Segundo órgão internacional, a polícia de Santa Catarina detectou sinal de celular que indica local de avião que desapareceu na Argentina

A Defesa Civil da província de Chubut, na Argentina, afirmou nesta quinta-feira (14) que a Polícia Civil de Santa Catarina detectou sinais de celular que indicariam a possível localização do avião com brasileiros que desapareceu no país vizinho há uma semana. Com a nova informação, profissionais do órgão internacional fazem buscas no leste de Comodoro Rivadavia, cerca de dois quilômetros da costa.

A informação foi confirmada por José Mazzei, sub-secretário de Proteção Civil e Gestão de Riscos de Chubut. Segundo o órgão, o foco da procura ocorre no mar, já que a triangulação das antenas dos aparelhos indicam um ponto na água. Vinte profissionais trabalham nesta quinta.

O portal SC procurou a Secretaria de Segurança Pública (SSP) do estado nesta quinta-feira. Não ouve retorno até a última atualização da matéria.
“Estamos tratando de usar toda a tecnologia que há a disposição. Hoje, reduziu o número de pessoas que atuam nas buscas porque estamos em uma zona muito particular, que exige muita precisão com o equipamento”, afirmou.

No avião que desapareceu em 6 de abril, estavam o empresário de Florianópolis Antônio Carlos Castro Ramos, o advogado Mário Pinho e o médico Gian Carlos Nercolini. A aeronave é de pequeno porte. O último contato com a torre de controle foi ao Norte da cidade de Comodoro Rivadavia, na região da Patagônia.

Conforme Mazzei, as aeronaves têm sistema de posicionamento para casos de emergência. No entanto, no caso do avião brasileiro ele não foi ativado. Conforme o sub-secretário, somente uma investigação poderá determinar o que aconteceu.

Força-tarefa suspensa

Na terça (12), o governo catarinense pediu ajuda ao ministro Carlos França para dar continuidade nas buscas. Bombeiros e cães de resgate de Santa Catarina foram colocados à disposição para ajudar nos trabalhos. A força-tarefa montada para procurar os três ocupantes foi suspensa na segunda-feira (11).

“Estivemos em contato com anterioridade com a polícia [do Brasil] para pensar em estratégia de busca e entender que o melhor era adotar essa tecnologia de informação”, disse Mazzei.

Crédito: portal g1

Avião que desapareceu na Argentina é de empresário de Florianópolis; saiba quem são os ocupantes

O avião brasileiro de pequeno porte que desapareceu do radar na Argentina na tarde de quarta-feira (6) pertence ao empresário da construção civil de Florianópolis, Antônio Carlos Castro Ramos. De acordo com familiares, ele estava na aeronave junto com outros dois amigos quando não foi mais localizado.

Segundo Adriana Althoff, que é prima da esposa do advogado Mário Pinho, as buscas retomaram nesta quinta-feira (7). Além do Toninho, como é conhecido Antônio Carlos Castro Ramos, estava na aeronave o advogado Mário Pinho e o médico Gian Carlos Nercolini.

A família do empresário saiu de Florianópolis nesta quinta para acompanhar as buscas no país vizinho.

“Os três tripulantes do avião são amigos. Todos têm seus próprios aviões e são pilotos experientes”, disse ela ao g1 SC.

Conforme o comunicado da Empresa Argentina de Navegação Aérea (EANA), autoridade que coordena o trânsito aéreo no país, a aeronave possui a matricula PP-ZRT. O número corresponde ao modelo RV-10, que é do empresário da Capital, segundo a Agência Nacional de Aviação Civil brasileira (ANAC).

O avião brasileiro teria participado de um show aéreo em Comodoro Rivadavia. De lá, duas aeronaves saíram para El Calafate e depois seguiram para Trelew. Um dos aviões não chegou ao destino.

De acordo com a autoridade que coordena o trânsito aéreo no país, a aeronave com os brasileiros em voo teve o último contato registrado com o Centro de Controle da Área Comodoro Rivadavia (ACC).

“Após várias tentativas de comunicação, o ACC Comodoro Rivadavia comunicou o alerta ao Serviço de Busca e Salvamento (SAR), ativando nesse ato o respetivo protocolo de busca da aeronave pela EANA”, informou o órgão.

“Desta forma, à tarde, sob condições meteorológicas desfavoráveis, iniciou-se a mobilização de forças pela Prefeitura Naval Argentina com o destacamento marítimo da Guarda Costeira 150 e 151; e a implantação aérea do aeroporto Comodoro Rivadavia da aeronave BE-350 matrícula PA-22. Da mesma forma, a Força Aérea Argentina mobilizou o SAAB SF-340. Defesa Civil de Chubut também participou da busca com apoio terrestre”.

Segundo a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), esse avião não era autorizado a voar por instrumento, apenas visual. O voo por instrumento auxilia em mau tempo.

 

Crédito: G1

Cocaína ‘envenenada’ mata pelo menos 20 pessoas na Argentina

Ao menos 20 pessoas morreram e mais de 70 foram hospitalizadas na periferia noroeste de Buenos Aires vítimas de intoxicação por cocaína adulterada, supostamente com opiáceos, informaram as autoridades.

O balanço de vítimas fatais e pessoas internadas em oito hospitais da região foi confirmado por um porta-voz do governo da província de Buenos Aires.

As autoridades de saúde divulgaram durante a tarde um “alerta epidemiológico” por consumo de cocaína alterada com “opiáceos” e afirmaram que os serviços de emergência continuavam registrando pessoas “em estado grave”, o que provocava uma “constante ampliação do número de pessoas hospitalizadas”.

“Há falecidos em via pública e residências que ainda não foram identificados”, afirmou uma fonte da secretaria de Saúde provincial.

A polícia anunciou a detenção de pelo menos 10 pessoas em uma casa do bairro ‘Tres de Febrero’, a 40 quilômetros da capital, onde os investigadores acreditam que a cocaína adulterada foi misturada e distribuída.

O Ministério Público pediu aos compradores de cocaína da populosa área que circunda a capital argentina, com quase 14 milhões de habitantes, que se desfaçam da droga adquirida recentemente.

“Foi determinado que uma substância muito tóxica comercializada como cocaína está circulando”, disse a Promotoria do distrito de San Martin, uma das localidades que registrou mortes, além de Hurlingham e Tres de Febrero.

As vítimas, que incluem vários homens com idades entre 30 e 40 anos, teriam sofrido convulsões violentas e paradas cardíacas, segundo relatos de médicos citados pela imprensa local.

Beatriz Mercado contou à AFP que encontrou o filho de 31 anos no chão da cozinha durante a madrugada e o levou ao hospital.

“Eu o encontrei caído no chão. Mal, muito mal, quase não respirava, com os olhos virados para trás”, disse. Ele permanece internado e respira com a ajuda de aparelhos.

O cunhado de María Morales, de 41 anos, “está entubado em estado grave”.

“Queremos que consiga superar e que seja curado de seu vício” declarou Morales.

Os internados estão em oito hospitais do norte e oeste da Grande Buenos Aires, afirmou uma fonte da secretaria de Segurança da capital.

O secretário de Segurança de Buenos Aires, Sergio Berni, explicou que “todo traficante que compra cocaína a fraciona. Alguns fazem isso com substâncias não tóxicas, como amido. Outros colocam alucinógenos e, sem nenhum tipo de controle, estas coisas acontecem”.

O procurador do distrito de San Martín, Marcelo Lapargo, descreveu o incidente como “absolutamente excepcional”.

“As pessoas dizem que isso acontece na América Central ou em outros lugares, mas (aqui) nunca. Pode ser um acerto de contas, mas é uma conjectura porque não temos antecedentes”, declarou à rádio Mitre.

 

Crédito: Jornal O Dia

Em meio a onda de calor, cidade Argentina é invadida por besouros

Uma cidade da Argentina foi invadida por milhares de besouros em meio a uma onda de calor sem precedentes que atinge a região nesta semana.

Como medida para tentar reduzir os efeitos do ataque e tentar enganar os insetos, a prefeitura de Santa Isabel, na província de La Pampa, ordenou apagar a iluminação pública.

Segundo a imprensa local, há registro de danos em propriedades públicas e privadas, e dezenas de fotos nas redes sociais mostram os besouros acumulados em tetos e calhas da cidade.

“É impressionante a quantidade”, disse o chefe de polícia Omar Sabaidini ao site regional Info Huella. “Em alguns casos provocaram danos às construções, na delegacia estragaram a cobertura.”

A medida de apagar as luzes durante a noite é uma aposta de Cristian Echegaray, responsável pela administração local, após reunião com o corpo de bombeiros e polícia.

“Resolvemos apagar a iluminação pública porque esse inseto busca lugares iluminados”, justificou Echegaray ao Info Huella.

Cindy Fernández, funcionária do Serviço Meteorológico Nacional, comentou em sua rede social que os animais – chamados em espanhol de cascarudos – “são inofensivos”, mas que voam descontroladamente e saem trombando com força contra tudo o que estiver pelo caminho.

Os insetos, que pertencem à família Melolonthidae (Coleoptera), vivem parte de seu ciclo como larvas enterradas no solo, e no verão com temperaturas crescentes, os adultos vêm à superfície para iniciar sua reprodução – e depois morrem. Com as altas temperaturas deste ano, essa dinâmica foi alterada.

A esperança da população de Santa Isabel, a 860 km de Buenos Aires, é de que os insetos comecem a evitar a área nos próximos dias, por conta da falta de iluminação.

O engenheiro agrônomo Gabriel Lara afirmou que os besouros – assim como outros insetos – são atraídos pela luz, no fenômeno conhecido como fototaxia.

Enquanto isso, moradores e autoridades locais passam o dia retirando os cascudos e enchendo caixas e carrocerias com milhares de besouros para retirá-los da área urbana.

 

Após recusa do governo federal, Argentina oferece ajuda direta à BA e governador diz que aceitará sem passar pela diplomacia brasileira

Após a recusa do governo Federal em receber ajuda humanitária da Argentina, o governador da Bahia, Rui Costa, anunciou, através das redes sociais, que o estado aceitará ajuda de forma direta, sem que o apoio precise passar pela diplomacia brasileira.

“A Argentina ofereceu ajuda humanitária às cidades afetadas pelas chuvas na Bahia, apesar da negativa do Governo Federal. Me dirijo a todos os países do mundo: a #Bahia aceitará diretamente, sem precisar passar pela diplomacia brasileira, qualquer tipo de ajuda neste momento”, disse o governador pelas redes sociais.

“Os baianos e brasileiros que moram aqui no estado precisam de todo tipo de ajuda. Estamos trabalhando muito, incansavelmente, para reconstruir as cidades e as casas destruídas, mas a soma de esforços acelera este processo, portanto é muito bem-vinda qualquer ajuda neste momento”, completou.

De acordo com o governo estadual, a Argentina ofereceu envio imediato de dez profissionais especializados nas áreas de água, saneamento, logística e apoio psicossocial para vítimas de desastres. Antes da recusa do Itamaraty, o governador do estado chegou a fazer um pedido de autorização para a missão estrangeira. No entanto, o Ministério das Relações Exteriores recusou o apoio.

O g1 teve acesso com exclusividade ao documento do Ministério das Relações Exteriores que foi enviado à embaixada da Argentina que dispensa a ajuda oferecida. Em um trecho do documento, o governo federal afirma que os recursos pessoal e financeiro são suficientes, com reserva de R$ 200 milhões para enfrentar a emergência.

Nesta quinta-feira (30), o presidente Jair Bolsonaro comentou a negativa. “Em contato com o Itamaraty, a Chancelaria Argentina ofereceu assistência de 10 homens (“capacetes brancos”) para trabalho de almoxarife e seleção de doações, montagem de barracas e assistência psicossocial à população afetada pelas enchentes na Bahia”, escreveu Bolsonaro nas redes sociais.

“O fraterno oferecimento argentino, porém muito caro para o Brasil, ocorre quando as Forças Armadas, em coordenação com a Defesa Civil, já estavam prestando aquele tipo de assistência à população afetada, inclusive com o apoio de 3 helicópteros da Marinha e Exército”

Segundo Bolsonaro, o auxílio da Argentina não é necessário no momento em que mais de 629 mil pessoas são afetadas pelas chuvas na Bahia, e 91.258 estão desabrigadas ou desalojadas. Ao todo, 136 cidades baianas estão em situação de emergência.

“A avaliação foi de que a ajuda argentina não seria necessária naquele momento, mas poderá ser acionada oportunamente, em caso de agravamento das condições. A resposta do Ministério das Relações Exteriores à Embaixada Argentina é clara a esse respeito”.

O presidente informou ainda que o governo federal está aberto a ajuda e doações internacionais.

“Ontem [quarta, 29], o Itamaraty aceitou doações da Agência de Cooperação do Japão (JICA): são barracas de acampamento, colchonetes, cobertores, lonas plásticas, galões plásticos e purificadores de água, que chegarão à Bahia por via aérea e/ou serão adquiridos no mercado brasileiro”.

 

Crédito: g1