Filhos de Flordelis são condenados pela morte do pastor Anderson do Carmo

Dois dos filhos da ex-deputada federal Flordelis foram condenados nesta quarta-feira (24) por envolvimento na morte do pastor Anderson do Carmo, em junho de 2019.

Flávio dos Santos Rodrigues, acusado de atirar no padrasto, foi condenado a 33 anos e dois meses de prisão por homicídio triplamente qualificado, porte ilegal de arma, uso de documento ilegal e associação criminosa armada.

Já Lucas Cézar dos Santos Souza, apontado por comprar a arma do crime, foi condenado a sete anos e meio por homicídio triplamente qualificado. Sua pena foi reduzida por ter colaborado com as investigações.

O julgamento desta terça foi presidido pela juíza Nearis dos Santos Arce, da 3ª Vara Criminal de Niterói, no Fórum da cidade. A defesa de Flávio afirmou que vai recorrer. Já os advogados de Lucas disseram concordar com a pena imposta ao cliente.

O julgamento da ex-deputada Flordelis e de outros oito acusados do crime ainda não tem data marcada. Ela foi denunciada como mandante do crime e responde por homicídio triplamente qualificado, tentativa de homicídio, uso de documento falso e associação criminosa armada.

A sessão começou na tarde desta terça-feira (23), e a sentença foi proferida por volta das 5h15 desta quarta.

Em 15 horas de julgamento, oito pessoas prestaram depoimento, e os réus foram interrogados.

Jorge de Souza, pai adotivo do pastor, foi um dos primeiros a chegar ao Fórum e acompanhou o julgamento até as 22h de terça. Segundo a defesa da família, ele não se sentiu bem e foi colocado em um carro para ir embora.

‘Sofrimento da mãe’

Em seu interrogatório, ainda na noite de terça, Lucas afirmou que Flávio queria acabar com o sofrimento da mãe.

Segundo Lucas, Flávio teria contado sobre seu desejo numa conversa cerca de um mês antes do assassinato. Na ocasião, Flávio também teria dito que Flordelis estaria sofrendo por causa de “trâmites” de Anderson em Brasília.

Lucas afirmou que não sabia que a pistola Bersa 9 milímetros que comprou seria usada para matar o pastor.

Anderson, ex-marido de Flordelis, foi assassinado a tiros em 2019. A ex-parlamentar é acusada de ser a mandante do crime.

Flordelis está presa desde o dia 13 de agosto, um dia após a perda do mandato parlamentar na Câmara dos Deputados e ter sido expulsa do PSD. Ela está no Complexo Penitenciário de Gericinó, na Zona Oeste do Rio.

O julgamento

O pai adotivo do pastor Anderson do Carmo, de 81 anos, foi um dos primeiros a chegar no fórum de Niterói, no início da tarde desta terça-feira.

A delegada Barbara Lomba foi a primeira a ser ouvida durante o julgamento desta terça. Lomba afirmou que a ex-deputada federal foi a responsável por elaborar uma carta que responsabilizaria outros filhos pelo assassinato do pastor.

De acordo com o depoimento da delegada, a carta foi copiada por Lucas – filho afetivo da ex-deputada – a mando do filho biológico Flávio, quando os dois estavam presos na penitenciária Bandeira Stampa, no Complexo Penitenciário de Gericinó, em Bangu.

Flávio teria recebido a carta da esposa de outro detento, um ex-PM condenado a mais de 200 anos de prisão por ter participado da chacina da Baixada Fluminense.

O conteúdo da carta, disse a delegada, não esclarecia nada do crime, apenas tentava culpar outras pessoas da família de encomendar a morte do pastor.

Filha de Flordelis sobre ‘irmão’: ‘É uma pessoa ruim, mesmo’

Roberta dos Santos, filha registrada de Flordelis, foi a quinta pessoa a depor no julgamento de Flávio e Lucas. Segundo ela, Flávio, um dos dois filhos julgados nesta terça, é uma “pessoa ruim”.

Roberta contou que o “irmão” mais velho castigava os mais novos de forma rígida, às vezes os obrigando a ajoelhar em grãos de milho, virados para a parede.

A filha registrada de Flordelis, mas que fora criada por outros irmãos mais velhos, também contou ter presenciado uma surra dada por Flávio em um irmão surdo-mudo.

“Ele socava o estômago do Lucas”, relatou Roberta.

O Lucas mencionado por ela não é o mesmo que também é julgado nesta terça. A sessão de espancamento, segundo Roberta, foi interrompida por outro irmão, André, que em seguida teria tido uma tesoura cravada nas costas por Flávio.

Além de Roberta, também foram ouvidos Misael, filho de Flordelis que acredita que a mãe é responsável pela morte de Anderson, Luana Rangel, casada com Ismael e mais dois delegados responsáveis pelo caso.

Regiane Ramos, testemunha de defesa e ex-patroa de Lucas César dos Santos, também foi ouvida essa nesta terça-feira.

Namorado da Ex-Deputada Floredelis cita canção e se declara em publicação

O produtor musical Allan Soares, de 25 anos, continua apaixonado e segue com o compromisso com a ex-deputada Flordelis, de 60. Ela foi presa em agosto deste ano, após ser acusada de ser a mandante do assassinato do ex-marido, o pastor Anderson do Carmo. Na publicação, Allan citou um trecho da música de Flordelis e se declarou:

“Vai passar em nome de Jesus”, consta de um trecho da postagem, que tem trecho da canção “Vai Passar”, tocando ao fundo. “Meu amor, Flordelis”, acrescenta ele. Allan acredita na inocência da ex-deputada.

Recenetemente, o produtor havia se pronunciado sobre a história de amor dos dois, mesmo após a prisão de Flordelis: “Continua, sim (o namoro). É amor”, disse ele ao EXTRA, na ocasião.

Os dois se relacionam há alguns meses. Ainda em fevereiro deste ano, como foi publicado pelo EXTRA, Flordelis já não fazia tanta questão de esconder sua ligação com o produtor. Os dois, inclusive, posaram abraçados no aniversário de 60 anos dela. Além disso, durante uma live , em seu próprio Instagram, Flordelis falava com os seguidores sobre os compromissos de sua agenda. Na ocasião, a deputada se dirigiu a Allan, que estava a seu lado, chamando-o de “amor”.

Assim como a ex-depurada, Allan é evangélico. Os dois se conhecem, pessoalmente, há pelo menos três anos. Em 2018, o jovem posou ao lado de Flordelis e o, então, marido dela, Anderson, durante uma visita deles a Macaé.

 

Fonte: Extra

Justiça do Rio analisa pedido de transferência de Flordelis para prisão em Campos dos Goytacazes

Presa desde o último sábado (14) no Instituto Penal Santo Expedito, no Complexo de Gericinó, na Zona Oeste do Rio, a ex-deputada federal, Flordelis pode ser transferida. A Justiça do Rio analisa um pedido da assistência de acusação para que Flordelis, deputada federal cassada, seja transferida para uma prisão de Campos dos Goytacazes, no Norte Fluminense. O motivo é a possibilidade de contato entre a pastora e outros envolvidos na morte do pastor Anderson do Carmo.

Segundo a petição, é notório, o grau de influência e domínio da ex-deputada com os corréus. No caso da neta da ex-deputada, por mais que estejam em galerias separadas, Rayane dos Santos Oliveira faz a função de faxina na unidade prisional, de acordo com o documento. Andreia Santos Maia, esposa de um ex-PM que é investigada no inquérito por suspeita de envolvimento na produção de provas falsas, também está no mesmo presídio.

A Secretaria de Administração Penitenciária afirma que, inicialmente, as internas ficarão em espaços diferentes da unidade, sem contato, para cumprir a ordem judicial que proíbe contato entre Flordelis e as demais envolvidos no processo.

 

 

Fonte: Band News FM Rio

Flordelis chega ao Rio após perder mandato na Câmara

A agora ex-deputada federal Flordelis chegou no aeroporto Santos Dumont, no Rio de Janeiro, na manhã de hoje, quinta-feira (12), um dia após ter seu mandato cassado em plenário, na Câmara. Logo depois da sessão, o advogado da família de Anderson do Carmo entrou com um pedido de prisão preventiva contra a pastora. Até a perda definitiva do cargo, ela não poderia ser presa por conta da imunidade parlamentar.

Flordelis chegou pouco antes de 11h e teria deixado o local sem falar com a imprensa. O Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) informou que até o momento não há qualquer registro sobre o pedido de prisão da ex-deputada. Questionado, o Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJRJ) ainda não se manifestou.

A ex-parlamentar responde por ser a mentora intelectual do assassinato do marido Anderson do Carmo, em junho de 2019. No momento, ela é monitorada por uma tornozeleira eletrônica. O advogado da família de Anderson alega que o dispositivo “não foi o suficiente para contê-la dos abusos ao uso do cargo, o qual ocupava no sentido de não só turbar a instrução criminal, como também faltar com respeito à ordem judicial”, declara a acusação em requerimento para prisão preventiva de Flordelis.

 

Defesa reforça pedido de Habeas Corpus

Na terça-feira, a defesa de Flordelis entrou com um pedido e Habeas Corpus em favor da então deputada. Após a cassação, uma manifestação defensiva foi remetida ao TJ contra o pedido de prisão preventiva enviado pela acusação. Segundo o advogado Rodrigo Faucz, já era esperado um movimento dessa natureza, mas ele argumenta que o pedido não tem embasamento.

“Não estão presentes nenhum dos requisitos para o pedido da prisão da Flordelis, eis que inclusive ela continua à disposição da justiça sempre que for necessário. Ela participou de todas as audiências, ela foi em todos os atos do processo. Ou seja, seja ela tem o direito aguardar o julgamento em liberdade”, declarou Faucz. O HC de terça ainda não foi julgado.

 

Crédito: Jornal O Dia

Conselho de Ética aprova perda do mandato da deputada Flordelis

O Conselho de Ética da Câmara decidiu pela cassação do mandato da deputada Flordelis (PSD-RJ), acusada de ser a mandante do assassinato do marido, o pastor Anderson do Carmo, em junho de 2019. Foram 16 votos a 1, o único deputado que votou a favor da deputada foi Márcio Labre (PSL-RJ).

A decisão ainda precisa passar pela análise do plenário da Câmara. São necessários 257 votos, a maioria absoluta dos deputados, para a cassação de um mandato parlamentar.

A deputada Flordelis ainda pode recorrer à Comissão de Constituição e Justiça da Câmara. Não há data para a votação do caso no plenário.

 

Fonte: noticias.r7