Cemitério de ambulâncias na Baixada Fluminense RJ

Em plena pandemia do coronavírus, uma parte importante da saúde de Seropédica, na Baixada Fluminense, está sucateada. Ao menos 16 ambulâncias estão abandonadas numa garagem sob responsabilidade da Secretaria municipal de Serviços Públicos. Do total, quatro veículos são do projeto Mãe Coruja, que foram entregues ao município em 2015 pelo governo do estado. O novo prefeito da cidade, Lucas Dutra dos Santos, o Professor Lucas (PSC), acusa a antiga administração, sob o comando do ex-prefeito Anabal de Souza, de ter abandonado as ambulâncias no local.

— Quando cheguei, nem cadeira tinha para eu sentar. Isso aconteceu na nossa frota também, mas o caso das ambulâncias chamou mais atenção porque a Saúde não para — afirma o prefeito.

Na garagem da secretaria não estão apenas ambulâncias sem motores, pneus e equipamentos como macas. A frota de sucatas reúne ônibus, caminhões e veículos para o serviço administrativo, alguns fabricados a partir de 2013. É o caso de um Tiguan, modelo 2015, cujo motor sumiu.

Diante do problema, a prefeitura resolveu improvisar na frota da Saúde, comprando veículos menores, os chamados “Kinder ovo”. São 12 miniambulâncias, das quais, segundo o prefeito, várias já estão precisando de reparos.

A Secretaria municipal de Saúde diz que estão em operação três ambulâncias do Samu: uma na UPA 24h, uma na unidade pré-hospitalar e outra na Clínica da Família. O transporte de pacientes que se tratam fora da cidade é feito numa van e em três veículos menores.

Procurado pelo EXTRA desde quinta-feira da semana passada, o ex-prefeito Anabal de Souza não foi encontrado para comentar as acusações de Professor Lucas. O novo prefeito afirma ainda que há casos de veículos oficiais que foram abandonados em locais de difícil acesso, além de denúncias de roubos de peças e motores.

Prefeitura vai analisar o que pode ser salvo

Do sucateamento encontrado na garagem, segundo o prefeito Professor Lucas, não escapam nem as ambulâncias adquiridas pela prefeitura no governo passado. De acordo com a nova administração, alguns dos veículos novos estão quebrados por falta de cuidados.

A funcionária pública Eliza Francisco da Silva, de 46 anos, já precisou do serviço de ambulâncias e não conseguiu ser atendida. Após ser diagnosticada com câncer, há dois anos, ela tinha que fazer tratamento em Nova Iguaçu, mas, pela falta da ambulância, precisou arcar com todos os custos.

— Liguei várias vezes e nunca tinha vaga, nunca podiam me levar. Tive que tomar partido e pagar a passagem do próprio bolso para conseguir me consultar — conta Eliza.

Professor Lucas afirmou ter acionado a Procuradoria Geral do Município para tomar as providências jurídicas. Disse ainda que vai analisar quais veículos podem ser recuperados para a frota da cidade.

 

Fonte: extra.com

Doses acabam e idosos não conseguem se vacinar

No segundo dia de vacinação drive-thru contra a Covid-19 para idosos com mais de 80 anos, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, muitos deles não conseguiram se imunizar. A imunização na Praça do Pacificador foi anunciada para começar às 7h, mas, segundo moradores, as doses acabaram por volta das 10h30. Sem informação, muitas pessoas continuaram na fila, o que deu um nó no trânsito.

O professor universitário Alan Dias, de 40 anos, disse que levou uma hora na fila, mas que já não havia mais as doses. Ele voltou para a casa com seu sogro, de 84 anos:

— Às 11h10, eu estava na Praça do Pacificador, mas do outro lado, onde está a tenda do drive-thru. Demorei uma hora para fazer um trajeto de 800 metros. Quando cheguei na tenda, simplesmente não tinha mais vacina. Uma fila quilométrica e não tem ninguém para informar que as vacinas acabaram. Deveria ter alguém informando. Está um caos.

Alan não conseguiu vacinar o sogro, de 84 anos

A desorganização também causou confusão. Informações desencontradas fizeram com que Durval dos Santos, de 87 anos, ficasse na fila por duas vezes, mas em vão.

— Fiquei na fila e, quando cheguei perto, disseram que tinha acabado. Depois, o rapaz me chamou e disse para eu voltar para a fila porque não tinha acabado. Voltei. Agora disse que tinha acabado mesmo, que era para voltar semana que vem. Tem que administrar — lamentou Seu Durval.

Para garantir sua imunização, Juraci Ferreira Nascimento, de 84 anos, chegou pouco antes das 10h à Praça do Pacificador. Mas ele contou que, menos de uma hora depois, não havia mais doses:

— Informaram que seria até meio-dia, mas acabou às 10h30. Cheguei aqui bem antes e não consegui. Descontrolou tudo.

A Prefeitura de Duque de Caxias ainda não respondeu.

 

Fonte: extra.com

Sargento da PM é morto com tiro na nuca quando voltava de uma festa na Baixada Fluminense

Um sargento da PM foi assassinado com um tiro na nuca quando voltava para casa após participar de uma festa no domingo (15) em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense.

De acordo com a PM, o militar foi encontrado por equipes do 39°BPM (Belford Roxo) baleado e sem vida.

Segundo familiares, David da Silva Santos, de 36 anos, teve a arma, o celular, um cordão e o carro roubados.

O policial trabalhava no BPChq (Batalhão de Polícia de Choque) desde 2008. Ele deixou um filho de dez anos. Ainda não há informações sobre o sepultamento.

A Polícia Civil informou que fez uma perícia no local do crime. Os agentes da DHBF (Divisão de Homicídios da Baixada Fluminense) apuram o caso e buscam informações que ajudem nas investigações.

 

Fonte: noticias.r7.com

Em Nova Iguaçu Menina de 12 anos é atropelada por trem

Uma menina de 12 anos foi atropelada por um trem nesta quarta-feira (4) no bairro Rodilândia, em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense.

De acordo com o Corpo de Bombeiros, a vítima foi socorrida ao Hospital Geral de Nova Iguaçu. Em nota, a unidade informou que o estado de saúde dela é “muito grave”.

O hospital informou ainda que a criança vai passar por uma cirurgia de emergência após realizar exames de tomografia.

Segundo informações iniciais, a menina atravessou a linha férrea por uma passagem clandestina.

A SuperVia, concessionária que administra os trens, lamentou o caso e ressaltou a importância de a população “respeitar as normas de segurança e não caminhar pela linha férrea.”

 

Fonte: noticias.r7.com

200 mil litros de combustível adulterado são apreendidos pela PRF em Magé

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) apreendeu no último sábado (20) 200 mil litros de gasolina e de álcool adulterados em quatro carretas na BR-116, em Magé. O combustível seria vendido em postos de São Gonçalo, Niterói e da Baixada Fluminense.

Os agentes suspeitaram de um dos motoristas abordados e perceberam que as notas fiscais eram adulteradas. Os policiais abordaram outras três carretas, constatando o mesmo quadro.

As carretas foram apreendidas e levadas para a Unidade Operacional da PRF, no posto em Bongaba. A análise dos combustíveis será feita pela Secretaria Estadual de Fazenda.