Influenciadora paga motoboy com nota de R$100,00 falsa e se gaba; veja o vídeo

Uma influenciadora digital de Praia Grande, no litoral de São Paulo, compartilhou com seus seguidores o momento em que enganava um entregador e pagava um lanche com dinheiro falso.

A jovem pediu um combo e utilizou uma nota de R$ 100 que, na verdade, era de mentira. Ela usou o próprio perfil para “se gabar” do feito, a história viralizou e gerou revolta entre colegas do profissional e outros internautas.

No vídeo postado pela jovem, que soma mais de 10 mil seguidores em seu perfil em uma rede social, ela apresenta o combo de lanches que comprou, mostrando que estava com outras pessoas no momento da gravação, e diz:

“Gente, nós somos muito olho gordo, né. Aí gente, vocês não sabem o que a gente fez. Nós tínhamos uma nota falsa, né, de R$ 100, aí, a gente estava com a maior fome. Aí, falamos: ‘vamos tentar passar essa nota falsa, e falamos vamos. Aí, tá bom, pedimos o lanche, que deu R$ 94, sobrou R$ 5, e deu certo, a nota falsa e tudo isso de lanche, nem aguentamos comer tudo”, relata rindo.

Endereço falso para entregador não achá-la

Em seguida, ela ainda acrescenta que não sabia se iria dar certo, e que, por isso, não colocou o endereço de sua casa na entrega, mas o da esquina, para que o motoboy não a localizasse, caso notasse que a nota não era verdadeira. “Nossa, já pensou, o motoboy me segue?”, finaliza rindo.

Após o episódio, um outro entregador, que não foi a vítima do caso, recebeu as imagens postadas pela blogueira e fez uma postagem em seu perfil, dizendo que estava indignado com a atitude dela. “Essa história começou porque tenho um grupo de motoboys, porque também sou, e um parceiro nosso postou. Aí, assisti o vídeo e fiquei indignado, porque a gente que é motoboy está na luta todo dia aí, tentando ganhar o pão de cada dia, aí vem uma pilantra dessa e passa nota falsa”, lamenta.

A postagem do entregador que se solidarizou com o colega teve mais de 4,5 mil compartilhamentos nas redes sociais, e gerou muitas críticas à blogueira, que chegou a tirar sua foto da conta pessoal e a desativar um de seus perfis após a repercussão.

A reportagem, ela afirmou que não quer se posicionar sobre o ocorrido, pois “já colocou uma pedra no assunto e já pagou ao motoboy”.

Crédito: Portal g1

Jogador aplica golpe de Muay Thai em rosto de adversário; Veja vídeo

Na Tailândia, um golpe chamou mais atenção do que toda a partida entre North Bangkok e Bangkok FC. O jogador Aitsaret Noichaiboon aplicou uma cotovelada no rosto de Supasan Ruangsuphanimit, após ele ter tropeçado no pé do adversário antes de uma cobrança de um arremesso lateral, e o lance ganhou destaque nas redes sociais neste fim de semana.

O jogador agredido perdeu a consciência e precisou ser levado ao hospital.

Após o ocorrido, o Bangkok FC demitiu Noichaiboon, e ofereceu todo o apoio para os cuidados de Ruangsuphanimit. O jogador nocauteado foi levado ao hospital depois da agressão e precisou levar 24 pontos na boca, em função de ‘uma grave ferida no lábio superior’.

Polícia Civil prende cinco acusados de aplicar o ‘golpe do empréstimo’

A Polícia Civil prende cinco pessoas acusadas de integrar uma quadrilha de estelionatários que aplica o golpe do empréstimo consignado.

Segundo investigações, milhares de servidores públicos e aposentados do Rio de Janeiro e da Bahia foram vítimas do grupo acusado de associação criminosa e estelionato.

Ao todo, a Justiça expediu sete mandados de prisão e cinco de busca e apreensão para a Operação Stop Loss.

De acordo com a Delegacia de Niterói, golpistas abriam empresas em nome próprio ou de laranjas e atraiam clientes oferecendo retornos vantajosos em investimentos no mercado financeiro. Os recursos para o suposto investimento eram obtidos por meio de empréstimos consignados contraídos pelas vítimas com a orientação dos golpistas. Por esse motivo as principais vítimas da quadrilha eram os aposentados e servidores públicos, inclusive policiais.

Após serem atraídas e contraírem os empréstimos, as pessoas ficavam com 10% do valor e transferiam 90% para contas bancárias indicadas pelas empresas de fachada. Para dar aparência de legalidade eram emitidos contratos de cessão de crédito e investimento e as companhias se encarregavam de fazer as supostas operações no mercado financeiro para pagar todas as parcelas dos consignados contraídos pelas vítimas.

Como as operações financeiras prometidas pelas empresas eram inexistentes, após o pagamento das primeiras parcelas os estelionatários fechavam as portas das companhias e desapareciam com o dinheiro, deixando as dívidas dos empréstimos para as vítimas.

Entre os laranjas do grupo para abrir empresas falsas está uma idosa de 80 anos com uma doença grave, tia de um dos investigados.

 

Crédito: Rádio Band News FM Rio

 

Hackers usam valores a receber do BC para aplicar golpe no celular

Nesta segunda (14/2), o Banco Central (BC) liberou a consulta ao “dinheiro esquecido” nos bancos. Até pouco tempo atrás, o serviço faria parte do sistema Registrato, do próprio BC, mas o excesso de acessos ao site por brasileiros que buscavam informações e valores a receber de instituições financeiras causou a queda da página. Segundo a empresa russa de segurança digital Kaspersky, hackers e cibercriminosos estão aproveitando a situação para roubar dados e dinheiro dos usuários por meio de golpe no aplicativo de mensagens WhatsApp.

Os criminosos solicitam nome completo e CPF em troca de uma consulta no sistema do Banco Central. Eles enviam uma mensagem pelo WhatsApp, dizendo que precisa ser compartilhada com 10 contatos para que se tenha acesso ao suposto benefício.

 

Crédito: Metrópoles

Acusada de dopar e roubar clientes durante programas sexuais, 
Miss Transex Brasil é presa no Rio

Policiais da 16ª DP (Barra da Tijuca) prenderam preventivamente uma transexual que seria chefe de uma associação criminosa que rouba clientes durante programas sexuais. Mikaelly da Costa Martinez, de 25 anos, que nasceu em Mato Grosso do Sul e recebeu o título de transexual mais bonita do Brasil ao vencer o Miss Transex Brasil 2019, é investigada por atrair homens por meio do seu perfil no Instagram e, ao chegar a motéis, dopá-los para furtar alguns dos seus pertences, como celular, relógio e cartões de débito e crédito. Ela foi surpreendida quando estava na Praia de Ipanema, na Zona Sul do Rio.

De acordo com o delegado Leandro Gontijo, titular da 16ª DP, em um dos casos um homem diz ter conhecido Mikaelly por volta de meia-noite de 16 de julho em um bar na Avenida Érico Veríssimo, na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio. Na delegacia, ele contou que a chamara para ir embora com ele quando estava na fila de saída. Os dois entraram no carro dele e seguiram em direção a um motel na Barrinha. No estabelecimento, a transexual teria lhe dado uma lata de cerveja com algum tipo de substância.

Ainda segundo o depoimento, o rapaz disse se recordar somente do momento em que percebeu que estava sem a carteira e o celular. Ao questionar Mikaelly, ela disse que chamaria no quarto uma amiga e, momentos depois, apareceu com seu comparsa, Alexandre Porto Furtado Júnior, que está foragido. A vítima acusou a transexual de roubar seus pertences. Segundo ele, a Miss saiu correndo, entrando em um carro de aplicativo. Ao pagar a conta do motel, ele percebeu que teve três cartões de débito e crédito roubados. Dias depois, foram feitas três transações financeiras de R$ 6 mil e uma tentativa de empréstimo de R$ 5 mil.

Em outro procedimento, Mikaelly é suspeita de um crime semelhante. Nesse caso, foram feitas transferências bancárias por meio de PIX para a conta dos criminosos.

Utiliza diversos nomes

As investigações mostraram que Mikaelly utiliza diversos nomes, o que dificulta sua identificação nos crimes. Apenas em Mato Grosso do Sul, ela possui 17 anotações criminais por furto, além de dano e receptação. Em 1 de janeiro de 2015, ela foi presa em flagrante por matar a travesti Douglas dos Santos Pinheiro, conhecido como Verônica Bismark, com um golpe de canivete em Coxim, a 260 quilômetros de Campo Grande. Ela também é suspeita de crimes em São Paulo e em Santa Catarina.

Há dois anos, Mikaelly foi coroada Miss Transex Brasil, tido como o mais importante concurso de beleza para “mulheres travestis e transexuais brasileiras, com décadas de tradição e inclusão”, de acordo com a organização. Na ocasião, ela vestia um figurino inspirado em rainhas medievais avaliado em R$ 30 mil.

“Eu me dediquei o ano todo para a tão sonhada coroa e tive uma equipe que me apoiou desde o começo, com estilista, maquiador, coreógrafos e professores para uma melhor oratória. Sou grata a toda essa equipe”, disse ao portal Campo Grande News à época.

 

 

Crédito: extra.globo.com