Vitamina K2 Ajuda na Saúde do Coração e dos Ossos. Veja!

Com o passar dos anos, pode haver uma fragilidade maior dos ossos, o que aumenta o risco de fraturas.

Sendo a vitamina K2 um nutriente que o corpo precisa para manter a saúde dos ossos, mas também protege o coração.

Como está pouco presente na nossa alimentação, seu suplemento é recomendado principalmente para idosos e mulheres, especialmente após a menopausa.

A seguir, veja por que é tão importante para a saúde do coração e dos ossos.

O que é a vitamina K2?

É uma vitamina lipossolúvel, isto é, solúvel em gordura, mas diferentemente da vitamina K1, é praticamente ausente na nossa alimentação.

Ela é o resultado da fermentação, sendo encontrada principalmente no sistema digestivo, mas também em alguns alimentos, como o queijo, óleo de peixe, e iogurtes.

A vitamina K2 desempenha muitas funções no organismo, tais como:

  1. Previne a osteoporose e artrose;
  2. Evita a calcificação das artérias e o desenvolvimento da arteriosclerose;
  3. Manter a saúde dos dentes;
  4. Ajuda a combater o diabetes.

Alguns estudos inclusive mostraram que o consumo regular de vitamina K2 pode ajudar a obter uma melhor densidade óssea.

Quais os benefícios para a saúde do coração e dos ossos

Confira a seguir como a vitamina K2 ajuda na saúde do coração e dos ossos:

Protege o sistema cardiovascularpreven

Saiba que a deficiência em vitamina K está associada a um risco maior de calcificação arterial, que é chave para acarretar o aparecimento de doenças cardiovasculares.

Ou seja, o acúmulo de cálcio nas artérias em volta do coração é um importante fator de risco para doenças cardíacas, pois causa uma fragilidade e rigidez das artérias, que acabam afetando a circulação sanguínea.

Sendo assim, seu suplemento permite reduzir o risco de desenvolver essas calcificações, além de retardar sua progressão, pois ajuda diminuir o acúmulo de cálcio nas artérias, o que por sua vez reduziria o risco de doenças cardíacas.

Prevenção da osteoporose

Representa um papel importante na preservação da densidade óssea em pessoas de mais de 60 anos e em mulheres na pós-menopausa.

Além de reduzir a perda óssea, há uma redução significativa no risco de quedas e fraturas.

Portanto, contribui para a manutenção saudável dos ossos ao ativar as proteínas envolvidas no processo de construção óssea, aquelas que regulam a utilização do cálcio no organismo.

Por outro lado, como podemos ver na descrição do site https://biohigh.com.br/p/vitamina-k2/,o suplemento também ajuda no aumento da produção de colágeno, que constitui a matriz óssea e que fortalece os ossos.

Melhora a saúde dos dentes

A vitamina K2 desempenha um papel importante não somente no metabolismo dos ossos, mas também na saúde dos dentes.

Isso ocorre uma vez que contribui na redução das inflamações e das doenças de gengiva, pois diminui a produção de fibroblastos fabricando novos tecidos.

É importante mencionar que a ação dos fibroblastos sobre a gengivite tem efeitos prejudiciais e pode provocar a calcificação do nervo periodontal.

Acompanhe a Bio High no twitter, as publicações feitas através do perfil deles, trazem o máximo de informações a respeito da Vitamina K2 e outros suplementos.

A vitamina K2 e câncer

Nos países ocidentais, o câncer é uma das causas mais comuns de morte, onde a vitamina K2 tem sido objeto de estudo em razão de seus supostos efeitos sobre a doença.

Dois ensaios clínicos sugerem que essa vitamina permite reduzir a recorrência do câncer de fígado e mesmo aumentar o tempo de vida dos pacientes.

Estudos ainda estão sendo feitos para demonstrar realmente se é eficaz.

Independentemente do suplemento, recomenda-se sempre consultar um médico antes de tomar, seja para avaliar se há alguma contraindicação quanto para indicar a dosagem adequada.

‘Vacina de vento’: técnica de enfermagem levada a delegacia culpou residente por seringa vazia

A técnica de enfermagem Adenilde Lourenço da Silva, que trabalha há 11 meses no Centro Municipal de Saúde João Barros Barreto, em Copacabana, na Zona Sul do Rio, prestou depoimento, nesta quinta-feira, na 12ªDP (Copacabana), por conta de uma suspeita de irregularidade na aplicação de vacina contra a Covid-19.

De acordo com denúncia feita pela filha de uma idosa, de 85 anos, ao rever a filmagem da aplicação (gravada ela famíla), ocorrida no dia 27 janeiro, ela percebeu que a seringa estava vazia ou com uma quantidade mínima de líquido. O caso foi comunicado a unidade de saúde e passou a ser investigado pela Polícia Civil por suspeita de crime de peculato.

Adenilde chegou em um carro da polícia. Ela havia sido intimada e preferiu acompanhar os policiais para prestar os esclarecimentos. Durante duas horas de depoimento, a técnica de enfermagem foi interrogada pelos agentes da 12ªDP. De acordo com a delegada Bruna Xavier, a funcionária da saúde admitiu que houve uma mudança de protocolo durante a aplicação da vacina da idosa. A técnica alegou que, o dia 27 de janeiro último, não era ela quem colocava o imunizante na seringa, e sim uma residente.

Assim, informou que pegou a seringa dentro de uma caixa com gelo e que teria percebido algo errado, mas que deixou de comunicar o fato para uma enfermeira chefe.

A delegada Bianca Xavier deverá ouvir, ainda nesta sexta-feira, mais dois funcionários da unidade que foram citados no depoimento da técnica de enfermagem: a enfermeira chefe e uma residente. Esta última ainda não havia sido identificada pela polícia já que a técnica não soube citar seu nome. Na próxima semana uma parente da idosa também deverá ser ouvida.

A secretaria municipal de saúde (SMS) informou ter decidido afastar uma técnica de enfermagem após receber denúncia sobre irregularidade na aplicação de vacina contra a Covid-19. Diante da dúvida levantada, a SMS anunciou que a idosa teve a dose reaplicada e que abriu uma sindicância para apurar o ocorrido.

Em nota, a secretaria disse ter reforçado a orientação para que as equipes mostrem todo processo de aplicação da vacina para os usuários e que, em caso de dúvidas, as famílias devem solicitar esclarecimentos aos profissionais imediatamente.

A suposta aplicação de “vacinas de vento” — quando, apesar da perfuração da agulha, o paciente não recebe o líquido imunizante — é investigada em pelo menos mais três casos. Um ocorreu na capital Fluminense, outro em Petrópolis e um terceiro em Niterói. Neste último, a polícia indiciou por peculato e infração de medida sanitária uma técnica de enfermagem que não apertou o êmbolo da seringa ao atender um idoso de 90 anos, em um posto drive-thru da Universidade Federal Fluminense.

Abaixo, a íntegra da nota da SMS do Rio sobre o caso de Copacabana:

“A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) afastou a técnica de enfermagem que aplicou a vacina e abriu sindicância para apurar o ocorrido no Centro Municipal de Saúde João Barros Barreto. Diante da dúvida levantada, a paciente teve a vacina reaplicada, para garantir a imunização.

A SMS preza pela transparência e reforçou a orientação para as equipes mostrarem todo o processo de aplicação da vacina para os usuários. Fotos e vídeos do momento da aplicação estão liberados e são recomendados. Em caso de quaisquer dúvidas, as famílias devem solicitar esclarecimento aos profissionais imediatamente.

 

Fonte: extra.com

Prefeitura divulga balanço da Força-Tarefa durante o Carnaval

O feriado de carnaval foi de muito trabalho nas unidades de Saúde de Maricá, mas as unidades suportaram bem a demanda com equipes completas e totalmente abastecidas. Foram registrados 1.277 atendimentos no Hospital Municipal Conde Modesto Leal (Centro); 855 atendimentos na Unidade de Pronto Atendimento de Inoã (UPA Inoã); 526 atendimentos no Posto de Saúde Santa Rita 24h (Itaipuaçu) e 29 atendimentos na Tenda de Emergência de Ponta Negra. Já nas tendas de COVID-19, o número de atendidos foi: 145 na tenda Upa; 174 na tenda Centro e 170 na tenda de Itaipuaçu.

Além disso, a Prefeitura realizou uma força tarefa de sexta à terça-feira, 12 a 16/02, para evitar aglomerações e a desobediência do decreto municipal que proibia a realização de festas.

A Secretaria de Ordem Pública e Gestão de Gabinete Institucional (SEOP) realizou 346 notificações; 32 apreensões de veículos; averiguou 92 denúncias feitas pelo Disk SEOP. Além disso, 1296 pessoas receberam orientação sobre as medidas de combate ao coronavírus em todo o município e 5 conduções de pessoas à delegacia (82ª DP). O efetivo contou com cerca de 616 agentes, entre Guarda Municipal, Proeis e Seop.

“Infelizmente muitas pessoas mostraram não ter consciência com a pandemia. Detectamos aglomerações e festas ‘clandestinas’. Nossas equipes trabalharam incansavelmente com o objetivo de minimizar os reflexos em leitos de hospitais lotados como efeito de aglomerações deste carnaval”, disse o secretário da Seop, Júlio Veras.

Dados da Secretaria de Trânsito, garantem que foram cometidas 140 infrações de trânsito. A maioria, em Ponta Negra e Itaipuaçu, por estacionamento na calçada (passeio).

O efetivo contou com 60 orientadores divididos entre os turnos, sendo a maioria empregada durante o dia e dividos em Ponta Negra, Cordeirinho, Espraiado e Itaipuaçu (Recanto, Barroco e Rua 1).

Em Ponta Negra também foi realizada a divisão do trânsito em duas vias principais em mão única. E bloqueios foram necessários nos acessos à Cachoeira do Espraiado; ao Farol de Ponta Negra e ao Recanto de Itaipuaçu.

Com 21 postos de salvamento nas praias, dois pontos de apoio e salvamento na Lagoa do Boqueirão e Orla Zé Garoto, além de 4 tendas de atendimento e identificação de crianças (Itaipuaçu, Barra de Maricá, Cordeirinho e Ponta Negra), a Defesa Civil atuou com 248 agentes; 4 quadriciclos e um barco. Foram 3333 atendimentos a frequentadores e turistas; 1537 crianças identificadas; 6917 prevenções no mar; 8 salvamentos e 1 afogamento com óbito.

A Secretaria também ficou responsável pela sinalização, através de bandeiras espalhadas por toda extensão de areia, orientando os banhistas sobre as condições do mar. De sexta à terça-feira, dias 12 a 16/02, a Coordenadoria de Postura atuou na dispersão de 200 grupos que faziam churrascos na orla, às margens dos canais do Recanto e de Ponta Negra, nas lagoas e cachoeiras do Espraiado e do Silvado.

Além disso, 150 ambulantes sem autorização foram retirados dos locais em que haviam se estabelecido e outros 20 foram intimados a comparecer à Coordenadoria de Postura para prestar esclarecimentos. Também foram removidos 100 acampamentos irregulares em áreas de preservação ambiental e derrubadas 10 construções igualmente irregulares erguidas na beira da praia, cujos proprietários foram notificados.

Cemitério de ambulâncias na Baixada Fluminense RJ

Em plena pandemia do coronavírus, uma parte importante da saúde de Seropédica, na Baixada Fluminense, está sucateada. Ao menos 16 ambulâncias estão abandonadas numa garagem sob responsabilidade da Secretaria municipal de Serviços Públicos. Do total, quatro veículos são do projeto Mãe Coruja, que foram entregues ao município em 2015 pelo governo do estado. O novo prefeito da cidade, Lucas Dutra dos Santos, o Professor Lucas (PSC), acusa a antiga administração, sob o comando do ex-prefeito Anabal de Souza, de ter abandonado as ambulâncias no local.

— Quando cheguei, nem cadeira tinha para eu sentar. Isso aconteceu na nossa frota também, mas o caso das ambulâncias chamou mais atenção porque a Saúde não para — afirma o prefeito.

Na garagem da secretaria não estão apenas ambulâncias sem motores, pneus e equipamentos como macas. A frota de sucatas reúne ônibus, caminhões e veículos para o serviço administrativo, alguns fabricados a partir de 2013. É o caso de um Tiguan, modelo 2015, cujo motor sumiu.

Diante do problema, a prefeitura resolveu improvisar na frota da Saúde, comprando veículos menores, os chamados “Kinder ovo”. São 12 miniambulâncias, das quais, segundo o prefeito, várias já estão precisando de reparos.

A Secretaria municipal de Saúde diz que estão em operação três ambulâncias do Samu: uma na UPA 24h, uma na unidade pré-hospitalar e outra na Clínica da Família. O transporte de pacientes que se tratam fora da cidade é feito numa van e em três veículos menores.

Procurado pelo EXTRA desde quinta-feira da semana passada, o ex-prefeito Anabal de Souza não foi encontrado para comentar as acusações de Professor Lucas. O novo prefeito afirma ainda que há casos de veículos oficiais que foram abandonados em locais de difícil acesso, além de denúncias de roubos de peças e motores.

Prefeitura vai analisar o que pode ser salvo

Do sucateamento encontrado na garagem, segundo o prefeito Professor Lucas, não escapam nem as ambulâncias adquiridas pela prefeitura no governo passado. De acordo com a nova administração, alguns dos veículos novos estão quebrados por falta de cuidados.

A funcionária pública Eliza Francisco da Silva, de 46 anos, já precisou do serviço de ambulâncias e não conseguiu ser atendida. Após ser diagnosticada com câncer, há dois anos, ela tinha que fazer tratamento em Nova Iguaçu, mas, pela falta da ambulância, precisou arcar com todos os custos.

— Liguei várias vezes e nunca tinha vaga, nunca podiam me levar. Tive que tomar partido e pagar a passagem do próprio bolso para conseguir me consultar — conta Eliza.

Professor Lucas afirmou ter acionado a Procuradoria Geral do Município para tomar as providências jurídicas. Disse ainda que vai analisar quais veículos podem ser recuperados para a frota da cidade.

 

Fonte: extra.com

Aglomeração e fura-fila marcam início da vacinação contra Covid-19 de idosos em São Gonçalo

Alguns idosos chegaram às 6h30 para se vacinar. Às 10h, pelo menos 100 deles aguardavam no local para receber a imunização.

A capital fluminense e a Região Metropolitana do Rio iniciaram, nesta terça-feira, a vacinação contra a Covid-19 de idosos com 83 anos. Em São Gonçalo, em um dos locais de imunização, pessoas se aglomeravam em uma longa fila que foi marcada até por fura-fila. Alguns idosos chegaram às 6h30 para se vacinar. Às 10h, pelo menos 100 deles aguardavam na fila, no Polo Sanitário Washington Luiz Lopes.
Segundo um guarda municipal que orientava idosos e parentes na fila, a unidade é conhecida por ser um importante polo de vacinação, por isso a fila grande. “Têm outras unidades aqui perto sem fila, mas as pessoas insistem em vir aqui. Estamos tentando orientar”, disse.
Iza Clarisse, de 83 anos, moradora de Santa Luzia, reclamou da desorganização do local para a campanha de vacinação. “Acho que o problema maior aqui foi a desorganização. Chequei às 6h30, já são 10h e ainda não me vacinei. Muita gente chegou depois e entrou na frente”, disse a idosa.
Segundo pessoas que aguardavam na fila, muitos idosos com idade abaixo da faixa-etária determinada para a data de vacinação também foram ao polo por engano e foram orientados a retornar. “A gente fica com medo de acabar e termina vindo para a fila à toa”, comentou Cristina Rego, 58, que acompanhava a mãe.
Outro problema relatado por idosos na fila seria a proibição de fotos e vídeos por parte dos profissionais de saúde. Em um cartaz colado no local, havia um aviso de proibição de filmagem e fotografia. Desde o início da vacinação, a polícia investiga a suspeita de falsas vacinações que foram divulgadas a partir das gravações de familiares no momento da aplicação.
“A gente quer se certificar que não vão injetar vento ou enganar. Eles têm que me deixar fotografar, disse Adriana dos Santos, 47, filha de Mario dos Santos, 83.
Procurada pelo O DIA, a Secretaria Municipal de Saúde de São Gonçalo lamenta o incidente no Polo Sanitário Washington Luiz Lopes e disse que o cartaz fixado na sala de vacinação é antigo. Segundo eles, o cartaz foi colocado na tentativa de preservar o servidor que não quisesse ser filmado.
“Ciente de que não se aplica neste momento, a direção da unidade já removeu o cartaz. Todos os servidores nos pontos de vacinação já foram orientados para que permitam e até incentivem a produção das imagens, por parentes ou acompanhantes de idosos a serem imunizados, a fim de garantir a qualidade do atendimento”, disseram, em nota.
A pasta também informou que, antes de cada aplicação, a seringa e dose são exibidas aos idosos e acompanhantes para se certificarem de que o imunizante será injetado. O município destaca que não recebeu qualquer denúncia de “vacina de vento” e que as orientações sobre o cuidado e zelo com os pacientes foram reiteradas.

Às 11h, a fila diminuiu depois do polo sanitário reorganizar e levar os pontos de vacinação para parte externa da unidade, o que evitou que as pessoas se deslocassem até dentro do local, levando menos tempo.