Macaé identifica frascos da CoronaVac com quantidades menores de doses

A Prefeitura de Macaé informou que identificou o recebimento de frascos da vacina CoronaVac com quantidade de doses menor do que as descritas na embalagem.

De acordo com a prefeitura, o caso de frascos que apresentam rendimento insuficiente para a aplicação de 10 doses foi encaminhado pela secretaria Adjunta de Atenção Básica à secretaria estadual de Saúde.

O município informou que os dados serão repassados também à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), conforme orientação do Ministério da Saúde.

“A nossa equipe segue os critérios adequados de aspiração e aplicação nas campanhas de vacinação, sem que haja prejuízos. A troca dessas informações ajuda a garantir maior transparência sobre o volume de vacinas recebidas pela cidade, e o total de doses efetivamente aplicadas”, explicou o secretário adjunto de Atenção Básica, Luiz Carlos Braga.

A prefeitura não divulgou quantos frascos apresentaram doses reduzidas.

Na terça-feira (13), o Instituto Butantan informou que vai revisar a bula da CoronaVac após queixas de pelo menos 12 estados sobre frascos com menos doses.

O Instituto admitiu ainda a possibilidade de incluir um QR Code na bula da vacina CoronaVac para orientar a extração de 10 doses em cada frasco do produto.

O Ministério da Saúde afirmou que a orientação é para que estados e municípios registrem no formulário técnico quando não for possível aspirar o total de doses declaradas nos rótulos das vacinas, e que a análise dessas ocorrências seja conduzida pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

A agência declarou que todas as hipóteses estão sendo avaliadas para que se verifique a origem do problema e não haja prejuízos à vacinação em curso no país.

 

 

Fonte: rlagos

Covid-19: 1ª dose da vacina é suspensa em algumas cidades do interior do Rio por falta de estoque

14 cidades do interior do Rio de Janeiro informaram que  suspenderam a aplicação da primeira dose das vacinas contra a Covid-19 devido à falta de estoque.

Cidades:

 Búzios: acabou a primeira dose, a segunda dose segue como previsto;

São Pedro da Aldeia: acabou a primeira dose. A segunda começou a ser aplicada nesta quarta (7);

Iguaba Grande: acabou o estoque da primeira dose, a segunda dose segue como previsto;

Saquarema: acabou a primeira dose, a segunda dose segue como previsto;

Teresópolis: aplicação da primeira dose em idosos com 67 anos teve que ser interrompida. Município diz que a segunda dose está garantida para quem recebeu a primeira dose da vacina nos dias 20, 23 e 24 de março. Aplicação está prevista para o dia 13 de abril;

Bom Jardim: será aplicada a segunda dose em idosos de 74 e 75 anos e profissionais de saúde com mais de 34 anos;

Duas Barras: no próximo sábado (10), serão imunizados idosos cadastrados com mais de 60 anos no Ciep da cidade, das 9h às 16h;

Carmo: interrompeu a vacinação de idosos com 65 anos devido à falta de estoque. Segue imunizando com a 2ª dose;

Macuco: sem estoque para a primeira dose. Está vacinando apenas com a 2ª dose para idosos com mais de 63 anos;

Santa Maria Madalena: aplicando apenas 2ª dose nesta quinta-feira (8) em idosos entre 75 e 79 anos;

Trajano de Moraes: aplicação da 1ª dose interrompida por falta de estoque. Está aplicando apenas 2ª dose em idosos entre 75 e 79 anos;

São João da Barra: aplicação apenas da segunda dose;

Quissamã: há doses para garantir a continuidade do calendário de vacinação em idosos entre 60 e 64 anos até esta sexta-feira (9). Na última semana, o município recebeu um lote para assegurar parte da segunda dose, que já está sendo aplicada pela equipe da Secretaria de Saúde;

Cambuci: aplicando apenas 2ª dose nos distritos de Três Irmãos, Funil e São João do Paraíso. Aguardando a chegada de mais doses para prosseguir com a vacinação da 1ª dose em idosos entre 65 e 69 anos.

 

A Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro informou que a chegada de novas doses depende do Ministério da Saúde. O Ministério da Saúde informou nesta quarta-feira (7) que não há previsão de distribuição de novas doses.

Projeto que permite empresas a comprarem vacinas da é aprovado

Na noite de ontem, terça-feira 6 de Abril, a Câmara dos Deputados aprovou com 317 votos, o texto-base da proposta que permite empresas a comprar vacinas contra a covid-19 para imunizar seus funcionários mas em contra partida precisa que seja doado a mesma quantidade ao SUS (Sistema Único de Saúde).

Câmara vota os destaques nesta quarta-feira

Vários destaques que ainda poderão mudar o texto serão votados nesta quarta-feira (7), em sessão plenária prevista para começar às 13h55. Com a conclusão da votação, o projeto seguirá para análise e votação do Senado.

O texto-base aprovado é um substitutivo da relatora, deputada Celina Leão (PP-DF), que faz alterações no Projeto de Lei 948/21, do deputado Hildo Rocha (MDB-MA). A aquisição das vacinas, segundo o texto, poderá ser feita pelas pessoas jurídicas de direito privado, individualmente ou em consórcio.

Brasil recebe hoje 1,02 milhão de vacinas do consórcio Covax-Facility

O Brasil recebe hoje (21) o primeiro lote de vacinas contra covid-19 provenientes do consórcio Covax-Facility. Serão 1.022.400 doses que chegarão ao país às 18h. A chegada das vacinas foi confirmada pela representante da Organização Mundial da Saúde (OMS) e da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas) no Brasil, Socorro Galiano.

Galiano enviou na sexta-feira (19) uma carta endereçada ao ministro da Saúde, Eduardo Pazuello. “É com satisfação que informamos que o primeiro embarque, referente a 1.022.400 doses da vacina contra Covid-19, adquiridas através do mecanismo Covax, chegará ao Brasil no dia 21 de março de 2021”, disse ela, na carta.

Na carta ao ministro, a representante da Opas/OMS no Brasil também acrescentou que 90% das doses têm vencimento em 31 de maio de 2021 e as demais 10% em 30 abril de 2021. A Covax-Facility é uma aliança internacional da Organização Mundial de Saúde (OMS) que tem como principal objetivo acelerar o desenvolvimento e a fabricação de vacinas contra a covid-19. Trata-se de um consórcio internacional com o objetivo de garantir acesso igualitário à imunização.

De acordo com o comunicado do consórcio, a projeção é que sejam enviadas 330 milhões de doses das vacinas da Pfizer/BioNTech e Oxford/AstraZeneca na primeira metade de 2021 para 145 países integrantes da aliança, que reúne mais de 150 nações.

 

 

 

 

 

Fonte: agenciabrasil

Prefeitura de Maricá anuncia compra de 400 mil doses da vacina Sputnik V

A Prefeitura de Maricá anunciou, nesta quinta-feira (11/03), ter fechado acordo com a Rússia para a aquisição, imediata, de 400 mil doses da vacina Sputnik V, desenvolvida pelo país. O anúncio foi feito pelo prefeito Fabiano Horta.

“Diante da sanção de lei federal permitindo a compra de vacinas por municípios, determinei aos órgãos municipais envolvidos que tomassem as providências necessárias para a compra da Sputnik V em contrato a ser imediatamente celebrado com o Fundo Soberano Russo”, explicou o prefeito. Como a vacina será produzida na Rússia e enviada ao Brasil pronta para a utilização, o prazo para a chegada das primeiras doses ainda depende da logística exigida na operação para ser definido.

Ainda segundo o prefeito, desde dezembro o município vinha fazendo tratativas para a aquisição do imunizante desenvolvido pelos russos, ao mesmo tempo em que tentava a compra da vacina Coronavac, fabricada pelo Instituto Butantan a partir de um produto da China.

“A intenção de compra não tinha sido materializada até aqui por conta da impossibilidade legal dos municípios fecharem as compras diretamente”, acrescenta Fabiano Horta. “Temos a partir de agora todas as condições de avançar mais rápido na imunização da nossa população, com a aquisição da vacina Sputnik. Estamos em um momento da pandemia onde dar celeridade é o principal recurso para vencer essa batalha”, completou o prefeito.

O marco legal que permitiu a compra é o projeto de lei 534/2021, aprovado no Congresso e sancionado nesta quarta-feira (10/03) pelo presidente da República. A lei permite a compra por estados, municípios e pelo setor privado de vacinas contra a Covid-19 com registro ou autorização temporária no Brasil. A participação de Maricá na compra foi viabilizada um dia após a sanção depois que o município se incorporou à articulação feita por governadores do Consórcio Nordeste.

Desenvolvida pelo laboratório Gamaleya, a vacina Sputnik V alcançou eficácia de 91,6% segundo estudo publicado pela revista científica The Lancet. O estudo mostrou, ainda, que 21 dias depois da aplicação da primeira dose, ela foi 100% eficaz na prevenção de casos graves e mortes.

Tecnicamente, a vacina Sputnik V usa um método parecido com a da Astra Zeneca, que é a inserção de um pedaço do vírus Sars-CoV-2 em um chamado vetor viral (um adenovírus inofensivo), que é então injetado no corpo. Isso permite que o sistema imunológico reconheça a parte do coronavírus e então crie as defesas contra ele. A diferença entre a vacina russa e a da Astra Zeneca está no fato de que na russa cada uma das duas doses tem um adenovírus diferente, o que reduz a possibilidade de uma eventual resistência do organismo afetar a resposta imunológica.