Cachorro Zé Pereira deve ganhar estátua na Praça Fonseca Portela, no Centro de Rio Bonito

Para quem não é de Rio Bonito, na Região Metropolitana do Rio de Janeiro, ouvir que um cachorro pode ganhar uma estátua na praça central da cidade, pode parecer um tanto estranho, mas se depender dos cerca de 60 mil habitantes do município, o vira-latas Zé Pereira será eternizado na Praça Fonseca Portela, no Centro. Para legitimar a instalação, um grupo está coletando assinaturas que devem ser levadas a Prefeitura e assim homenagear o cão que durante anos morou nos arredores da praça e era muito bem cuidado, principalmente pela jornaleira Terezina Gomes. Ele faleceu de pneumonia no último dia 30 de agosto.

 

Como tudo começou

Assim que o cãozinho partiu, o diretor e fundador do projeto social Lona na Lua, Zeca Novais, escreveu um texto sobre ele e disse que Zé Pereira merecia uma estátua na Praça Fonseca Portela. “Zé Pereira merece uma placa, um busto, uma estátua na Praça Fonseca Portela!”. A postagem do texto no Facebook gerou mais de 600 compartilhamentos quase 900 comentários de pessoas aprovando a ideia.

A partir daí foi dado o pontapé inicial. Foi criada uma petição pública para dar legitimidade ao ato e então solicitar a instalação da estátua junto a Prefeitura. A lista já possui mais de 300 assinaturas e a estátua já foi encomendada para a artista plástica niteroiense Jô Grassini, que também é a responsável pelas estátuas de Angelo Longo e Leir Moraes, fincadas na mesma Praça, que ganhará a escultura do cãozinho.

Para Zeca, Zé Pereira “é um personagem da história da contemporaneidade de Rio Bonito, Zé Pereira marcou uma geração. É um cachorro que a gente vai contar dele para nossos filhos e netos. É um cachorro que conseguiu unir uma cidade”, revela.

 

Repercussão

A morte de Zé Pereira e a notícia da estátua se espalharam e virou assunto até mesmo na Coluna Niterói de Verdade, do jornalista Gilson Monteiro. Em um texto intitulado “Cão mais amado da cidade, Zé Pereira vai ganhar estátua em Rio Bonito (RJ)”, ele conta histórias do cachorro e sobre a homenagem que será feita. De acordo com o jornalista, o secretário de Cultura e Turismo, Janderson Muniz disse que não “existe dispositivo legal para ser destinada verba municipal para a estátua”, mas “o prefeito Leandro Pereira Neto e secretários estão empenhados em ajudar a conseguir recursos para a obra”.

 

Como participar

Quem quiser deixar sua assinatura pedindo a instalação da estátua, basta entrar neste link https://secure.avaaz.org/community_petitions/po/camara_de_vereadores_de_rio_bonito_rj_uma_estatua_para_ze_pereira_1/?cFLYoeb&utm_source=sharetools&utm_medium=copy&utm_campaign=petition-1303846-uma_estatua_para_ze_pereira&utm_term=cFLYoeb%2Bpo

Assim que a Prefeitura autorizar a instalação, o mesmo grupo, formado pela sociedade civil organizada, será aberta uma vaquinha on-line para custear a estátua de Zé Pereira.

 

Lívia Louzada

Zé Pereira se foi

O cachorro mais amado da história da cidade partiu. Idoso e com muitas complicações de saúde, nosso Zé Pereira deixa Rio Bonito mais triste.

O verdadeiro Rei da Praça!

Sem pedir licença, entrava em qualquer agência bancária para tirar uma soneca no frescor do ar-condicionado.

Um vira-latas que não precisava virar lata nenhuma. Zé era amado por todos. E nunca faltou nada.

Zé não passava fome, todos cuidavam dele. Além da comida que amigos colocavam em seu pratinho estrategicamente localizado atrás da Banca da Praça, todas as noites Zé ganhava um hambúrguer no Trailer do Cabeludo e petiscos de outros carrinhos de lanches.

Em alguns momentos pessoas da cidade patrocinavam banho e tosa para o cachorro mais amado da história de Rio Bonito. Também ganhava roupinha em tempos de frio.

A tia da Banca de jornal cuidou de Zé com tanto amor, com tanto carinho, que emocionava a gente. Se ele adoecia, ela acionava o veterinário. Se ele estava meio sumido, era ela quem o procurava pela praça.

Algumas vezes pessoas da cidade até tentaram levar Zé Pereira para suas casas. Queriam adotá-lo. Mas, Zé nunca se adaptou. Queria voltar pra rua.

Escolheu viver ali. E ser o Rei da Praça.

Zé não tinha dono.

Zé era de todos.

Zé Pereira levou alegria e companhia a muita gente: pessoas no ponto de ônibus, estudantes, crianças que brincavam na praça, funcionários das lojas do Centro descansando seu almoço e até bêbados da madrugada, que encontravam em Zé Pereira um amigo para uma boa conversa.

Zé marcou uma época em Rio Bonito. Zé é um símbolo da cidade. Ganhou até uma bela arte em sua homenagem, pintada na escadaria do hospital.

Pai de inúmeros “Zezinhos”, sempre se metia em confusão, algumas vezes sendo atropelado por estar atrás de alguma cachorrinha no cio, ou caindo no valão, por não estar enxergando muito bem.

Com o tempo, motoristas começaram a andar mais devagar pelo Centro. Era preciso ter cuidado. Zé Pereira poderia estar ali perto da banca e ninguém poderia atropelar o cachorro mais amado da história da cidade.

Zé Pereira merece uma placa, um busto, uma estátua na Praça Fonseca Portela!

Zé Pereira é eterno.

Com certeza existe um céu para os cachorros. E é bom que tenha ar-condicionado… Porque Zé Pereira está chegando.

Zeca Novais