Prefeitura de Maricá libera Cachoeira do Espraiado e Gruta da Sacristia

A Prefeitura de Maricá, por meio da Secretaria de Proteção e Defesa Civil, liberou a Cacheira do Espraiado e a Gruta da Sacristia para visitação turística e o banho de mar e/ou rio, mas há restrições que precisam ser seguidas, para que a segurança dos moradores e visitantes seja mantida, devido ao fundo rochoso irregular do local.

Placas foram afixadas pelas equipes da Defesa Civil em ambos os pontos turísticos para alertar os visitantes sobre os riscos geológicos e a importância do turismo consciente. Está proibida a circulação de pessoas em períodos de chuva e/ou ressacas; assim como a montagem de barracas, levar mesa e cadeiras; fazer churrascos e piqueniques; subir ou escalar nas rochas; e mergulhar e ficar embaixo das rochas, pois há risco de quedas.

“Estamos fazendo a liberação da Cachoeira do Espraiado e da Gruta da Sacristia, mas vamos deixar algumas restrições. A Sacristia também fica liberada para visitação e fotos, mas é necessário seguir as orientações das placas e as orientações que os agentes da Defesa Civil. Seguimos trabalhando para o melhor da população maricaense”, explicou o secretário de Proteção e Defesa Civil, Fabrício Bittencourt.

Laudo sobre a Gruta da Sacristia

Após monitoramento das áreas, vistorias, consultas e pesquisas, os laudos emitidos pelos agentes da Defesa Civil estabelecem as normas, as restrições para o uso e as ações a serem desenvolvidas no manejo dos recursos naturais das Unidades de Conservação e seu entorno. A ideia é minimizar os impactos negativos, garantir a manutenção dos processos ecológicos e prevenir a simplificação dos sistemas naturais.

A região da gruta da Sacristia está inserida no geoparque Costões e Lagunas do estado do Rio de Janeiro, que envolve porções litorâneas e abrange desde o município de Maricá até São Francisco de Itabapoana, no norte do estado do Rio de Janeiro. O local compreende áreas de interesse científico, didático-pedagógico, turístico, histórico, pré-histórico e ecológico.

Ainda segundo o laudo, por ser um ambiente natural de grande valor turístico e com legislação que define o uso, proteção e manejo, recomenda-se que o município desenvolva mecanismos permanentes no tocante da prevenção e da conscientização ambiental da região. Recomenda-se, a alteração do Auto de Interdição (T1005-2022) para o Auto de Notificação da Risco (AN-00G021-2022), além da inserção de placas de cunho educativo para que a população tenha a percepção do risco e não escale os afloramentos rochosos da área.

Laudo sobre a Cachoeira do Espraiado

Na Cachoeira do Espraiado, foi constatada a presença de blocos rochosos em várias partes da margem florestada do canal principal. Há arbustos e árvores entremeados aos afloramentos rochosos e riscos de rolamento de rochas, inclusive, em períodos de baixa ou nenhuma pluviosidade. Dessa forma, mantém-se a interdição parcial (AI-GT 003-2022) ao público na margem florestada da cachoeira, uma vez que os blocos soltos naturalmente podem representar risco para os turistas no local.

Por ser um ambiente natural de grande valor turístico e com legislação que define o uso, proteção e manejo da mesma, recomenda-se que o município desenvolva mecanismos permanentes no tocante a prevenção e a conscientização ambiental da região. Assim, mantém-se a interdição parcial da cachoeira, além de inserção de placas de cunho educativo para que a população tenha a percepção do risco e não escale os afloramentos rochosos da margem florestada do canal.

Vale destacar que, a cachoeira está liberada para banho, permanecendo apenas a margem florestada com acesso proibido. Mas, sempre que os boletins meteorológicos, elaborados pelos profissionais da Secretaria de Proteção e Defesa Civil, registrarem “estado de atenção” em Maricá, a interdição de toda a Cachoeira do Espraiado voltará a valer.

Prefeito de Maricá anuncia aumento do RBC e prorrogação do PAT até dezembro

O prefeito de Maricá, Fabiano Horta, anunciou na tarde da última segunda-feira (04/04) as primeiras medidas de apoio socioeconômico às vítimas das enchentes que atingiram a cidade na noite de sexta-feira e madrugada de sábado. São elas: a prorrogação do Programa de Amparo ao Trabalhador (PAT) de abril até dezembro, mantendo o valor de 600 mumbucas; e o aumento do valor de Programa Renda Básica da Cidadania (RBC) de 170 para 200 mumbucas. O plano foi elaborado em parceria com Desenvolvimento Econômico, Economia Solidária e com o aval dos órgãos internos: Controladoria e Procuradoria, para assegurar amparo das autoridades de controle do município.

“Queremos minimizar o impacto sobre a vida das pessoas. Com o PAT, garantimos a renda nesse momento em que muitos trabalhadores tiveram suas vidas desorganizadas pela tragédia, mantendo os fluxos econômicos na cidade e ampliamos a proteção social num momento de necessidade das famílias maricaenses vítimas dessa tragédia natural. Contamos com o apoio dos nossos vereadores nessa hora para agilizar as medidas”, ressaltou o prefeito.

Com base no diagnóstico das equipes de cadastramento, que serão feitos ao longo dos próximos dez dias nos polos de atendimento, novas medidas serão anunciadas para a população. Na manhã da última segunda-feira (04/04), foi apresentada a descentralização para atendimento das vítimas, nos locais: Quadra do CEU (Mumbuca); Arena Flamengo (Flamengo); Escola Alcione Rangel (Bambuí); Escola Alfredo Nicolau (Marquês de Maricá); e Escola Amanda Pena, Bananal (Ponta Negra). Os polos contarão com equipes multidisciplinares da Defesa Civil e das secretarias de Habitação e Assentamentos Humanos, de Participação Popular, Direitos Humanos e Mulher, de Assistência Social e de Economia Solidária, que estarão abertos das 9h às 17h.

“Estamos com nossas equipes fazendo um raio X em todos os bairros e, ao longo da semana, após a abertura destes polos descentralizados, vamos anunciar um novo conjunto de medidas que vão ajudar as pessoas a enxergar o futuro com mais esperança porque a Prefeitura vai ser parceira no processo de reconstrução da cidade”, afirmou Fabiano Horta.