afirmou que está fazendo diligências e ouvindo depoimentos dos envolvidos.

Fonte: g1

Veja também

Alternar braços, durante a vacinação não é apenas uma escolha prática, mas uma estratégia que pode resultar em melhor resultado
às
AquaRio, abre mais cedo para receber pessoas com Transtorno do Espectro Autista (TEA) e suas famílias circuito adaptado das 8h30 às 10h
às

Deixe aqui sua opinião

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Últimas Notícias