Prefeitura do Rio interrompe vacinação contra covid-19

prefeito do Rio, Eduardo Paes, anunciou que o calendário de vacinação contra a covid-19 será interrompido. Nesta segunda-feira serão vacinados quem tem 84 anos e amanhã (terça-feira) os de 83 anos, com a interrupção iniciando na quarta-feira. A paralisação, que já era anunciada que poderia ocorrer, acontece pela falta de imunizantes.

“Recebi a notícia de que não chegaram novas doses. Teremos que interromper amanhã nossa campanha. Hoje vacinamos pessoas de 84 anos e amanhã de 83. Estamos prontos e já vacinamos 244.852 pessoas. Só precisamos que a vacina chegue. Nova leva deve chegar do Butantan na próxima semana”, disse Paes, em rede social. Mesmo no feriadão de Carnaval, os postos ficam abertos nestas segunda e terça-feira.

Com a nova leva de doses de Coronavac do Instituto Butantan chegando, a expectativa é que a imunização de pessoas com 82 anos seja retomada na próxima segunda-feira, dia 22 de fevereiro. O secretário municipal de Saúde, Daniel Soranz, garantiu que há doses para a vacinação para quem tem 84 e 83 anos, que ocorrem hoje e amanhã.

“A previsão do Instituto Butantan é que semana que vem já enviem doses. E aí retomarmos o calendário”, falou, em entrevista ao Bom Dia Rio, da TV Globo. Ele também afirmou que o calendário para quem vai receber a segunda dose está mantido. “Infelizmente, a gente vai ter que interromper o calendário, voltar para o calendário original, porque a gente antecipou uma semana o calendário no Rio”, afirmou o secretário.

O calendário de vacinação contra a covid-19 no município do Rio havia sido antecipado no dia 2 de fevereiro. A previsão era que todos os idosos acima de 75 anos fossem imunizados no mês de fevereiro e os maiores de 60, em março. Apesar da interrupção, o município continua com o plano de vacinar todos os idosos com mais de 60 anos até o fim de março, disse o secretário municipal de Saúde, Daniel Soranz. A prefeitura também já havia anunciado a intenção de vacinar as pessoas com comorbidades em abril.

Segunda dose confirmada

Quem tomou a primeira dose da vacina no Rio não precisa se preocupar, pois a segunda dose está reservada. É o que garantiu o secretário Daniel Soranz.

“A segunda dose está reservada, a gente já começa na segunda-feira a aplicar a segunda dose em alguns institutos de longa permanência de idosos. Profissionais de saúde que tomaram a primeira dose no dia 20 de janeiro, também terão a aplicação desta dose amanhã, 16 de fevereiro. Vamos aproveitar o feriado de carnaval para poder aplicar a dose”, informou o secretário.

 

Fonte: odia.ig.com.br

Será testada no Brasil vacina contra HIV

Em conjunto com centros de pesquisa de diversos países, a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) aderiu ao estudo para testar a eficácia de vacina contra o vírus HIV, que interfere na capacidade do organismo de combater infecções. Trata-se do estudo Mosaico, que vai avaliar dois imunizantes projetados para fornecer proteção contra diferentes variedades do vírus em todo o mundo. 

O professor da Faculdade de Medicina Jorge Andrade Pinto, coordenador do Grupo de Pesquisa em HIV/Aids em Crianças, Adolescentes e Gestantes e responsável pelos testes em Minas Gerais, explicou em vídeo para a UFMG as características da vacina e das etapas da pesquisa.

“O estudo Mosaico é um estudo de fase três de eficácia, que busca responder às seguintes perguntas: a vacina nessa população é segura? Há algum desconforto ou reação adversa? A vacina é capaz de produzir uma resposta imune, efetiva e protetora contra o HIV? E por último se essa vacina é, portanto, capaz de prevenir infecção na população vacinada?”. 

O coordenador do estudo explicou ainda qual é o tipo de imunizante. “São duas vacinas, uma vacina é de vetor viral contendo um vetor que é o adenovírus, em que são inseridos os componente imunogênicos do HIV, e uma vacina de proteína – de sequências proteicas do HIV”.

Segundo Pinto, o estudo de fase três é um estudo duplo cego. “Nem a pessoa que está recebendo, nem a pessoa que aplica a vacina sabe qual está recebendo. Um grupo será vacinado e outro recebe um placebo, que é uma substância inerte que serve como grupo de comparação”.

No Brasil, a pesquisa vai recrutar participantes em cinco capitais. Além de Belo Horizonte, por meio da Faculdade de Medicina da UFMG, o ensaio clínico será realizado em São Paulo (Hospital das Clínicas da USP), no Rio de Janeiro (Fiocruz e Hospital Geral de Nova Iguaçu), em Manaus (Fundação Medicina Tropical) e Curitiba (Centro Médico São Francisco).

O estudo é parte de iniciativa desenvolvida pela HIV Vaccine Trials Network (HVTN) – financiada pela farmacêutica Janssen – e pelo National Institutes of Health (NIH), dos Estados Unidos. Serão 3,8 mil recrutados homens gays ou bissexuais e pessoas transgênero entre 18 e 60 anos, HIV negativo, não usuários de profilaxia pré-exposição (PrEP) e que não apresentem comorbidades que contraindiquem o uso da substância a ser testada.

“Este é um estudo de longa duração, de cerca de 3 anos de acompanhamento, então é necessário que os voluntários que estejam interessados estejam dispostos também a permanecer neste segmento por esse período. O estudo mosaico será realizado no Brasil e também nos Estados Unidos, na América Latina, na Europa e busca, com isso, refletir a diversidade geográfica do vírus HIV”, finalizou o coordenador do estudo no Brasil.

Os interessados em participar do ensaio e obter outras informações podem entrar em contato pelo e-mail mosaico.minasgerais@gmail.com ou pelos telefones/WhatsApp (31) 99216-0407 e (31) 99331-3658.

 

Fonte: agenciabrasil.ebc.com.br

Vacina da Johnson & Johnson é 72% eficaz contra a covid-19 nos EUA

A Johnson & Johnson anunciou nesta sexta-feira (29) que sua vacina de dose única contra a covid-19 foi 72% eficaz na prevenção da doença nos Estados Unidos e alcançou uma taxa um pouco menor, de 66%, globalmente em um teste mais amplo realizado em três continentes e com variantes múltiplas do vírus.

No teste com quase 44 mil voluntários, o nível de proteção contra casos graves e moderados da covid-19 foi de 66% na América Latina e de 57% na África do Sul, onde uma variante particularmente preocupante do coronavírus está circulando.

Duas outras vacinas já autorizadas da Pfizer com a BioNTech e da Moderna foram cerca de 95% eficazes na prevenção de casos sintomáticos em testes quando aplicadas em duas doses. Esses estudos, no entanto, foram realizados principalmente nos Estados Unidos e antes da ampla disseminação de novas variantes.

O principal objetivo do estudo da J&J foi a prevenção de casos graves e moderados da covid-19, e a vacina foi 85% eficaz em impedir uma doença grave e a hospitalização em todos os lugares onde testes foram realizados e contra múltiplas variantes 28 dias após a vacinação.

 

Fonte: agenciabrasil.ebc.com.br

Uerj será ponto de vacinação drive-thru contra a Covid-19

A Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj) será um dos pontos de vacinação drive-thru contra a Covid-19 na capital fluminense, com capacidade para imunizar mais de mil pessoas por dia. A parceria foi acertada em reunião na terça-feira (26/01), na sede da Prefeitura do Rio de Janeiro, com a presença de representantes da Uerj e da Secretaria Municipal de Saúde.

A vacinação será realizada no campus Maracanã da Uerj, a partir do dia 1º de fevereiro, sempre de segunda a sexta-feira, das 9h às 15h, de acordo com as faixas etárias determinadas pelo Plano de Vacinação do Ministério da Saúde, seguindo o calendário divulgado pela Secretaria Municipal de Saúde.

Para quem for se vacinar, a entrada dos carros será feita obrigatoriamente pelo Portão 4 da instituição, que fica situado na Rua Turfe Clube. Já a saída será feita pelo Portão 5, localizado na Rua São Francisco Xavier.

Dessa forma, na próxima segunda-feira (1º), o drive-thru da Uerj começará a vacinar os idosos a partir de 99 anos. O calendário prevê uma idade por dia, ou seja, já na terça-feira (2), serão vacinados aqueles com 98 anos; na quarta-feira (3), os que possuem 97 anos; na quinta-feira (4), os com 96 anos, e assim se seguirá nos outros dias.

Para o reitor em exercício, Mario Sergio Alves Carneiro, é uma alegria e um orgulho para a Uerj poder ajudar no processo de vacinação, prestando esse serviço à população.

– A Uerj entende que a universidade tem que estar junto à população nesse momento. Temos uma área de Saúde muito importante, e todos esses profissionais estarão trabalhando para vacinar a nossa população dentro das orientações da Campanha Nacional de Vacinação. Com o sistema de drive-thru, a pessoa não precisará sair de dentro do carro – afirma.

O secretário municipal de Saúde do Rio de Janeiro, Daniel Soranz, afirmou que a parceria com a Uerj é fundamental.

– A Uerj vai ser um dos principais locais de vacinação do Rio de Janeiro. Então, fica todo o meu agradecimento a todos da universidade que estarão ajudando nessa campanha de vacinação – declara.

 

Parceria Uerj e Prefeitura do Rio

Além de oferecer a estrutura física do local, a Uerj mobilizará uma equipe de mais de 100 pessoas, que inclui profissionais e estudantes da área de saúde da universidade, o Departamento de Segurança e Saúde do Trabalhador (Dessaude), vinculado à Superintendência de Gestão de Pessoas (SGP), entre outros setores das prefeituras dos campi envolvidos.

A Prefeitura do Rio enviará as vacinas que recebeu do Ministério da Saúde e os demais insumos necessários para a vacinação, como seringas, agulhas, isopor, termômetro e gelo para o correto acondicionamento das vacinas. Além disso, disponibilizará as tendas que serão montadas na área externa da Universidade, onde acontecerá a vacinação.

Para receber a dose do imunizante é preciso apresentar um documento de identificação com foto. Vale lembrar que o drive-thru da Uerj – ao contrário dos demais pontos de vacinação da cidade – não funcionará aos sábados.

 

Fonte: rj.gov.br

Novas doses da vacina contra a Covid-19 chega em Silva Jardim

A cidade de Silva Jardim, no interior do Rio, recebeu nesta segunda-feira (25), 220 doses da vacina Oxford/AstraZeneca, que previne contra a Covid-19. As doses enviadas pela Secretaria de Estado de Saúde (SES) vieram em um helicóptero, que pousou, sob escolta da Polícia Militar, na cidade vizinha, em Rio Bonito, na Região Metropolitana.

Apesar de ambas as vacinas prevenirem contra a mesma doença, segundo a Prefeitura de Silva Jardim, quem já recebeu a primeira dose da CoronaVac, não pode receber como segunda dose, a vacina Oxford/AstraZeneca.

A campanha contra o novo coronavírus teve início na semana passada, quando a cidade recebeu 240 doses da vacina Coronavac, em uma primeira remessa. A vacinação segue as recomendações do Programa Nacional de Imunizações (PNI), que tem como público alvo desta primeira fase os profissionais de saúde, idosos e deficientes institucionalizados.