Pai gravado dizendo que queria estuprar a filha também é investigado por ameaça e por perseguir a vítima: ‘Stalker’

Um homem, de 48 anos, suspeito de abusar da filha por uma década em Belo Horizonte também é investigado por suspeita de ameaçar e perseguir a vítima, hoje com 25 anos. Ele foi preso 12 anos após a primeira denúncia.

“Essa prática de novos crimes foi ela quem deu substrato jurídico para decretação da prisão preventiva naquele outro processo que já tinha sido encaminhado para a Justiça, em que o pai havia sido indiciado pelos abusos sexuais com relação à sua filha”, disse a delegada Carolina Bechelany, chefe do Departamento de Investigação, Orientação e Proteção à Família (Defam).

O homem foi detido na madrugada desta quarta-feira (18), data em que é lembrado o Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes.

“Os abusos começaram quando eu tinha uns 3 anos, tinha um shortinho vermelho e listrado e lembro dele esfregando as partes íntimas em mim. Quando eu entrei na adolescência, precisava de um uniforme escolar e meu pai disse que só compraria se eu deixasse ele me chupar”, diz a jovem que ainda tem viva as lembranças desse período de pesadelo.

Foi justamente quando ocorreu o episódio envolvendo o uniforme que ela tomou coragem para contar para a mãe sobre os abusos que vinha sofrendo desde a infância.

“Minha mãe pediu para eu gravar, ele repetiu isso e fomos à delegacia”, contou.

De acordo com a Polícia Civil, após a jovem ter registrado a denúncia contra o pai – ainda adolescente – todos os procedimentos foram realizados. “Naquele momento não tinham requisitos para efetuar a prisão dele, mas as investigações foram realizadas, ele foi indiciado e virou procedimento criminal”, explicou a delegada Renata Ribeiro, chefe da Divisão Especializada em Atendimento à Mulher ao Idoso e a Pessoa com Deficiência e Vítimas de Intolerâncias.

Durante todos esses anos, Mariana não conversou com o homem. Em janeiro deste ano, ela conseguiu uma medida protetiva após o pai se mudar para a mesma rua em que ela mora.

“Ele está sendo investigado pelo crime de ameaça e de stalker. O que significa isso? Ele persegue essa filha, ele a acompanha o tempo todo e ela está se sentindo ameaçada em razão desse comportamento. Então, em razão dessa nova investigação que houve a decretação da prisão no primeiro inquérito em que ele foi investigado”, diz Carolina Bechelany.

10 anos após assassinato, Elize revela manuscrito de livro em que pretende contar à filha sua vida e por que matou Matsunaga

Após dez anos, Elize Matsunaga quer publicar o livro autobiográfico “Piquenique no Inferno”, que escreveu à mão na prisão, para pedir perdão à filha, que está impedida de ver desde 2012. E contar à garota que à época baleou, matou e esquartejou sozinha Marcos Matsunaga para se proteger das ofensas e agressões do marido.

A expectativa dela é de que a menina, atualmente com 11 anos, possa ler a obra um dia, quando estiver adulta, e conhecer a versão da mãe para o que aconteceu: Desde sua origem humilde até os relatos de ter sido vítima de violência sexual na adolescência e doméstica quando se casou. Por decisão da Justiça, a guarda da filha está com os avós paternos, que proíbem o contato da criança com a mãe

O crime foi cometido em 19 de maio de 2012 no apartamento do casal, na Zona Oeste de São Paulo, e teve repercussão na imprensa por envolver uma bacharel de direito casada com um empresário herdeiro da indústrias de alimentos Yoki. Ele tinha 42 anos à época; ela, 30.

“Minha amada [filha], não sei quando você lerá essa carta ou se um dia isso irá acontecer. Sei o quão complicada é nossa história, mas o que eu escrevo aqui não se apagará tão fácil”, escreve Elize, atualmente com 40 anos, numa carta incluída na obra.

A reportagem teve acesso com exclusividade a trechos das 178 páginas do livro, falou com os advogados de Elize, mas não conversou com a bacharel.

No manuscrito, feito num caderno com o desenho de crianças na frente de uma escola, ela conta sua vida antes, durante e depois de ter sido presa e julgada pelo crime

Essa versão de Elize para o crime já era conhecida da polícia e da Justiça, mas é a primeira vez que ela mesma decide transformar o relato em um livro. As informações chegaram até a ser usadas por sua defesa no seu julgamento para sensibilizar os jurados. Numa das passagens, por exemplo, a bacharel conta ter sido estuprada pelo padrasto quando tinha 15 anos.

 

Crédito:g1

Aos prantos, ucraniano se despede da filha antes de se alistar; Veja vídeo

Em um pronunciamento com forte apelo dramático feito no momento em que as tropas russas invadiam a Ucrânia nesta quinta-feira (24/2), o presidente do país, Volodymyr Zelensky, convocou “todos os que puderem” a se alistar para lutar ao lado das forças armadas ucranianas.

“Esteja pronto para defender seu país nas praças e cidades”, continou Zelensky. “Nós temos armas defensivas para defender nossa soberania”.

Postos de alistamento, então, foram abertos em várias cidades do país e em Kiev, a capital, longas filas se formam nesta quinta. O jornalista Ali Özkök, que está cobrindo o conflito pela rede turca TRT, registrou um momento emocionante desse processo de alistamento.

Nas cenas, um ucraniano não consegue segurar as lágrimas ao se despedir da família antes de se juntar à luta contra as forças russas, mais numerosas e bem aparelhadas do que as defesas do país que está sob ataque.

Em outra postagem, o jornalista mostrou o tamanho da fila de voluntários para ajudar as forças armadas da Ucrânia:

Ucrânia sob lei marcial

Zelensky também informou nesta quinta que estava colocando o país sob lei marcial, que suspende uma série de direitos e dá mais poder ao governo para tomar decisões emergenciais exigidas por uma situação como a invasão de um país hostil.

“Estamos impondo a lei marcial em todos os territórios de nossa nação. Há pouco, conversei com o presidente Joe Biden. Os Estados Unidos já começaram a mobilizar apoio internacional. Hoje, o que você precisa é de calma. Fique em casa, se possível”, disse o presidente, em vídeo postado nas redes sociais.

 

Crédito: G1

Mãe é presa acusada de abusar da filha junto com o companheiro

Policiais civis da 57ª DP (Nilópolis) prenderam, nesta segunda-feira (21/02), uma mulher acusada de estupro de vulnerável contra a filha, de 11 anos. Ela foi capturada naquele município, após levantamento de informações de inteligência e monitoramento.

As investigações apontam que a mãe permitia que o companheiro praticasse atos libidinosos contra a menina. O caso chegou à delegacia após a vítima relatar o crime a colegas da escola. A mãe de uma das crianças tomou ciência do caso e denunciou. A partir daí, foram realizadas diligências para apuração dos fatos e em seguida, com o apoio do Ministério Público, foi decretada a prisão preventiva dos criminosos.

A mulher foi encaminhada ao sistema penitenciário, onde ficará à disposição da Justiça. O padrasto da vítima está foragido e segue sendo procurado.

 

Crédito: O São Gonçalo

Polícia Civil de São Gonçalo prende em Maricá acusado de abusar sexualmente da própria filha

Policiais da 72ª DP, coordenados pelo delegado Allan Duarte Lacerda, localizaram e prenderam um homem de 44 anos, no bairro Cordeirinho, em Maricá. A equipe recebeu a informação de que o procurado estava  escondido em um centro espírita no bairro Areal, em Itaboraí, onde não foi localizado. De lá, se dirigiram até a cidade de Maricá, onde localizaram o suspeito em um ponto de ônibus, quando se preparava para embarcar de volta para Itaboraí.

Ele foi condenado a 20 anos de prisão em regime fechado pelo juiz em exercício da Vara Criminal de Maricá por abusar sexualmente da própria filha, que denunciou os atos no ano de 2014 quando tinha apenas 14 anos. Segundo a vítima, os abusos ocorriam com frequência desde que tinha os oito anos de idade.

Quando abordado não apresentou resistência à prisão, sendo conduzido à 72ª DP para a formalização do cumprimento do mandado.

 

Crédito: www.osaogoncalo.com.br